Esta é uma versão desatualizada publicada em 2020-12-22. Leia a versão mais recente.

Caminhos de um manuscrito setecentista: da Vila Real de Sabará à contemporaneidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp93-112

Palavras-chave:

Filologia Portuguesa. Carta Régia. Edição semidiplomática. Fonte documental.

Resumo

O caminho percorrido por um manuscrito, desde a sua produção, até chegar à contemporaneidade, pode revelar marcas de ações políticas que decidiram pela sua preservação. Para ilustrar esse pressuposto, apresenta-se a Carta Régia ao Juiz e officiaes da Camara para a contribuiçaõ do subsidio voluntario, de 1755, e mais especificamente sua cópia, de 1777. Logo na criação do documento, notam-se preocupações com a sua longevidade e com a segurança de sua circulação, a partir da análise codicológica do manuscrito. O catálogo “Coleção Alberto Lamego”, do IEB – Instituto de Estudos Brasileiros – configura-se como instrumento fundamental para a análise das fases de transmissão desse manuscrito, pois indica lugares de pousos em arquivos onde também se evidenciam esforços para a sua preservação e divulgação. Os estudos paleográficos e diplomáticos fornecem informações que permitem deduzir do texto e do testemunho a sua autoria, datação e observância de certas fórmulas peculiares dessa espécie documental, tornando possível a verificação de sua autenticidade e genuinidade, características imprescindíveis para que a edição semidiplomática do manuscrito possa ser utilizada como fonte documental segura para futuras pesquisas. Colecionadores, arquivistas, filólogos e demais pesquisadores são coautores nessa importante tarefa de transmitir documentos a gerações futuras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ackel A. Estudo paleográfico de manuscrito do século XVII. Todas as letras - Revista de Língua e Literatura, 2019;21:1-23.

Almada M. Cultura escrita e materialidade: possibilidades interdisciplinares de pesquisa. Pós, 2014;4(8): 134-147.

Bellotto HL. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial do Estado; 2002.

Berwanger AR , Leal JEF. Noções de paleografia e diplomática - 3. ed. rev. e ampl. Santa Maria: Ed. da UFSM; 2008.

Cambraia CN. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes; 2005

Contreras LN. Manual de paleografía. Madrid: Cátedra; 1994.

Ellis M. Catálogo da miscelânea e dos manuscritos da coleção Lamego. Revistas USP, 1961;22(46):521-542. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.1961.120369.

Fachin PRM. Práticas de escrita setecentista em manuscritos da administração colonial em circulação pública no Brasil [tese]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2011. doi:10.11606/T.8.2011.tde-01112011-131748.

Lara SH. Os documentos textuais e as fontes do conhecimento histórico. Anos 90, 2008;15(28):17-39.

Magalhães J. Escrita e Municipalismo na transição do Brasil-colónia e na ideação do Brasil independente. Revista de História Regional, 2014;19(2). doi:10.5212/Rev.Hist.Reg.v.19i2.0003.

Megale H, Toledo Neto S de A. Por minha letra e sinal: documentos do ouro no século XVII. Cotia: Ateliê Editorial, FAPESP; 2005.

Melo AFA. O papel como elemento de identificação. Lisboa: Biblioteca Nacional; 1926.

Monte VM. Documentos setecentistas: edição semidiplomática e tratamento das sibilantes [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2007.

Nogueira AR, Bellotto HL, Hutter LM. Catálogo dos manuscritos Coleção Alberto Lamego. 2ª. ed. São Paulo: IEB. EDUSP; 2002

Oliveira GGM. Estudo do papel e das filigranas dos séculos XVIII e XIX na capitania e província de Mato Grosso. Cuiabá/MT [dissertação]. Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso; 2014.

Russel-Wood AJR. Governantes e agentes. In: Bethencourt, Francisco & Chaudhuri, Kirti (dir.). História da expansão portuguesa. O Brasil na balança do Império (1697-1808). Lisboa: Círculo de Leitores; 1998.

Sartori A. Níveis de execução gráfica no Brasil quinhentista: Uma análise da morfologia das assinaturas deixadas nos livros da inquisição. In: Lose AD, Souza AS. Paleografia e suas interfaces. Salvador: Memória & Arte; 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-22 — Atualizado em 2020-12-22

Versões

Como Citar

Módolo, M., & Madeira, M. de F. N. (2020). Caminhos de um manuscrito setecentista: da Vila Real de Sabará à contemporaneidade. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(Especial), 93-112. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp93-112

Edição

Seção

Artigos