As geografias oficial e invisível do Brasil: algumas referências

  • Rafael Sanzio Araújo Anjos Departamento de Geografia da Universidade de Brasília
Palavras-chave: Geografia afro-brasileira. Geografia oficial. Geografia invisível. Cartografia oficial. Diáspora África-Brasil.

Resumo

Por meio das linguagens cartográfica e fotográfica, o artigo discute aspectos fundamentais das geografias oficial e da não oficial praticadas no Brasil, numa perspectiva histórica. Focaliza o Brasil africano, secularmente excluído da geografia oficial, como um exemplo explícito dessas geografias distintas e paralelas, pois existe um convívio secular não assumido, regido por uma geopolítica da invisibilidade. A crescente diminuição do prestígio da geografia nas estruturas de poder, o modelo fragmentário com que se tratam as demandas geográficas e cartográficas do país, assim como o pensamento social preconceituoso dominante para com as matrizes africanas no território e no povo brasileiro, são os entraves básicos da falta de uma política geográfica articulada no Brasil e a redução do preconceito e dos estereótipos de fundo geográfico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Sanzio Araújo Anjos, Departamento de Geografia da Universidade de Brasília
Prof. Associado do Depto. de Geografia e Diretor do Centro de Cartografia Aplicada da Universidade de Brasília. Coordena o Projeto Geografia Afrobrasileira: Educação & Planejamento do Território

Referências

ANJOS, R. S. A. ______. Atlas Geográfico África Brasil. Brasília: Mapas, 2014a.

______. O Brasil africano – algumas referências dos séculos XVI-XXI: cartografia para educação. Brasília: Mapas, 2014b.

______. A territorialidade dos quilombos no Brasil contemporâneo: uma aproximação. In: SILVA, T. D.; GOES, F. L. (Org.). Igualdade racial no Brasil: reflexões no Ano Internacional dos Afrodesendentes. Brasília: IPEA, 2013. p. 137-152.

______. Geopolítica da diáspora África-América-Brasil – séculos XV-XVI-XVII-XVIII-XIX: cartografia para educação. Brasília: Mapas, 2012a.

______. Relatório da atualização do cadastro dos registros municipais dos territórios quilombolas do Brasil – 2012. Relatório Interno do Projeto Geoafro. Brasília: CIGA/UnB, 2012b.

______. Territorialidade quilombola: fotos & mapas. Brasília: Mapas, 2011.

______. Quilombos: geografia africana-cartografia étnica – territórios tradicionais. Brasília: Mapas, 2009.

______. Cartografia para o ensino-aprendizagem. Brasília: Mapas, 2007. (Coleção África-Brasil, v. I e II).

______. A geografia, a África e os negros brasileiros. In: MUNANGA, K. (Org.). Superando o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental, 1999.

ANJOS, R. S. A.; CYPRIANO, A. Quilombolas: tradições e cultura da resistência. São Paulo: Aori/Petrobrás, 2006.

BELCHIOR, D. Tinga, racismo e a colonialidade do poder. Negro Belchior, 13 fev. 2014. Disponível em: <http://negrobelchior.cartacapital.com.br/tinga-racismo-e-a-colonialidade-do-poder/>. Acesso em: 25 jul. 2015.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988

Publicado
2015-11-03
Como Citar
Anjos, R. (2015). As geografias oficial e invisível do Brasil: algumas referências. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 19(2), 374-390. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2015.102810
Seção
Artigos