Esta é uma versão desatualizada publicada em 2020-12-22. Leia a versão mais recente.

Origem e desenvolvimento dos prefixos de- e des-

Autores

  • Alice Pereira Santos IFSP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp167-187

Palavras-chave:

Morfologia histórica, Derivação, Prefixos des- e de-, Etimologia

Resumo

Este trabalho objetiva resgatar a trajetória de um dos afixos mais produtivos no português atual – o prefixo “des-”Para tanto, a análise do prefixo “de-” também é requerida, visto que os percursos desses prefixos se entrecruzam em diversos momentos na história da língua. Além de apresentarem semelhanças formais e semânticas, acredita-se que o afixo “de-” esteja na esteira do desenvolvimento do prefixo neolatino “des-”. A fim de levar a cabo esses objetivos, utilizou-se, inicialmente, a base de dados do Dicionário Houaiss (2001). Vale destacar que outros dicionários foram utilizados para aferir e complementar essas informações. O artigo discutirá inicialmente o desenvolvimento do prefixo “de-”; em seguida, apresentar-se-ão as propostas etimológicas a respeito do formante “des-”, indicando sua interseção com alguns elementos formativos de origem latina (de-, dis- e ex), por meio da comparação de construções vocabulares derivadas com esses prefixos. Posteriormente, serão apresentadas as informações dialetológicas, extraídas dos estudos de Leite de Vasconcellos, dispostos nos volumes de Revista Lusitana (1887-1943), com o objetivo de investigar as alternâncias no uso dos prefixos supracitados. Essas etapas são indispensáveis para arquitetar uma proposta etimológica para o prefixo “des-”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Academia de la Llingua Asturiana. Gramática de la llingua asturiana. Oviedo: Academia de la llingua asturiana; 2001.

Álvarez R, Monteagudo H, Regueira XL. Gramática galega. Vigo: Galaxia, 6ª Ed.; 1995.

Badia i Margarit AM. Gramática catalana. Madri: Gredos; 1962.

Battisti C, Alesso G. Dizionario etimologico italiano. Firenze: Barbera; 1950-1957.

Bluteau R. Vocabulario portuguez e latino. Lisboa, Officina de Pascoal da Silva; 1720. [citado 17 ago. 2020]. Disponível em: www.ieb.usp.br.

Brocardo MT, Caetano MC. Para uma morfologia derivacional histórica do português: o prefixo des-. In Englebert, Annick; Michel Pierrard; Laurence Rosier & Dan Van Raemdonck (eds) Actes du XXIIe Congrès international de linguistique et philologie romanes. Tübingen: Max Niemeyer Verlag, Tome II; 1998, p. 39-47.

Caldas Aulete. Dicionário da Língua Portuguesa. 5ª Edição. Rio de Janeiro. Editora Delta; 1987. Disponível em : www.auletedigital.com.br. Acessos entre 2012 -2019.

Câmara Jr JM. História e estrutura da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Padrão; 1979.

Cange CF. Glossarium ad scriptores Mediae et Infimae Graecitatis duos in tomos digestum; Accedit Appendix ad Glossarium mediae et infimae Latinitatis, caetera subjectus syllabus indicabit. Paris: Collège de France; 1943.

Cardoso J. Dictionarium latino lusitanicum & vice versa lusitanico latinu[m]: cum adagiorum feré omnium iuxta seriem alphabeticam perutili expositione, ecclesiasticorum etiam vocabulorum interpretatione. Olyssipone : excussit Alexander de Syqueira : expensis Simonis Lopezij, bybliopolae; 1592.

Corominas J. Breve Diccionario etimológico de la lengua castellana. Madrid, Gredos; 1992.

Corominas J. Diccionario Crítico Etimológico Castellano Hispánico. Madrid: Gredos; 1954-1957.V.1a V.4.

Cortelazzo M; Zolli P. Dizionario etimologico della lingua italiana. Bologna: Zanichelli; 1988.

Cretela Jr J, Cintra GU. Dicionário latino-português São Paulo: Nacional; 1956.

Cunha AG. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira; 1982.

D’Ovidio F; Meyer-Lübke, W. Grammatica Storica della Lingua e del Dialetti Italiani. Milão: Ulrico Hoepli; 1919.

De Mauro T. Grande dizionario italiano dell’uso. Torino: UTET; 2000.

Demonte, V, organizador. Gramática descriptiva de la lengua española. Madrid: Real Academia Española, Espasa Calpe; 1999.

Diccionari de la llengua catalana 2ª edição. [citado 10 ago. 2019]. Disponível em: http://dlc.iec.cat/.

Diccionario clave de la lengua española. [citado 10 ago. 2019]. Disponível em: http://clave.librosvivos.net/.

Diccionario da lingua galega. Real Academia Galega. [citado 10 ago. 2019]. Disponível em: http://www.edu.xunta.es/diccionarios/index.

Diccionario de la lengua española. 23ª. ed. Madrid: Real Academia Española, 2005. [citado 10 ago. 2019]. Disponível em: http://www.rae.es.

Diccionariu de la Academia de la llingua austuriana. [citado 10 ago. 2019]. Disponível em: http://www.academiadelallingua.com/diccionariu/index.php.

Dictionnaire de L'Académie Française. Neuvième édition, version informatisée. [citado 10 ago. 2019]. Disponível em: http://atilf.atilf.fr/academie9.htm. Diez F. Grammaire des langues romanes. Paris: A. Franck; 1874. v. 2.

Dimitriuc. Stiintele limbajului. Gramatica limbii române explicata: morfologia; 1979.

Dizionario Etimologico de Italiano. Dicionário Etimológico online. [citado 10 ago. 2019]. Disponível em: http://www.etimo.it/.

Dubois J; Lagane R. La nouvelle grammaire du français. Paris: Larousse; 1973.

Ernout A, Meillet A. Dictionnaire étymologique de la langue latine. Paris: Klincksieck; 1967.

Faria E. Vocabulário latino-português: significação e história das palavras agrupadas por famílias segundo os programas atuais. Rio de Janeiro: F. Briguiet; 1943.

Faria E. Dicionário latino-português. Rio de Janeiro: Fename; 1975.

Ferreira AB de H. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira; 1986.

Gaffiot, F. Dictionnaire latin-français. Paris: Hachette; 1934.

Gran diccionari de la llengua catalana. [citado 10 ago. 2019]. Disponível em: http://www.enciclopedia.cat/.

Grandgent CH. Introduccion al Latin Vulgar. Madrid: Madrid : Consejo Superior de Investigaciones Científicas, Instituto Miguel de Cervantes; 1952.

Grossmann M. Opposizioni direzionali e prefissazione: analisi morfologica e semantica dei egressivi prefissati con des- e es- in catalano. Padova: Unipress; 1994.

Houaiss A, Villar M. Dicionário eletrônico da língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva; 2001.

Ivanescu G, Istoria limbii române, Bucureşti; 1980.

Lapesa R. Historia de la lengua española. Real Academia Española. Colección Nebrija y Bello. 6ª ed. Madri: Espasa Calpe; 2003.

Liddell HG, Scott R. A Greek-English lexicon, 9ª ed. Oxford: Clarendon Press,1996.

Lüdtke H. Historia del léxico románico. Madrid: Gredos; 1974.

Machado JP. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Lisboa: Livros Horizonte; 1973.

Meyer-Lübke W. Grammaire des langues romanes. Tomo II: Morphologie. Paris: H. Welter Éditeur; 1906. Vol. 2

Nascentes A. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Acadêmica; 1955.

Nebrija EA. Gramática Castellana. Madrid: Fundación Antonio de Nebrija; 1992.

Nunes JJ. Compêndio de Gramática Histórica. Lisboa: Clássica; 1945.

Nyrop K. Grammaire historique de la langue française. Copenhagen: Gyldendal; 1908. v.3.

Pena J. La palabra:estructura y procesos morfológicos. Verba, 18; 69-128.

Pereira RAR. Formação de verbos em português: a prefixação com a(d)-, en- e es-. [Dissertação]. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra; 2000.

Pereira RAR. Verbos prefixados com a(d)-, en- e es- em português: estrutura interna e externa. Máthesis, 2002;11:77-94.

Pidal RM. Orígenes del español: estado lingüístico de la Península Ibérica hasta el siglo XI. Madrid: Hernando; 1929.

Piel J. Miscelânea de etimologia portuguesa e galega. Coimbra: Coimbra Editora; 1953.

Poiares P. Diccionario lusitanico latino de nomes próprios de regioens, reinos, províncias, cidades. Lisboa: na officina de Joam da Costa; 1667. V. 1

Rio-Torto GM. Formação de verbos em português: parassíntese, circunfixação e/ou derivação? In Actas do IX Encontro Nacional da Associação da Portuguesa. Colibri, Lisboa; 1994.

Rio-Torto GM, et al. Gramática Derivacional do Português. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra; 2013.

Rohlfs G. Grammatica storica della lingua italiana e dei suoi dialetti, Morfologia, Torino, Einaudi; 1968.

Rohlfs G. Grammatica storica della lingua italiana e dei suoi dialetti: sintassi e formazione delle parole. Torino: Piccola Biblioteca Einaudi; 1969.

Rubio L. Introducción a la sintaxis estructural del latín. Barcelona: Ariel; 1983.

Said Ali M. Gramática Histórica da Língua Portuguesa. São Paulo: Melhoramentos; 1964.

Santos AP. Morfologia em diacronia - os caminhos e desvios de um afixo na história da língua: o percurso histórico-semântico do prefixo des- em bases sufixadas e em formações parassintéticas. [tese], São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2016.

Silva AM. Diccionario da lingua portugueza - recompilado dos vocabularios impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado, por Antonio de Moraes Silva. Lisboa: Typographia Lacerdina; 1813. [citado 10 jan. 2020]. Disponível em: http://dicionarios.bbm.usp.br/pt-br/dicionario/edicao/2.

Souter A. Glossary of later Latin to 600 A.D. Oxford : Clarendon Press; 1957.

Tekavičić P. Gramática storica dell’ italiano. Bologna: II mulino; 1980. 3 vol.

Torrinha F. Dicionário Latino-Português. Porto: Edições Marânus; 1945. 3a ed.

Väänänen V. Introduccion al Latin Vulgar. Trad. Manuel Carrión. Madrid: Editorial Gredos; 1985.

Vasconcellos JL. Lições de philologia portuguesa. Lisboa: Livraria Clássica Editora; 1911.

Vasconcellos JL. Opusculos: Dialectologia. Coimbra: Imprensa da Universidade; 1928. V. 2.

Vasconcellos JL de. Revista Lusitana. Lisboa: Centro de Estudos filológicos; 1967, V. I-XXXVIII (1887-1943).

Viaro ME. Sobre a origem das preposições ibero-românicas hasta, ata e até. Estudos de Lingüística Galega, 2013;5:189-212.

Viaro ME. Das preposições latinas às do português e do romeno: estudo das derivações semânticas. [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 1994.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Versões

Como Citar

Santos, A. P. (2020). Origem e desenvolvimento dos prefixos de- e des-. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(Especial), 167-187. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp167-187

Edição

Seção

Artigos