Vamos à história dos subúrbios: uma leitura espacial do romance Dom Casmurro, de Machado de Assis

Autores

  • Adriana Carvalho Silva Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2018.140268

Palavras-chave:

espaço, literatura, sujeito

Resumo

Considerando o romance como resultado de uma relação que implica sujeito (autor), espaço e narrativa, partimos da hipótese de que Machado de Assis, através de recursos narrativos, qualifica a cidade do Rio de Janeiro e, particularmente, o subúrbio carioca, em Dom Casmurro. O romance é analisado sob o conceito da ambientação desenvolvido por Osman Lins, o que permitiu que novos elementos fizessem parte da composição do espaço geográfico investigado, a exemplo do leitor, das diversas “lacunas” do texto, das analogias e intertextualidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Carvalho Silva, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doutora em Geografia pela UFF- Universidade Federal Fluminense. Professora da UFRRJ.

Referências

ABREU, M. A evolução Urbana do Rio de Janeiro.Rio de Janeiro: IPLAN-RIO/Zahar. 1987.

ASSIS, M. Obra completa em quatro volumes. NETO, A.; CECILIO, A.; JAHN H. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008.

BERNARDES, L.; SOARES, T. de S. Rio de Janeiro: Cidade e Região. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1995.

BERNARDES, L. M. C. Evolução da Paisagem Urbana do Rio de Janeiro até o Início do Século XX. Boletim Carioca de Geografia12 (1 e 2), 1959.BERQUE, A. L’Espace Géographique. Paris: 1984.

BERNARDES, L. M. C. La chôra chez Platon. In: PAQUOT, T.;YOUNÈS, C. Espace et lieu dans la pensée occidentale/de Platon à Nietzache. Paris: La Découverte, 2012.

BROSSEAU, M. Des romans-geographes. Paris: L’Harmattan, 1996.

BROSSEAU, M.L’espace littéraire en l’absence de description: um défi pour l’interpretation géographique de la littérature. Cahiers de géographie du Québec, volume 52, n.147, dez 2008.

CALDWELL, H. O Otelo brasileiro de Machado de Assis. São Paulo: Ateliê Editorial, (tradução Fábio Fonseca de Melo), 2008.DIMAS, A. Espaço e Romance. São Paulo: Ática, 1986.

DUARTE, C. Iaiá Garcia: poder,sujeito e território no ensaio da “viravolta” machadiana. Machado de Assis em linha, ano 3, n. 5, p.60-75, jun 2010.

GUIMARÃES. H. S. Os leitores de Machado de Assis. O romance machadiano e o público de literatura no século 19. São Paulo: Nankin/ EdUSP, 2004.LINS, O. Lima Barreto e o espaço romanesco.São Paulo: Ática, 1976.

NORONHA SANTOS, F. A.As Freguesias do Rio Antigo. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1965.

SCHWARZ, R. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas Cidades, 1992 [1977].

SCHWARZ, R. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Duas Cidades, 1990.

SENNA, M. A bíblia de Mrs. Oswald ou os cochilos do bruxo. Machado de Assis em linha, ano 1, n.1, p. 69-83, jun 2008 a.

SENNA, M. Estratégias de embuste: relações intertextuais em Dom Casmurro, [1999]. In SENNA, M. Alusão e zombaria: citações e referências na ficção de Machado de Assis, 2ª edição p. 79 -88, 2008 b.

SENNA, M. Várias histórias na capital imperial [2006]. In SENNA, M. O olhar oblíquo do bruxo: ensaios machadianos. 2ª edição, p. 151-167, 2008 c.

VERÍSSIMO, J. História da literatura brasileira: de Bento Teixeira, 1601, a Machado de Assis, 1908. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1961.Recebido em 15/10/2017.Aceito em 14/11/2017.Publicado em 02/01/2018.

Downloads

Publicado

2018-01-15

Como Citar

Silva, A. C. (2018). Vamos à história dos subúrbios: uma leitura espacial do romance Dom Casmurro, de Machado de Assis. Revista Geografia, Literatura E Arte, 1(1), 36-53. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2018.140268

Edição

Seção

Artigos