Riscos de lesão musculoesquelética em diferentes setores de uma empresa calçadista

Autores

  • Mayra Guasti Lourinho Universidade de Franca
  • Glenda Rocha Negreiros Universidade de Franca
  • Larissa Brentini de Almeida Universidade de Franca
  • Edgar Ramos Vieira Florida International University
  • Paulo Roberto Veiga Quemelo Universidade de Franca

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1809-29502011000300009

Palavras-chave:

engenharia humana, transtornos traumáticos cumulativos, saúde do trabalhador, fatores de risco

Resumo

Os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT) podem ser decorrentes de esforços repetitivos e condições ergonômicas inadequadas. O objetivo do estudo foi analisar e comparar atividades ocupacionais de trabalhadores em diferentes setores de uma empresa calçadista. Cinquenta trabalhadores foram avaliados utilizando a Avaliação Rápida dos Membros Superiores (RULA), o Índice de Sobrecarga (IS) e o questionário Censo de Ergonomia. De acordo com o RULA, 96% dos funcionários (n=48) foram classificados como nível 3 ou 4 e apenas 4% dos funcionários (n=2) foram classificados como nível 2. Em relação ao IS, indicou alto risco de DORT (IS=13,5) nos setores de corte, preparação, pesponto e acabamento; enquanto que no setor de montagem o valor foi ainda mais alto: 40,5 (p=0,001). Em relação ao questionário, foi observado que os funcionários do setor de corte (n=9), preparação (n=9), pesponto (n=8), montagem (n=5) e acabamento (n=9) sentem algum tipo de dor musculoesquelética. Conclui-se que todos os setores analisados apresentam riscos posturais, sendo que o setor de montagem apresentou maior risco para DORT devido à alta repetitividade das tarefas e que a prevalência de dor dentre os funcionários é de 80%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-09-01

Como Citar

Lourinho, M. G., Negreiros, G. R., Almeida, L. B. de, Vieira, E. R., & Quemelo, P. R. V. (2011). Riscos de lesão musculoesquelética em diferentes setores de uma empresa calçadista . Fisioterapia E Pesquisa, 18(3), 252-257. https://doi.org/10.1590/S1809-29502011000300009

Edição

Seção

Pesquisa Original