Análise da influência do ultrassom de baixa intensidade na região de reparo ósseo em ratos sob ausência de carga

Autores

  • Juliana de Carvalho Apolinário Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
  • Willian Marinho Dourado Coelho Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
  • Mário Jefferson Quirino Louzada Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; Departamento de Apoio, Produção e Saúde Animal

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1809-29502011000300013

Palavras-chave:

densidade óssea, estimulação física, osteotomia, regeneração óssea

Resumo

Há evidências de que o ultrassom (US) de baixa intensidade pode acelerar a regeneração óssea. Este trabalho objetivou verificar a ação do US no defeito ósseo, criado experimentalmente em tíbias de ratos sob ausência de carga. Vinte Rattus novergicus albinus, Wistar adultos, divididos em: G1 (n=10), grupo experimental de 15 dias sem suspensão, e G2 (n=10), grupo experimental de 15 dias suspenso pela cauda, foram submetidos à osteotomia em ambas as tíbias e à aplicação do US, frequência de 1,5 MHz, ciclo de trabalho 1:4, 30 mW/cm², nas tíbias direitas por 12 sessões de 20 minutos. Após o sacrifício, as tíbias foram submetidas à análise da Densidade Mineral Óssea (DMO). Os resultados demonstraram DMO de 0,139±0,018 g/cm² para tíbia tratada; 0,131±0,009 g/cm² para tíbia controle no G1; e no G2 registrou-se 0,120±0,009 g/cm² para tíbia tratada e 0,106±0,017 g/cm² para tíbia controle. Houve diferença significante entre os grupos nos quais o G2 apresentou menor DMO, o que demonstra que a suspensão prejudica a manutenção das propriedades ósseas, e entre as tíbias tratadas e controles do G2, demonstrando que o US acelerou o processo de reparo, concluindo que a impossibilidade do estímulo mecânico causada pela não deambulação em um processo de reparo ósseo pode ser minimizada pela ação do US. No G1, a aplicação do US não teve influência significante no aumento da DMO, talvez pelo fato dos animais já terem estímulo mecânico suficiente à formação óssea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-09-01

Como Citar

Apolinário, J. de C., Coelho, W. M. D., & Louzada, M. J. Q. (2011). Análise da influência do ultrassom de baixa intensidade na região de reparo ósseo em ratos sob ausência de carga . Fisioterapia E Pesquisa, 18(3), 275-279. https://doi.org/10.1590/S1809-29502011000300013

Edição

Seção

Pesquisa Original