Avaliação da qualidade de vida e da perda urinária de mulheres com bexiga hiperativa tratadas com eletroestimulação transvaginal ou do nervo tibial

Autores

  • Maíra de Menezes Franco Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto; Departamento de Biomecânica, Medicina e Reabilitação do Aparelho Locomotor
  • Flaviane de Oliveira Souza Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto; Departamento de Biomecânica, Medicina e Reabilitação do Aparelho Locomotor
  • Elaine Cristine Lemes Mateus de Vasconcelos Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto; Hospital das Clínicas
  • Maurício Mesquita Sabino de Freitas Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto; Departamento de Ginecologia e Obstetrícia
  • Cristine Homsi Jorge Ferreira Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto; Departamento de Biomecânica, Medicina e Reabilitação do Aparelho Locomotor

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1809-29502011000200008

Palavras-chave:

fisioterapia, bexiga urinária hiperativa, estimulação elétrica, qualidade de vida, nervo tibial posterior

Resumo

Trata-se de um ensaio clínico prospectivo comparativo que objetivou comparar os efeitos do tratamento com eletroestimulação transvaginal (ET) e do nervo tibial (ENT) sobre a qualidade de vida (QV) e queixas de perda urinária em mulheres com bexiga hiperativa. Participaram 42 pacientes com bexiga hiperativa ou incontinência urinária (IU) mista e foram divididas para tratamento com ET ou ENT. A QV foi avaliada pelo questionário de QV genérico, o Medical Outcomes Study Short Form 36 (SF-36) e um questionário específico para IU, o Incontinence Quality of Life Instrument (I-QOL). Os relatos de perdas urinárias e incômodos ocasionados foram avaliados, respectivamente, por meio do diário miccional de 24 horas e Escala Visual Analógica (EVA). O tratamento foi realizado uma vez por semana, totalizando doze semanas. O grupo da ENT teve melhora significativa em três domínios do I-QOL, na EVA, que avaliou o grau de incômodo causado pela IU e em quatro aspectos do diário miccional. No grupo de ET houve melhora significativa de dois domínios do SF-36, três domínios do I-QOL, na EVA e em quatro aspectos do diário. Houve melhora da QV em ambos os grupos, assim como uma diminuição das queixas de perda urinária, entretanto, o grupo que recebeu ET obteve melhora nos escores em dois domínios do questionário de QV genérico após o tratamento, que teve limitação por aspectos físicos e limitação por aspectos emocionais. O que não ocorreu com o grupo de ENT.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-06-01

Como Citar

Franco, M. de M., Souza, F. de O., Vasconcelos, E. C. L. M. de, Freitas, M. M. S. de, & Ferreira, C. H. J. (2011). Avaliação da qualidade de vida e da perda urinária de mulheres com bexiga hiperativa tratadas com eletroestimulação transvaginal ou do nervo tibial . Fisioterapia E Pesquisa, 18(2), 145-150. https://doi.org/10.1590/S1809-29502011000200008

Edição

Seção

Pesquisa Original