Características biomecânicas, ergonômicas e clínicas da postura sentada: uma revisão

Autores

  • Nise Ribeiro Marques Universidade Estadual Paulista; Departamento de Fisioterapia; Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia
  • Camilla Zamfolini Hallal Universidade Estadual Paulista; Departamento de Fisioterapia; Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia
  • Mauro Gonçalves Universidade Estadual Paulista; Departamento de Educação Física; PPG-Ft

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1809-29502010000300015

Palavras-chave:

Biomecânica, Dor lombar, Engenharia humana, Fisioterapia (Especialidade), Postura

Resumo

A posição sentada é a mais adotada nos ambientes de trabalho, na escola e nas atividades de lazer. Porém, a manutenção prolongada dessa posição ocasiona a adoção de posturas inadequadas e sobrecarrega as estruturas do sistema musculoesquelético, o que pode acarretar dor e lesão na coluna lombar. A presente revisão teve como objetivo identificar os fatores biomecânicos, ergonômicos e clínicos envolvidos na sustentação da postura sentada. Para isso, foram consultadas as bases de dados ISI Web of Knowledge, Medline, Pubmed e EBSCO Host, sendo selecionados 72 artigos publicados entre 1965 e 2010. Foi possível identificar que na posição sentada não existe uma postura ideal a ser sustentada, mas algumas posturas são mais recomendadas do que outras, tal como a postura sentada ereta e a postura lordótica. As cadeiras influenciam o padrão da posição sentada: conforme seu design, pode permitir maior variedade de posturas. Modificações na cadeira e a utilização de exercícios para o aumento da resistência muscular e da propriocepção, bem como a reeducação postural, são intervenções úteis para reduzir o impacto causado pela posição sentada prolongada no sistema musculoesquelético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-09-01

Como Citar

Marques, N. R., Hallal, C. Z., & Gonçalves, M. (2010). Características biomecânicas, ergonômicas e clínicas da postura sentada: uma revisão . Fisioterapia E Pesquisa, 17(3), 270-276. https://doi.org/10.1590/S1809-29502010000300015

Edição

Seção

Relato de Casos