Avaliação intermunicipal dos riscos de desastres naturais associados à dinâmica climática no estado do Ceará

  • João Luís Sampaio Olímpio Universidade Federal do Ceará
  • Maria Elisa Zanella Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Risco. Desastre. Vulnerabilidade. Seca. Inundação.

Resumo

Os desastres naturais associados à dinâmica climática são fenômenos que compõem a própria história do estado do Ceará, na medida em que a escassez e os excessos hídricos desencadearam situações de crise, sobretudo nos pontos mais vulneráveis. Nesse sentido, esta investigação buscou determinar o nível de risco de desastres naturais entre os municípios cearenses. Levantaram-se registros de desastres produzidos por estiagens/secas e inundações entre 2003 e 2012, assim como dados censitários que expressam a vulnerabilidade municipal. Também se elaborou uma proposta metodológica para avaliar os riscos naturais a partir da integração de variáveis que indicam a vulnerabilidade e os perigos existentes na área de estudo, seguida da construção de um índice de risco denominado Irden. Os resultados foram espacializados por meio de um sistema de informação geográfica. A metodologia mostrou-se eficiente ao representar a verdade observada em campo e por ser de facilmente aplicável a outros contextos geográficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Luís Sampaio Olímpio, Universidade Federal do Ceará
Departamento de Geografia
Maria Elisa Zanella, Universidade Federal do Ceará
Departamento de Geografia

Referências

ALMEIDA, L. Q. Vulnerabilidade socioambiental dos rios urbanos: bacia hidrográfica do rio Maranguapinho, Região Metropolitana de Fortaleza, Ceará. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2010.

BRASIL. Instrução Normativa n. 1, 24 de agosto de 2012. Estabelece procedimentos e critérios para a decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública pelos Municípios, Estados e pelo Distrito Federal, e para o reconhecimento federal das situações de anormalidade decretadas pelos entes federativos e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 ago. 2012. Seção 1, p. 30-39.

FERREIRA, A. G.; MELLO, N. G. S. Principais sistemas atmosféricos atuantes sobre a região Nordeste do Brasil e a influência dos oceanos Pacífico e Atlântico no clima da região. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, PR, v. 1, n. 1, p. 15-28, 2005.

HÉTU, B. Uma geomorfologia socialmente útil: os riscos naturais em evidência. Revista Mercator, Fortaleza, v. 2, n. 3, p. 83-98, 2003.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sistema IBGE de Recuperação Automática: Sidra, 2016. Disponível em: www.sidra.ibge.gov.br/cd/cd2010RgaAdAgsn.asp. Acesso em: 28 jul. 2016.

______. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico de 2010. Disponível em: www.sidra.ibge.gov.br/cd/cd2010agsub.asp?o=8&i=P. Acesso em: 25 ago. 2016.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Atlas da vulnerabilidade social nos municípios brasileiros. In: COSTA, M. A.; MARGUTI, B. O. (Ed.). Brasília, DF: IPEA, 2015.

IPECE. INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Anuário Estatístico do Ceará 2011. Fortaleza: IPECE. Disponível em: www2.ipece.ce.gov.br/publicacoes/anuario/anuario2011/qualidade/index.htm. Acesso em: 28 jul. 2016.

ISDR. INTERNATIONAL STRATEGY FOR DISASTER REDUCTION. Living with risk: a global review of disaster reduction initiatives. Geneva: UN/ISDR, 2004.

KAYANA, M. T.; ANDREOLI, R. V. Clima da região Nordeste do Brasil. In: CAVALCANTI, I. F. A. et al. (Org.). Tempo e Clima no Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2009. p. 213-234.

KOBIYAMA, M. et al. Prevenção de desastres naturais: conceitos básicos. Florianópolis: Organic Trading, 2006.

MONTEIRO, J. B. Chover, mas chover de mansinho: desastres naturais e chuvas extremas no estado do Ceará. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Centro de Ciências, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2011.

MOLION; J. C. B.; BERNARDO, S. O. Uma revisão da dinâmica das chuvas no Nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 7, n. 1, p. 1-10, 2002.

OLÍMPIO, J. L. S. Desastres naturais associados à dinâmica climática no estado do Ceará: subsídios à gestão dos riscos de secas e de inundações. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Centro de Ciências, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2013.

REBELO, F. Um novo olhar sobre os riscos? O exemplo das cheias rápidas (Flash Floods) em domínio mediterrâneo. Territorium, Coimbra, v. 15, p. 7-14, 2008.

ROSA, S.; COSTA, M. C. L. Banco de dados de vulnerabilidade socioambiental da Região Metropolitana de Fortaleza-CE. In: DANTAS, E. W. C.; COSTA, M. C. L. (Org.). Vulnerabilidade socioambiental: na Região Metropolitana de Fortaleza. Fortaleza: UFC, 2009. p. 165-190.

SEDEC. SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL. Sistema integrado de informações sobre desastres – S2ID, 2013. Disponível em: s2id.mi.gov.br/. Acesso em: 4 mar. 2016.

SOUZA, L. B.; ZANELLA, M. E. Percepções de riscos ambientais: teorias e aplicações. Fortaleza: UFC, 2009.

VEYRET, Y.; RICHMOND, N. M. Definições e vulnerabilidade do risco. In: VEYTET, Y. (Org.). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007. p. 25-46.

ZANELLA, M. E. As características climáticas e os recursos hídricos do Ceará. In: SILVA, J. B.; CAVALCANTE, T. C.; DANTAS, E. W. C. (Org.). Ceará: um novo olhar geográfico. 2. ed. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2007.

______ et al. Vulnerabilidade socioambiental de Fortaleza. In: DANTAS, E. W. C.; COSTA, M. C. L. (Org.). Vulnerabilidade socioambiental: na Região Metropolitana de Fortaleza. Fortaleza: UFC, 2009. p. 191-216.

Publicado
2017-08-14
Como Citar
Olímpio, J., & Zanella, M. (2017). Avaliação intermunicipal dos riscos de desastres naturais associados à dinâmica climática no estado do Ceará. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 21(1), 156-176. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.110719
Seção
Artigos