[1]
J. Salviano, “O niilismo schopenhaueriano: uma introdução”, Cad. filos. alem., nº 7, p. 37-53, dez. 2001.