Comparação da força muscular respiratória, qualidade de vida e capacidade funcional entre adolescentes com fibrose cística com diferentes perfis bacteriológicos

  • Rafaela Cerqueira Andrade Universidade Federal da Bahia
  • Cássio Magalhães da Silva e Silva Universidade Federal da Bahia
  • Anna Lúcia Lima Diniz da Silva Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Sheyla Ramos Haun Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Valdivia Alves de Souza Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Diego Jorge Souza Ezequiel Universidade Cidade de São Paulo
Palavras-chave: Fibrose Cística, Força Muscular, Tolerância ao Exercício, Qualidade de Vida

Resumo

Comparou-se a força muscular respiratória, qualidade de vida e capacidade funcional em adolescentes com fibrose cística com diferentes perfis bacteriológicos. Trata-se de um estudo transversal de caráter descritivo, em adolescentes com fibrose cística avaliados no Centro de Referência em Fibrose Cística do Hospital Especializado Octávio Mangabeira (HEOM) no período de janeiro a março de 2016, caracterizando uma amostra por conveniência. Foi realizada avaliação da força muscular com o manovacuômetro, análise da qualidade de vida por meio da aplicação do questionário de qualidade de vida com validação para pacientes com fibrose cística (QFC), análise da capacidade funcional, após a realização do teste de caminhada de seis minutos, e do perfil bacteriológico, por intermédio de resultados de exames de microbiologia. Foram avaliados 30 indivíduos com fibrose cística, em que, para Staphylococcus aureus, verificaram-se a força muscular respiratória (75,6±19,6*), a qualidade de vida QFC (59,3±3,4) e a capacidade funcional (427,8±64,6*). Para Pseudomonas aeruginosa foram analisadas a força muscular respiratória (61,4±19,1*), a qualidade de vida QFC (47,9±4,2) e a capacidade funcional (382,0±78,0*). Concluiu-se que ambos os perfis bacteriológicos comprometem a função pulmonar com ênfase para a bactéria Pseudomonas aeruginosa, que apresenta tendência à fraqueza muscular respiratória, principalmente para o sexo feminino (PImáx<60cmH2O) e baixa capacidade funcional.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-06-01
Como Citar
Andrade, R., Silva, C., Silva, A., Haun, S., Souza, V., & Ezequiel, D. (2018). Comparação da força muscular respiratória, qualidade de vida e capacidade funcional entre adolescentes com fibrose cística com diferentes perfis bacteriológicos. Fisioterapia E Pesquisa, 25(2), 143-150. https://doi.org/10.1590/1809-2950/16862525022018
Seção
Pesquisa Original