Análise do equilíbrio postural estático e da intensidade das dores musculoesqueléticas após o uso de palmilhas proprioceptivas por militares do serviço ostensivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1809-2950/18011827012020

Palavras-chave:

Dor Musculoesquelética, Equilíbrio Postural, Órtese, Pressão

Resumo

Para a manutenção do equilíbrio, o organismo utiliza os sistemas visuais, vestibulares e proprioceptivos, que enviam informações para o sistema nervoso central acerca das condições do corpo com o objetivo de estabilizá-lo. Este estudo avaliou o efeito das palmilhas proprioceptivas sobre o equilíbrio postural estático e as dores musculoesqueléticas após dois meses de uso, por meio de uma pesquisa analítica longitudinal com 15 militares saudáveis do sexo masculino com média de idade de 34±7,5 anos. Eles foram submetidos à avaliação do equilíbrio por meio da plataforma Medicapteurs® e pelo protocolo CNT. Não houve diferença estatística para os desvios do corpo e velocidade do centro de pressão. A pressão plantar teve mudança estatisticamente significante para o pé esquerdo e o pé direito correspondendo a p=0,0001 e p=0,0007, respectivamente. Houve redução das médias de dores nos joelhos, pés e calcanhares e diminuição significativa da dor lombar, com p=0,0180. O equilíbrio estático não foi alterado significativamente com o uso das palmilhas proprioceptivas pelos militares, contudo elas proporcionaram melhor redistribuição das pressões plantares e parecem atenuar as dores musculoesqueléticas das extremidades inferiores. Por isso as palmilhas podem ser consideradas para esse grupo uma terapêutica de prevenção contra lesões relacionadas à sua atividade laboral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2021-06-14

Como Citar

Souza, M. V., Souza, A. V. de ., Almeida, M. R. de ., & Santos, P. O. dos . (2021). Análise do equilíbrio postural estático e da intensidade das dores musculoesqueléticas após o uso de palmilhas proprioceptivas por militares do serviço ostensivo. Fisioterapia E Pesquisa, 27(1), 10-15. https://doi.org/10.1590/1809-2950/18011827012020

Edição

Seção

Pesquisa Original