Segurança e efetividade da fisioterapia respiratória em abscesso pulmonar: estudo de casos

Autores

  • Josy Davidson Universidade Federal de São Paulo
  • Patrícia Teodoro Teixeira Universidade Federal de São Paulo
  • Paula Ferreira dos Santos Peixoto Universidade Federal de São Paulo
  • Carla Martins Crivellaro Universidade Federal de São Paulo
  • Marcele Assis Marques Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1809-29502010000400015

Palavras-chave:

Abscesso pulmonar^i1^sreabilita, Avaliação de efetividade de intervenção, Drenagem postural

Resumo

O abscesso pulmonar é uma lesão necrótica geralmente devida a germes piogênicos. A fisioterapia respiratória (FR) é indicada, porém há poucos relatos na literatura, não havendo consenso quanto ao uso e às técnicas de FR para esse caso. O objetivo deste estudo de dois casos foi verificar a segurança e efetividade da FR no tratamento do abcesso pulmonar. O caso 1 foi um paciente de 30 anos, internado; a terapia consistiu em posicioná-lo em Trendelenburg semi-lateral direito para ventral por 30 minutos, três vezes ao dia, com saída de grande quantidade de secreção. Após 5 dias, o radiograma de tórax demonstrou redução de 90% do nível hidroaéreo, verificando-se o esvaziamento completo do abscesso após 14 dias de internação. O caso 2 foi uma paciente de 28 anos igualmente com diagnóstico de abscesso pulmonar, também tratada com drenagem postural, nos mesmos posicionamento e freqüência que o caso 1, sendo drenada grande quantidade de secreção amarelada e fluida. Após 7 dias de tratamento evidenciou-se redução importante do nível líquido do abscesso pulmonar. Conclui-se que a drenagem postural isoladamente é uma técnica de fisioterapia efetiva e segura no tratamento do abcesso pulmonar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-12-01

Como Citar

Davidson, J., Teixeira, P. T., Peixoto, P. F. dos S., Crivellaro, C. M., & Marques, M. A. (2010). Segurança e efetividade da fisioterapia respiratória em abscesso pulmonar: estudo de casos . Fisioterapia E Pesquisa, 17(4), 362-365. https://doi.org/10.1590/S1809-29502010000400015

Edição

Seção

Pesquisa Original