Associação entre recrutamento de músculos abdominais com desfechos clínicos e risco prognóstico em indivíduos com dor lombar crônica não específica: estudo preliminar

Autores

  • Larissa Cavichioli Mendes Ferreira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; Faculdade de Ciências e Tecnologia; Departamento de Fisioterapia
  • Amanda Costa Araujo Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; Faculdade de Ciências e Tecnologia; Departamento de Fisioterapia
  • Crystian Bitencourt Soares de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; Faculdade de Ciências e Tecnologia; Departamento de Fisioterapia
  • Fabrício José Jassi Universidade Estadual do Norte do Paraná; Departamento de Fisioterapia
  • Vinicius Cunha Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais; Departamento de Fisioterapia
  • Rúben de Faria Negrão Filho Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; Faculdade de Ciências e Tecnologia; Departamento de Fisioterapia

DOI:

https://doi.org/10.1590/1809-2950/14560723012016

Resumo

Este estudo investigou a associação entre testes clínicos, desfechos clínicos e risco prognóstico de pacientes com dor lombar crônica não específica. Para esta pesquisa, 20 pacientes, maiores de 18 anos, foram selecionados por conveniência e submetidos à avaliação dos desfechos clínicos por meio de Escala numérica de dor e Questionário de incapacidade. Para classificação de risco prognóstico utilizou-se o questionário STarT Back, e para avaliar o recrutamento do músculo transverso do abdome foram utilizados os seguintes testes clínicos: Escala de classificação clínica (ECC); e medida da espessura dos músculos do abdome por meio de imagens ultrassonográficas (MEM-US). Os testes foram realizados em um único dia por avaliador treinado, e a ordem dos testes foi aleatória. Os coeficientes de correlação de Pearson (r) e Spearman (rS) foram utilizados para investigar a associação. Os resultados mostraram que as associações entre o risco prognóstico de dor lombar com os desfechos clínicos, dor e incapacidade foram moderadas (r=0,68 e r=0,57, respectivamente). Para ECC, as associações com incapacidade e risco prognóstico foram consideradas razoáveis (r=-0,34 e r=-0,36, respectivamente). Não houve associações com a MEM-US. Na amostra de baixo risco prognóstico, a relação do ECC com a incapacidade foi considerada moderada para boa, enquanto para dor a correlação foi razoável (rS=-0,62 e rS=-0,24, respectivamente). Concluímos que existe associação entre ECC com desfechos clínicos e risco prognóstico, e a estratificação, segundo o risco prognóstico, aumenta a relação observada. Futuros estudos devem ser conduzidos com novas medidas para avaliação do recrutamento muscular abdominal com amostras maiores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2016-03-01

Como Citar

Ferreira, L. C. M., Araujo, A. C., Oliveira, C. B. S. de, Jassi, F. J., Oliveira, V. C., & Negrão Filho, R. de F. (2016). Associação entre recrutamento de músculos abdominais com desfechos clínicos e risco prognóstico em indivíduos com dor lombar crônica não específica: estudo preliminar . Fisioterapia E Pesquisa, 23(1), 45-51. https://doi.org/10.1590/1809-2950/14560723012016

Edição

Seção

Pesquisa Original