Kant, história e a ideia de desenvolvimento moral

Autores

  • Pauline Kleingeld Universidade de Groningen

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i18p105-132

Palavras-chave:

Kant, Filosofia da história, Desenvolvimento moral, Processo de aprendizado

Resumo

A filosofia da história de Kant tem sido criticada como sendo incompatível com os princípios de sua teoria moral. Para muitos comentadores, a própria ideia de desenvolvimento moral tem sido considerada inconsistente com alguns – ou com todos – os seguintes princípios kantianos fundamentais. Em primeiro lugar, sua noção de desenvolvimento racional tem sido considerada incompatível com a afirmação de que a lei moral é incondicional, e assim, universalmente válida (o problema da validade universal). Em segundo, sua noção de desenvolvimento racional, especialmente a noção de ‘moralização’, parece ir contra a sua tese de que a ação moral é numênica e, assim, atemporal (o problema da atemporalidade). Por fim, a noção de progresso moral parece contradizer a dignidade e a igualdade moral de todos os seres humanos, afirmando que alguns são ‘mais livres’ que outros (o problema da igualdade moral).Neste artigo, eu argumento que as acusações de inconsistência advêm, em grande parte, de uma compreensão insuficiente do modelo de desenvolvimento racional de Kant. Tomando o problema da validade universal como ponto de partida, eu começo examinando no que consistem ‘as disposições para o uso da razão’, e como Kant pensa que elas se desenvolvem no curso da história. Em seguida, eu explico como essa descrição nos permite resolver os dois outros problemas. Termino com a discussão sobre as razões de Kant para admitir que existe progresso histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-12-14

Como Citar

Kleingeld, P. (2011). Kant, história e a ideia de desenvolvimento moral. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, (18), 105-132. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i18p105-132

Edição

Seção

Artigos