Prevalência de deficiências motoras e sua relação com o gasto federal com próteses, órteses e outros equipamentos nos estados brasileiros em 2010

  • Shamyr Sulyvan Castro Universidade Federal do Triângulo Mineiro; Instituto de Ciências da Saúde; Departamento de Fisioterapia Aplicada
  • Peterson Marco O. Andrade Universidade Federal de Juiz de Fora; Departamento de Fisioterapia
  • John Stone Universidade de Buffalo; Escola de Saúde Pública e Profissões da Saúde; Departamento de Ciências da Reabilitação

Resumo

O objetivo deste estudo foi conhecer a prevalência de dificuldade motora (DM) (caminhar ou subir degraus) total e segundo graus (leve, moderada, grave) nos estados brasileiros e no país; apresentar os gastos federais com próteses, órteses e equipamentos (OPM) relacionados a essa dificuldade; e verificar a existência de correlação entre as prevalências de DM e gasto público com as OPM. Foram usados dados populacionais de todas as cidades do Brasil, obtidos a partir do site do IBGE, e gastos com OPM relacionados à DM, extraídos do site do DATASUS, de 2010. Os dados foram analisados por meio de prevalências de DM e gastos com OPM relacionados à DM. Utilizou-se o programa Stata 11 para execução do teste de correlação de Spearman com nível de significância de 5%. A prevalência de DM no Brasil no ano de 2010 foi de 6,91%, variando de 8,63% (AL) a 5,28% (TO). Os gastos com OPM variaram segundo os estados e foram proporcionais à prevalência de DM nas cidades dos estados do AC e PI (órteses), PB (próteses), e AC e MA (equipamentos). A correlação entre valor investido e prevalência de DM foi inversa nas cidades dos estados de ES, MG, PR, RS, SC e SP (órteses); ES, MG, PR, RS, SC e SP (próteses); e ES, MG, RS e SP (equipamentos).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-09-01
Como Citar
Castro, S., Andrade, P., & Stone, J. (2015). Prevalência de deficiências motoras e sua relação com o gasto federal com próteses, órteses e outros equipamentos nos estados brasileiros em 2010 . Fisioterapia E Pesquisa, 22(3), 261-267. https://doi.org/10.590/1809-2950/13594222032015
Seção
Artigos