Merleau-Ponty como leitor de Schelling

Autores

  • Rodrigo Benevides Barbosa Gomes Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v25i4p99-118

Palavras-chave:

Merleau-Ponty, Schelling, fenomenologia, ontologia

Resumo

Trata-se aqui de demonstrar – por meio das obras O visível e o invisível e A Natureza: Curso do Collège de France - a leitura merleau-pontiana da Naturphilosophie de Schelling. O fenomenólogo francês vê no idealista alemão um projeto que entra em harmonia com sua ontologia do Être Brut da década de 1950, pois, como o artigo demonstra, ambos defendem uma unicidade do Ser na qual o irrompimento da vida e da consciência são compreendidos como fenômenos que ultrapassam delimitações que separam natureza e cultura, positividade e negatividade, imobilidade e expressividade, etc. Com isso, o artigo visa indicar a convergência - explicitada pelo próprio Merleau-Ponty - entre as noções de Princípio Bárbaro e Carne.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bimbenet, E. (2004). Nature et Humanité: Le problème anthropologique dans l’ouvre de Merleau-Ponty. Paris: Librarie Philosophique J. Vrin.

Chauí, M. (2002). Experiência do Pensamento: Ensaios sobre a obra de Merleau-Ponty. São Paulo: Martins Fontes.

Chauí, M. (2012). Merleau-Ponty: da constituição à instituição. Revista Dois Pontos, 9(1), 155-180. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v9i1.29097

Dastur, F. (2001). Chair et langage: essais sur Merleau-Ponty. La Versane Encre Marine.

Heidegger, M. (2003). A caminho da linguagem. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco.

Heidegger, M. (2006). Ser e Tempo. São Paulo: Editora Vozes

James, W. (1988). A Pluralistic Universe. In: William James: Writings 1902-1910. New York: Library of America.

Kahlmeyer-Mertens, R. S. (2016). “Redução Fenomenológica enquanto retorno ao Mundo-da-Vida”. In: Merleau-Ponty – Compêndio. São Paulo: Ed. LiberArs.

Kant, I. (1987). Critique of Judgement. Indiana: Hackett Publishing Company.

Lebrun, G. (2002). Kant e o fim da metafísica. São Paulo: Martins Fontes.

Merleau-Ponty, M. (1942). La structure du comportement. Paris: PUF.

Merleau-Ponty, M. (1945). Phénoménologie de la perception. Paris: Gallimard.

Merleau-Ponty, M. (1964). Le visible et l’invisible. Paris: Galimard.

Merleau-Ponty, M. (1968). Résumés de Cours. Collège de France (1952-1960), Paris: Gallimard.

Merleau-Ponty, M. (1999). Fenomenologia da Percepção. Tradução C. A. de Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes.

Merleau-Ponty, M. (2006a). A Natureza: Curso do Collège de France. 2 ed. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes.

Merleau-Ponty, M. (2009). O visível e o invisível. 4. ed. Tradução de José Arthur Giannotti e Armando Mora d’Oliveira. São Paulo: Perspectiva

Merleau-Ponty, M. (2003). Signes. Paris: Gallimard.

Merleau-Ponty, M. (2004). “A Dúvida de Cézanne”. In: O Olho e o Espírito. Trad. Paulo Neves e Maria E. Galvão Gomes Pereira. São Paulo: Cosac & Naify.

Merleau-Ponty, M. (2006b). A Estrutura do Comportamento. Tradução de M. V. M. de Aguiar. São Paulo: Martins Fontes.

Moura, A. C. (2010). Entre o Ser e o Nada: a dissolução ontológica na filosofia de Merleau-Ponty. Tese de Doutorado em Filosofia - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP. São Paulo.

Mousinho, P. (2009). Natureza, tempo e movimento: Merleau-Ponty leitor de Whitehead. O que nos faz pensar: Cadernos do Departamento de Filosofia da PUC-Rio, 25, 79-94

Moutinho, L. D. S. (2006). Razão e experiência: ensaio sobre Merleau-Ponty. São Paulo: Ed. Unesp.

Moutinho, L. D. S. (2012). Merleau-Ponty e a “filosofia da consciência”. Revista Dois Pontos, 9(1), 121-153. Curitiba/São Carlos. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dp.v9i1.29096

Nogueira, R. Z. (2019). A Processão do absoluto: notas sobre Merleau-Ponty e Schelling. Princípios - Revista de Filosofia, 26 (49), 183-217. DOI: https://doi.org/10.21680/1983-2109.2019v26n49ID13641

Norsen, T. (2017). Foundations of Quantum Mechanics: An Exploration of the Physical Meaning of Quantum Theory. New York: Springer.

Ramos, S. de S. (2013). A Prosa de Dora: Uma Leitura da Articulação entre Natureza e Cultura na Filosofia de Merleau-Ponty. São Paulo: Edusp.

Sacrini, M. A. F. (2008). Fenomenologia e Ontologia em Merleau-Ponty. Tese de Doutorado em Filosofia - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP. São Paulo.

Schelling, F. W. J. (1860). System der gesamten Philosophie und der Naturphilosophie insbesonder. In: Sämtliche Werke, VI. Stuttgart/Augsburg: J. G. Cotta’scher Verlag.

Schelling, F. W. J. (1973). Bruno ou Do princípio divino e natural das coisas: um diálogo. In Fichte, J. G.; Schelling, F. W. J. Escritos filosóficos. Ed. e trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

Schelling, F. W. J. (2004). First Outline of a System of the Philosophy of Nature. Tradução de Keith R. Peterson. New York: State University of New York Press.

Schelling, F. W. J. (2010). Filosofia da Arte. Trad. Márcio Suzuki. São Paulo: Edusp.

Suzuki, M. (2003). La double enigme du monde: nature et langage chez Schelling et Merleau-Ponty. Chiasmi International, 5, 235-258.

Toadvine, T. (2009). Merleau-Ponty’s Philosophy of Nature. Illinois: Northwestern University Press.

Uexküll, J. (2006). Mondes animaux et monde humain. Paris: Denoël.

Whitehead, A. N. (1979). Process and Reality: An Essay in Cosmology. Londres/Nova York: The FreePress/ Macmillan.

Whitehead, A. N. (1995). The Concept of Nature. Cambridge: Cambridge University Press.

Whitehead, A. N. (2006). A Ciência e o Mundo Moderno. São Paulo: Editora Paulus.

Downloads

Publicado

2020-12-26

Como Citar

Gomes, R. B. B. . (2020). Merleau-Ponty como leitor de Schelling. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 25(4), 99-118. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v25i4p99-118

Edição

Seção

Artigos