OBJETIVOS E POLÍTICA EDITORIAL

Geousp – Espaço e Tempo é uma publicação do Programa de Pós-Graduação de Geografia Humana (PPGH) e do Programa de Pós-Graduação de Geografia Física (PPGF) da Universidade de São Paulo. Seu acesso é gratuito e sem fins comerciais. A Geousp é financiada pelo Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e pelo Portal de Revista da Universidade de São Paulo.

O recebimento de manuscritos tem fluxo contínuo. Sua publicação, realizada exclusivamente em ambiente virtual, é quadrimestral (janeiro-abril, maio-agosto, setembro-dezembro) e depende da observância das normas editoriais e dos pareceres do corpo editorial ou de assessores ad hoc. O periódico garante o anonimato de autores e pareceristas durante a avaliação editorial.

O conteúdo dos textos publicados é de inteira responsabilidade dos autores.

Geousp – Espaço e Tempo publica textos teóricos ou temáticos na área da geografia, nas seguintes seções:

  • artigo – texto inédito que seja resultado de pesquisa, e não de monografia de conclusão de graduação, projetos de qualquer natureza ou notas de pesquisa de campo;
  • notas de pesquisa de campo – sistematização de dados ou informações inéditas colhidas em campo;
  • resenhas – necessariamente sobre textos clássicos ou atuais de referência da geografia;
  • cartografias, imagens e outras expressões gráficas – inclui mapas, gráficos e outras figuras de que se descrevem a metodologia ou o modo da criação (softwares, técnicas etc.).

As demais seções da plataforma devem ser discutidas com o editor, pelo endereço eletrônico ricardomendes@usp.br

 

PROCEDIMENTOS DE SUBMISSÃO E AVALIAÇÃO DOS MANUSCRITOS

Desde que atendam às “Diretrizes para os Autores”, os trabalhos passam por uma triagem inicial, feita pelo Corpo Editorial.

Aprovados na primeira triagem, os textos entram no processo de avaliação de mérito por meio de consulta a dois pareceristas ad hoc (especialistas na área ou nos temas em questão, com título mínimo de doutor, no mínimo um externo) designados pela Comissão Editorial, assegurando o sistema avaliativo duplo cego. Havendo pareceres conflitantes, recorre-se a um terceiro parecerista ad hoc.

Havendo solicitação para que o autor proceda a reformulações que atendam parcial ou integralmente às críticas e sugestões dos pareceristas, o prazo para apresentar a nova versão é de 30 dias. Essa nova versão será novamente avaliada pela Comissão Editorial ou pelos pareceristas que sugeriram as alterações.

A Geousp se reserva o direito de diagramar os manuscritos de acordo com seu padrão gráfico.

A revista oferece acesso livre e imediato a seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar informações científicas gratuitamente ao público democratiza o acesso ao conhecimento. Os autores não pagam taxa para submeter seus manuscritos a avaliação.

 

POLÍTICA DE ÉTICA

Princípios éticos

A Geousp – Espaço e Tempo observa princípios éticos e de respeito à cultura acadêmica e à produção intelectual, considerando o comportamento ético de todas as partes envolvidas na publicação: autores, editores e avaliadores.

As decisões editoriais da revista não são influenciadas por considerações comerciais ou de fontes de receita.

 

Ações antiplágio

O plágio, ou o uso de ideias ou formulações verbais ou escritas de outrem sem dar-lhe expressamente o devido crédito de modo a gerar razoavelmente a percepção de que sejam ideias ou formulações de autoria própria, é eticamente inaceitável pela comunidade científica.

Os autores devem responder à exigência de originalidade e ineditismo do artigo, no todo ou em parte, e garantir o crédito de todas as fontes e referências citadas no manuscrito.

A Geousp usa o Similarity Check (iThenticate) como apoio para identificar todos os tipos de plágio, inclusive o autoplágio.

 

Deveres da equipe editorial

A decisão de publicar manuscritos é de responsabilidade dos editores, que se orientam pelas políticas da revista, as quais obedecem às exigências legais em vigor sobre difamação, violação de direitos autorais e plágio.

Posicionamento político ou ideológico, diversidade étnica, de gênero ou religiosa, bem como diferenças de perspectiva teórica ou metodológica não devem influenciar ações ou decisões tomadas durante o processo editorial.

Os editores não conduzem processo editorial de manuscritos com os quais reconheça conflito de interesses.

O editor designa um editor específico e isento para conduzir o processo editorial do manuscrito.

Os editores não divulgam informações sobre manuscritos submetidos, a não ser aos pareceristas, mantendo sua confidencialidade.

A identidade dos autores e pareceristas é omitida. A Comissão Editorial trata os manuscritos como documentos confidenciais.

As submissões de dossiês são conduzidas da mesma maneira que as demais. Os manuscritos só são considerados e aceitos por seu mérito acadêmico, a salvo de qualquer influência pessoal.

A editoria trata todos os fatos que envolvem as atividades editoriais com sigilo e máxima discrição, especialmente as ligadas a denúncias de plágio ou outras infrações éticas.

A esse respeito, os editores tomam as medidas cabíveis quando se lhes apresentam queixas éticas referentes a manuscritos submetidos ou artigos publicados. Qualquer ação da revista só será iniciada a partir de uma denúncia formal e claramente identificada.

Seguindo as orientações do Committee on Publication Ethics (COPE), em casos de suspeita de má conduta, seja de artigos no prelo ou já publicados, os editores dão aos autores direito de ampla defesa. Todas as denúncias serão investigadas, não importando quando o artigo tenha sido aprovado. A documentação relativa à denúncia permanece sob a guarda da revista.

Quanto aos pedidos de reconsideração de manuscritos rejeitados, os editores podem lançar mão de três expedientes:

  • determinar se a decisão foi claramente explicada ao autor, garantindo que não foi baseada em informações erradas ou questionáveis, por exemplo, numa interpretação equivocada do manuscrito ou na falta de orientação do parecerista;
  • reconsiderar manuscritos rejeitados quando o autor fornecer boas razões pelas quais a decisão pode ter sido incorreta e dispondo-se a enviar uma nova versão em resposta aos comentários válidos de pareceristas ou editores;
  • incentivar a ressubmissão de manuscritos potencialmente aceitáveis que foram rejeitados por necessitar de revisões importantes ou dados adicionais.

 

Deveres dos pareceristas

Os trabalhos recebidos para análise devem ser tratados como documentos confidenciais.

Os pareceristas devem registrar a declaração de conflito de interesse, disponibilizada no formulário de avaliação.

Os pareceristas devem manter a confidencialidade de qualquer informação fornecida pelo editor ou pelo autor, sem manter nenhuma cópia do manuscrito. Não devem se utilizar, para proveito pessoal, de informações ou ideias obtidas pela leitura dos trabalhos.

O parecerista pode indicar trabalhos relevantes já publicados que não foram citados no manuscrito, bem como chamar a atenção dos editores para qualquer semelhança substancial ou sobreposição entre o manuscrito e outro texto publicado de que tenha conhecimento.

 

Deveres dos autores

Entende-se como autor e coautor todo aquele que tenha efetivamente participado da concepção, do desenvolvimento, da análise ou da interpretação dos dados e da redação final do manuscrito.

Os autores devem conhecer e concordar com as condições da submissão e os termos da declaração de direito autoral que constam no sistema informatizado Open Journal Systems (OJS), hospedado no Portal de Revistas da USP. Devem seguir as normas da revista para apresentar manuscritos e enviar as permissões para uso, reprodução e publicação de gráficos, mapas, diagramas, fotografias, entrevistas realizadas etc.

Os autores devem garantir que os manuscritos são originais e citar devidamente os textos consultados para sua redação. Qualquer forme de plágio constitui um comportamento antiético e inaceitável.

Devem também assegurar que o manuscrito não foi submetido a avaliação nem publicado em nenhum outro veículo.

Qualquer informação relevante que afete a análise deve ser declarada em “Comentários para editor”, que consta no processo de submissão on-line (Portal de Revistas da USP).

Também é responsabilidade dos autores informar todas as fontes de financiamento e apoio que contribuíram para a realização da pesquisa e a produção do manuscrito.

É responsabilidade dos autores conhecer e aceitar as regras de licença de uso da Creative Commons do tipo atribuição BY.

 

Procedimentos em caso de comportamento antiético

A Geousp – Espaço e Tempo se compromete a averiguar, após denúncia formal e claramente identificada, casos de:

  • apropriação indevida de conteúdo alheio – uso de conteúdo de terceiros sem a devida autorização, particularmente em casos de conteúdo ainda não publicado;
  • plágio – assunção total ou parcial da autoria de material de terceiros, o que não apenas infringe a ética em pesquisa científica como constitui crime;
  • autoplágio – mera replicação de mais de um terço dos resultados de trabalhos anteriores sem a apresentação de novos resultados, inclusive textos de anais;
  • autoria indevida – alegação de autoria individual excluindo outros coautores. Essa má conduta também se aplica quando trabalhos em coautoria são apresentados ou publicados sem a autorização dos demais coautores, ainda que com a devida atribuição;
  • violação de práticas de pesquisa amplamente aceitas – adulteração ou falsificação de fontes documentais, citações ou dados estatísticos ou analíticos para obter resultados desejados, comprometendo a integridade da pesquisa e, consequentemente, do artigo submetido ou publicado.

Constituem comportamento inapropriado em caso de suspeita de má conduta na averiguação dos casos acima citados:

  • resistir a cooperar no esclarecimento de suspeitas de má conduta científica do autor;
  • não comunicar casos ou suspeitas de má conduta;
  • destruir evidências relativas a casos de infração;
  • retaliar pessoas envolvidas na denúncia de má conduta científica;
  • levantar falso testemunho sobre a má conduta de terceiros.

Após investigação e ampla defesa da parte das pessoas alvo de denúncia, as infrações éticas verificadas serão tratadas de acordo com sua gravidade, por meio de:

  • notificação do caso à parte ou a todos os envolvidos – o autor principal, todos os autores, a instituição que o(s) emprega, o(s) financiador(es) do estudo e os terceiros alvo de apropriação indevida ou plágio;
  • publicação de notícia formal detalhando a má conduta em veículo que se considerar oportuno;
  • publicação de retratação formal do artigo já publicado.

As queixas recebidas pela Geousp serão avaliadas e respondidas pelo corpo editorial, responsável pela investigação, que será sigilosa.

Em caso de manuscritos suspeitos, seja por denúncia dos pareceristas ou pela constatação dos editores, o processo avaliativo poderá:

  • ser interrompido, quando há prova clara de má conduta;
  • ser suspenso até que se averigue a validade das acusações;
  • gerar notificação aos terceiros prejudicados, conforme os casos de má conduta arrolados acima.

Se houver denúncia formal contra os editores, a responsabilidade pela investigação caberá a uma comissão designada pelo PPGH ou pelo PPGF.

Alegações, reclamações ou infrações éticas diferentes das citadas neste documento serão examinadas pelo corpo editorial à luz das práticas do COPE ou das Diretrizes da Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC Brasil).

Fontes consultadas: Código de Boas Práticas Cientificas_2014 da FAPESP e Diretrizes do CSE para Promover Integridade em Publicações de Periódicos Científicos 2012 da Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC Brasil) e Committee on Publication Ethics (COPE).

 

REPOSITÓRIOS

O Portal de Revistas da USP mantém a preservação de seus conteúdos por meio da PKP Preservation Network e a revista Geousp está registrada: https://thekeepers.org/journals?query=2179-0892