Esta é uma versão desatualizada publicada em 2020-12-22. Leia a versão mais recente.

Com a voz enrouquecida ou considerações sobre a presença de Camões no último capítulo de O crime do padre Amaro de Eça de Queirós

Autores

  • Ceila Maria Ferreira UFF

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp65-74

Palavras-chave:

Crítica textual, Literatura, Cânone literário, Transmissão textual

Resumo

Esta é uma versão, com poucas modificações, da palestra que foi apresentada durante o Colóquio Um Dia de Camões 8, no Instituto de Letras da UFF. Trata-se de um trabalho sobre a atualidade de Os Lusíadas. Também fizemos considerações sobre a presença de Camões no último capítulo de O crime do padre Amaro, obra que teve três versões, duas delas autorais, e que trouxe e traz ao público leitor o nome e um relato da Comuna de Paris, num exercício do que mais tarde Walter Benjamin chamou de “escovar a história a contrapelo”. Tal trabalho também versa sobre a importância da Crítica Textual para a preservação e divulgação do patrimônio cultural em forma de textos escritos, assim como sobre a importância dessa disciplina para os Estudos de Língua e de Literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Beauvouir S. O pensador. www.pensador.com. [citado 17 jul. 2020]. Disponível em: https://www.pensador.com/frase/ODgwNw.

Benjamin W. Sobre o conceito da história. In: Benjamin, W. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 8ª ed. São Paulo: Brasiliense; 2012. p. 241-252.

Bloch M. Apologia da história ou o ofício de historiador. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Zahar; 2001.

Bloom H. Gênio. Os 100 autores mais criativos da história da literatura. Trad. José Roberto O’Shea. Rio de Janeiro: Objetiva; 2003.

Cambraia CN. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes; 2005.

Camões LV de. Os Lusíadas. Edição comentada por Francisco da Silveira Bueno. São Paulo: Saraiva; 1960. (Vols. I e II).

Lisboa JL. Uma, duas, quantas edições?. Cultura [Online], 2014;33:97-108. [citado 17 jul. 2020]. Disponível em: http://journals.openedition.org/cultura/2378.

Matos AC. Eça de Queirós: uma biografia. Cotia/Campinas: Ateliê Editorial/Editora da Unicamp; 2014.

Mónica MF. Eça: vida e obra de José Maria Eça de Queirós. Rio de Janeiro: Record; 2001,

Platão. A república. Introdução, tradução e notas Maria Helena da Rocha Pereira. 8 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; 1996.

Queiroz JME de. O crime do padre Amaro. Biblioteca Digital da Biblioteca Nacional de Portugal: Lisboa; 1876.

Reis C, Milheiro M do R, editores. Edição crítica das obras de Eça de Queirós. O crime do padre Amaro. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda; 2000.

Rodrigues MM. A moderna escola camoniana brasileira. Congresso Internacional de Língua Portuguesa, Filosofia e Literaturas de Língua Portuguesa, 2007. Anais. 2007:31-41. [citado 16 jul. 2020]. Disponível em: http://www.filologia.org.br/vii_jnf/tex/31-41.pdf.

Rosa AM da. Eça, discípulo de Machado? Um estudo sobre Eça de Queirós. 2 ed. revista. Lisboa/São Paulo: Presença/Martins Fontes; 1979.

Souza J. A elite do atraso. Da escravidão à lava jato. Rio de Janeiro: Leya; 2017.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Versões

Como Citar

Ferreira, C. M. (2020). Com a voz enrouquecida ou considerações sobre a presença de Camões no último capítulo de O crime do padre Amaro de Eça de Queirós. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(Especial), 65-74. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp65-74

Edição

Seção

Artigos