Trinta minutos de repouso entre dois testes de caminhada de 6 minutos são suficientes para recuperação cardiovascular e sintomatológica em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica?

  • Jéssica Fernanda do Nascimento Fonseca Universidade Estadual de Londrina; Departamento de Fisioterapia; Laboratório de Pesquisa em Fisioterapia Pulmonar
  • Andrea Akemi Morita Universidade Estadual de Londrina; Departamento de Fisioterapia; Laboratório de Pesquisa em Fisioterapia Pulmonar
  • Gianna Waldrich Bisca Universidade Estadual de Londrina; Departamento de Fisioterapia; Laboratório de Pesquisa em Fisioterapia Pulmonar
  • Igor Lopes de Britto Universidade Norte do Paraná; Centro de Pesquisa em Ciências da Saúde
  • Larissa Araújo de Castro Universidade Norte do Paraná; Centro de Pesquisa em Ciências da Saúde
  • Josiane Marques Felcar Universidade Norte do Paraná; Centro de Pesquisa em Ciências da Saúde
  • Nídia Aparecida Hernandes Universidade Estadual de Londrina; Departamento de Fisioterapia
  • Fabio de Oliveira Pitta Universidade Estadual de Londrina; Departamento de Fisioterapia
  • Vanessa Suziane Probst Universidade Estadual de Londrina; Departamento de Fisioterapia

Resumo

Dois testes da caminhada de 6 minutos (TC6min) são necessários para avaliação da capacidade funcional de exercício em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Apesar de a American Thoracic Society (ATS) preconizar um intervalo de 1 hora entre dois testes, não se sabe se um período menor poderia ser utilizado para normalização das variáveis fisiológicas. O objetivo foi verificar se o intervalo de 30 minutos de repouso entre dois TC6min seria suficiente para que as variáveis cardiovasculares e sintomatológicas retornassem aos valores basais. Duzentos e quinze pacientes com DPOC (121H, 66±8 anos; VEF1: 44[32-57]% previsto) realizaram dois TC6min com intervalo de 30 minutos entre eles. Foram mensuradas antes e após os testes, pressão arterial (PA), frequência cardíaca (FC), saturação periférica de oxigênio (SpO2) e grau de dispneia e fadiga. Os pacientes caminharam maior distância no segundo teste (TC6min1: 450 [390-500]m vs TC6min2: 470 [403-515]m; p<0,0001). A FC inicial foi maior no segundo TC6min (FC inicial TC6min1: 83 [73-91]bpm vs TC6min2: 83 [75-93]bpm; p=0,001). Dispneia e fadiga foram menores antes do segundo teste (Borg dispneia inicial TC6min1: 0,5 [0-2] vs TC6min2: 0 [0-2]; p=0,0006 e Borg fadiga inicial TC6min1: 0 [0-2] vs TC6min2: 0 [0-2]; p=0,007). Não houve diferenças quanto à PA e SpO2 (p>;0,05 para todos). Embora haja diferença estatisticamente significante na FC inicial entre o primeiro e segundo teste, tal achado não parece ser clinicamente relevante. Portanto, trinta minutos de repouso entre dois TC6min são suficientes para recuperação sintomatológica e cardiovascular em pacientes com DPOC.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-09-01
Como Citar
Fonseca, J., Morita, A., Bisca, G., Britto, I., Castro, L., Felcar, J., Hernandes, N., Pitta, F., & Probst, V. (2015). Trinta minutos de repouso entre dois testes de caminhada de 6 minutos são suficientes para recuperação cardiovascular e sintomatológica em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica? . Fisioterapia E Pesquisa, 22(3), 325-332. https://doi.org/10.590/1809-2950/14319622032015
Seção
Artigos