Cognição e ambiente são preditores do desenvolvimento motor de bebês ao longo do tempo

Autores

  • Keila Ruttnig Guidony Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Raquel Saccani Universidade de Caxias do Sul
  • Nadia Cristina Valentini Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Departamento de Educação Física

DOI:

https://doi.org/10.1590/1809-2950/14685223012016

Resumo

Investigou-se longitudinalmente relações entre desenvolvimento motor e cognitivo, aspectos biológicos, práticas maternas, conhecimento parental e ambiente familiar de bebês. Participaram do estudo 49 bebês (3-16 meses) avaliados com a Alberta Infant Motor Scale e a Escala Mental da Bayley Scale of Infant Development. Os pais responderam o questionário sobre fatores biológicos, Daily Activities of Infant Scale, o Affordances no Ambiente Domiciliar para o Desenvolvimento Motor - Escala Bebê, e o Inventário sobre Conhecimento do Desenvolvimento Infantil. Avaliações foram conduzidas nas escolas ao longo de 4 meses. Foram utilizadas Equações de Estimativa Generalizada, teste de Bonferroni e coeficiente de correlação de Spearman. Observaram-se associações significativas na (1) análise univariada entre desenvolvimento motor e cognitivo e fatores ambientais (escolaridade, renda, disponibilidade de brinquedos, espaço físico, práticas e conhecimento parental, tempo de aleitamento e frequência na escola); (2) multivariada entre o desenvolvimento motor e renda, idade do pai e espaço físico da residência. Concluiu-se que os desenvolvimentos motores e cognitivos se mostraram interdependentes e fatores ambientais se mostraram mais significativos nas associações em detrimento dos biológicos, reforçando-se a importância do lar, do cuidado dos pais e das experiências que a criança vivencia ao longo dos primeiros anos de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2016-03-01

Como Citar

Pereira, K. R. G., Saccani, R., & Valentini, N. C. (2016). Cognição e ambiente são preditores do desenvolvimento motor de bebês ao longo do tempo . Fisioterapia E Pesquisa, 23(1), 59-67. https://doi.org/10.1590/1809-2950/14685223012016

Edição

Seção

Pesquisa Original