Análise por dinâmica inversa, um complemento da avaliação fisioterapêutica do ombro

Autores

  • Joelly Mahnic de Toledo Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Escola de Educação Física
  • Daniel Cury Ribeiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Escola de Educação Física
  • Jefferson Fagundes Loss Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Escola de Educação Física

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1809-29502009000300011

Palavras-chave:

Articulação do ombro, Avaliação, Biomecânica

Resumo

O objetivo do estudo é caracterizar as forças em atuação na articulação do ombro durante o movimento de elevação do membro superior no plano escapular por meio do método de dinâmica inversa, aqui sugerido como um meio complementar da avaliação fisioterapêutica. Esse método permite determinar os picos de momento proximal resultante (MPR) e da força proximal resultante (FPR) do ombro durante o movimento, possibilitando assim a avaliação objetiva das cargas impostas à articulação. Participaram do estudo 21 indivíduos do sexo masculino, cuja movimentação do ombro foi analisada por videogrametria em três diferentes situações de carga: sem carga, com peso livre e com resistência elástica. Um modelo matemático tridimensional foi utilizado para o cálculo do MPR e da FPR, permitindo caracterizar a evolução dessas variáveis ao longo da elevação do membro superior nas três situações de carga nos eixos póstero-anterior, caudal-cranial e médio-lateral, determinando seus respectivos picos. O método da dinâmica inversa revelou-se capaz de fornecer informações objetivas sobre as cargas impostas à articulação do ombro nas diversas amplitudes e situações de carga do movimento estudado, podendo tais informações servir como uma base concreta no planejamento de um programa de reabilitação do ombro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-09-01

Como Citar

Toledo, J. M. de, Ribeiro, D. C., & Loss, J. F. (2009). Análise por dinâmica inversa, um complemento da avaliação fisioterapêutica do ombro . Fisioterapia E Pesquisa, 16(3), 252-257. https://doi.org/10.1590/S1809-29502009000300011

Edição

Seção

Pesquisa Original