Avaliação da função manual e da força de preensão palmar máxima em indivíduos com diabetes mellitus

Autores

  • Kauê Carvalho de Almeida Lima Universidade Cruzeiro do Sul; Instituto de Ciências da Atividade Física e Esporte
  • Paulo Barbosa de Freitas Universidade Cruzeiro do Sul; Instituto de Ciências da Atividade Física e Esporte

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1809-29502012000400014

Palavras-chave:

mão, avaliação, destreza motora, diabetes mellitus

Resumo

O sucesso na realização de atividades manipulativas é crucial para um estilo independente. Como os diabéticos podem apresentar alterações sensoriais nas mãos, podem demonstrar alterações funcionais em tarefas manipulativas. Assim, o objetivo deste estudo foi comparar o desempenho de indivíduos diabéticos não neuropatas com o de não diabéticos em tarefas manipulativas e na capacidade de geração de força de preensão palmar máxima. Treze diabéticos sem diagnóstico de neuropatia (48,6±11,51 anos; 79,9±10,88 kg; 1,68 ±0,09 m) e 13 controles pareados por sexo e idade (48,5±10,09 anos; 76,44±11,79 kg; 1,69±0,1 m) participaram do estudo. A sensibilidade das mãos foi avaliada por meio do kit de monofilamentos Semmes-Weinstein e, em seguida, foram aplicados três testes comumente utilizados para avaliação da função manual na seguinte ordem: teste de função manual Jebsen Taylor (TFMJT), teste dos nove pinos nos buracos (9-PnB) e teste de força de preensão palmar máxima (FPmax). Os resultados do teste de sensibilidade cutânea indicaram que oito diabéticos apresentaram sensibilidade cutânea normal e cinco, alguma alteração sensorial detectável pelo monofilamento, a qual, no entanto, não os caracterizavam como neuropatas. Com relação aos testes funcionais, os resultados não indicaram qualquer diferença entre os grupos para os desempenhos nos três testes realizados (diabéticos e controles - TFMJT: 26,15±3,06 e 25,78±1,29 s; 9-PnB: 15,33±1,35 e 15,48±2,39 s; FPmax: 41,15±10,59 e 43,69±12,59 kgf). Assim, podemos concluir que indivíduos diabéticos sem neuropatia diabética periférica não apresentam qualquer alteração funcional nos membros superiores e na capacidade de gerar força de preensão palmar máxima.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-12-01

Como Citar

Lima, K. C. de A., & Freitas, P. B. de. (2012). Avaliação da função manual e da força de preensão palmar máxima em indivíduos com diabetes mellitus . Fisioterapia E Pesquisa, 19(4), 375-380. https://doi.org/10.1590/S1809-29502012000400014

Edição

Seção

Pesquisa Original