Força muscular respiratória: comparação entre nuligestas e primigestas

Autores

  • Milena Andrade Barbosa Bezerra Faculdade Integrada do Recife (FIR)
  • Patrícia Cysneiros Nunes Faculdade Integrada de Recife
  • Andréa Lemos Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1809-29502011000300006

Palavras-chave:

força muscular, sistema respiratório, gravidez

Resumo

A gestação influencia o sistema respiratório originando mudanças anatômicas e fisiológicas que podem repercutir nos índices da força muscular respiratória. O objetivo do presente trabalho foi comparar a pressão respiratória máxima entre nuligestas e primigestas no terceiro trimestre gestacional e associá-la ao predito por Neder et al.,1999. Foi realizado estudo do tipo corte transversal com 80 mulheres (40 nuligestas e 40 primigestas no terceiro trimestre gestacional) entre 20 e 29 anos, eutróficas e sem histórico de doença cardiorrespiratória. A média dos valores obtidos para pressão inspiratória máxima (Pimáx) foi: -93,95 cmH2O nas nuligestas e -87,78 cmH2O nas primigestas, mostrando haver diferença estatística (p=0,0182). Para pressão expiratória máxima (Pemáx) foram alcançados 98,28 cmH2O e 96,73 cmH2O, respectivamente, não sendo estatisticamente significante (p=0,710). Não obstante,as modificações anatômicas e fisiológicas ocorridas durante a gestação verificou-se que apenas a Pimáx estava diminuída quando comparada ao grupo das nuligestas, enquanto que a Pemáx não apresentou alteração significativa. No mais, não foi observada concordância entre valores encontrados e preditos por Neder et al., 1999.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-09-01

Como Citar

Bezerra, M. A. B., Nunes, P. C., & Lemos, A. (2011). Força muscular respiratória: comparação entre nuligestas e primigestas . Fisioterapia E Pesquisa, 18(3), 235-240. https://doi.org/10.1590/S1809-29502011000300006

Edição

Seção

Pesquisa Original