Frequência de sucesso de pré-escolares e escolares com e sem sintomas respiratórios nos testes de função pulmonar

Autores

  • Frederico Orlando Friedrich Universidade Luterana do Brasil; Hospital
  • João Paulo Heinzmann-Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Programa de Pós Graduação em Pediatria e Saúde da Criança
  • Márcio Adriano Birck Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões
  • Leonardo Araújo Pinto Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Faculdade de Medicina
  • Paula Cristina Vasconcellos Vidal Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões

DOI:

https://doi.org/10.1590/1809-2950/15015623022016

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar a frequência de sucesso de pré-escolares e escolares com e sem sintomas respiratórios nos testes de função pulmonar. Foram incluídas crianças e adolescentes com idade entre quatro e 12 anos com e sem sintomas respiratórios, baseados no questionário de doenças respiratórias. Os participantes foram recrutados em duas escolas e classificados, de acordo com sua faixa etária, em pré-escolares (4-6 anos) e escolares (7-12 anos). Foram coletados dados demográficos e antropométricos, além das variáveis dos testes de manovacuometria (PIMAX e PEMAX) e de espirometria (VEF1, CVF, VEF1/CVF e FEF25-75%). Os testes de função pulmonar foram considerados bem-sucedidos quando os participantes preenchiam os critérios de aceitabilidade e reprodutibilidade das diretrizes nacionais e internacionais. Para fins estatísticos, utilizou-se o teste de qui-quadrado e correlação de Pearson. Foram incluídos 148 participantes, com média de idade de 8,1±1,7 anos, sendo 51,4% do sexo feminino e 85,1% saudáveis. A taxa de sucesso no teste de manovacuometria e de espirometria foi de 91,9% e 91,2%, respectivamente. Houve uma taxa de sucesso significativamente menor no grupo de pré-escolares em comparação aos escolares, tanto para o teste de manovacuometria (p=0,044) como para o exame espirométrico (p=0,015). As correlações entre as variáveis do teste de manovacuometria e do exame espirométrico mostraram-se positivas e moderadas entre a PIMAX e a CVF, e a PEMAX e o VEF1 e FEF25-75%. Os achados demonstram uma frequência de sucesso significativamente menor no grupo etário pré-escolar em comparação com os sujeitos escolares em ambos os testes de função pulmonar avaliados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2016-06-01

Como Citar

Friedrich, F. O., Heinzmann-Filho, J. P., Birck, M. A., Pinto, L. A., & Vidal, P. C. V. (2016). Frequência de sucesso de pré-escolares e escolares com e sem sintomas respiratórios nos testes de função pulmonar . Fisioterapia E Pesquisa, 23(2), 193-200. https://doi.org/10.1590/1809-2950/15015623022016

Edição

Seção

Pesquisa Original