Medidas clínicas estáticas do retropé e joelho não estão associadas à síndrome da dor patelofemoral

Autores

  • Sandra Aliberti Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina
  • Mariana Souza Xavier Costa USP
  • Sílvia Maria Amado João USP; Faculdade de Medicina; Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
  • Anice de Campos Pássaro USP; Faculdade de Medicina; Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
  • Antonio Carlos Arnone USP; Hospital Universitário
  • Isabel de Camargo Neves Sacco USP; Faculdade de Medicina; Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1809-29502012000100009

Palavras-chave:

síndrome da dor patelofemoral, extremidade inferior, postura

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar se existe associação entre a síndrome da dor patelofemoral e as medidas clínicas estáticas: os ângulos do retropé e Q. Foi realizado um estudo observacional, transversal, caso-controle, no qual foram avaliados 77 adultos (ambos os sexos), 30 participantes com síndrome da dor patelofemoral e 47 controles. Foram medidos os ângulos do retropé e Q, por meio da fotogrametria. Testes t para amostras independentes foram usados para comparações dos resultados das variáveis contínuas entre os grupos. Os resultados das variáveis contínuas foram transformados em classificações clínicas categóricas, para verificar a associação estatística com a disfunção, e o teste do χ2 para respostas múltiplas também foi utilizado. Não houve diferença entre os grupos para o ângulo do retropé [média da diferença: 0,2º (IC95% -1,4-1,8)] e ângulo Q [média da diferença: -0,3º (IC95%-3,0-2,4). Não houve associação entre o ângulo do retropé [Odds Ratio: 1,29 (IC95% 0,51-3,25)], assim como entre o ângulo Q [Odds Ratio: 0.77 (IC95% 0,31-1,93)] e a ocorrência da síndrome da dor patelofemoral. Apesar de serem teoricamente justificadas e amplamente utilizadas na prática clínica fisioterapêutica, não pode-se afirmar que as medidas dos ângulos do retropé e Q, quando mensuradas em posição ortostática, estão associadas com a ocorrência da síndrome da dor patelofemoral. Essas medidas podem ter aplicabilidade limitada na triagem desta disfunção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-03-01

Como Citar

Aliberti, S., Costa, M. S. X., João, S. M. A., Pássaro, A. de C., Arnone, A. C., & Sacco, I. de C. N. (2012). Medidas clínicas estáticas do retropé e joelho não estão associadas à síndrome da dor patelofemoral. Fisioterapia E Pesquisa, 19(1), 45-51. https://doi.org/10.1590/S1809-29502012000100009

Edição

Seção

Pesquisas Originais