Sustentabilidade na agricultura familiar e a influência dos atores regionais: estudo de caso da região de Parauapebas-PA

  • Neli Aparecida de Mello Thery Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) São Paulo, SP
  • Camila Ferreira Leite Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH).
Palavras-chave: Agricultura sustentável. Atores. Conflito. Cooperativa. Influência.

Resumo

Este texto analisa o papel dos atores regionais na sustentabilidade da agricultura familiar da área de proteção ambiental do Igarapé Gelado, tomando como base os resultados do programa Duramaz-1 (Determinantes do Desenvolvimento Sustentável na Amazônia), e atualiza alguns dados dessa experiência. Entre 2009 e 2013, tendo mudado a função de alguns atores, a situação evoluiu, resultando no êxito da produção agrícola sustentável e do extrativismo de frutos nativos para um pequeno grupo, enquanto a maioria dos moradores da APA se vê privada de tais iniciativas, seja por desinteresse ou por dependência e falta de empoderamento, exclusão ou dificuldade financeira, reduzindo a possibilidade de ampliação desse tipo de ação, fatores que potencialmente ameaçam a produção sustentável em uma APA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neli Aparecida de Mello Thery, Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) São Paulo, SP
Curso de Gestão Ambiental. Programa de pos-graduação em Geografia Humana.
Camila Ferreira Leite, Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH).
Curso de Gestão Ambiental.

Referências

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. São Paulo/Rio de Janeiro: Expressão Popular/AS-PTA, 2012.

AQUINO, M. J. S. O ferro e a “canga”: disputas e parcerias na conservação e exploração mineral em Carajás. In: ENCONTRO DA ANPPAS, 3., 23-26 maio 2006, Brasília. Anais... Brasília, 2006.

ARIMA, E.; BARRETO, P.; BRITO, M. Pecuária na Amazônia: tendências e implicações para a conservação ambiental. Belém: Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia, 2005.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o Art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=322. Acesso em: 22 nov. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Medida Provisória n. 1.511, de 25 de julho de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/Antigas/1511.htm. Acesso em: 22 nov. 2016.

COSTA, J. M.; HIRT, C. Repercussões territoriais das ações públicas e privadas na Amazônia Oriental. Revista Geográfica de América Central, San José, v. 2, p. 1-16, 2011.

DROULERS, M. et al. Um sistema de indicadores de desenvolvimento sustentável na Amazônia. Sustentabilidade em Debate. Brasília, v. 2, n. 1, 2001. Disponível em: http://seer.bce.unb.br/index.php/sust/article/viewArticle/3916. Acesso em: 17 mar. 2012.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção Os Pensadores.)

FUNDAÇÃO VALE. Um olhar sobre Parauapebas: diagnóstico socioeconômico. Disponível em: http://www.fundacaovale.org/pt-br/a-fundacao-vale/como-atuamos/Documents/estrada-de-ferro-carajas/livreto_Parauapebas_Par%C3%A1.pdf. Acesso em: 25 mar. 2012.

IBGE. Infográfico da evolução populacional de Parauapebas. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=150553&search=para|parauapebas#historico. Acesso em: 11 set. 2013.

LE TOURNEAU, F.-M.; DROULERS, M. (Dir.). L’Amazonie brésilienne et le développement durable. Paris: Belim, 2010.

MARCHAND, G. Un système d’indicateurs pour évaluer les impacts territoriaux des politiques de développement durable dans les zones rurales d’Amazonie brésilienne: l’expérience Duramaz. Tese (Doutorado em Geografia, Desenvolvimento e Urbanismo) – Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3, Paris, 2010.

MELLO-THÉRY, N. A.; THÉRY, H. Carajás-Parauapebas: conflitos entre modelos de desenvolvimento na Amazônia Oriental. Revista Praia Vermelha, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 73-88, 2009. Disponível em: http://200.144.190.38:8180/xmlui/handle/1/177. Acesso em: 17 mar. 2012.

MELLO, N. A.; VAN TILBEURGH, V. A proteção da floresta amazônica: políticas de Estado, percepção dos atores e gestão dos espaços locais. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPEGE, 8., set. 2009, Curitiba. Disponível em: http://hal.archives-ouvertes.fr/docs/00/45/70/07/PDF/Anpege_Duramaz_Neli_e_Veronique_final.pdf. Acesso em: 20 mar. 2012.

MONTEIRO, M. A.; COELHO, M. C. N. As políticas federais e reconfigurações espaciais na Amazônia. Novos Cadernos Naea, v. 7, n. 1, p. 91-122, jun. 2004. Disponível em: http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/viewFile/38/32. Acesso em: 19 jun. 2013.

MUCHAGATA, M. G. O papel das organizações de agricultores nas transformações recentes do uso do espaço em região de fronteira amazônica: o caso da região de Marabá. In: SAYAGO, D.; TOURRAND, J. F.; BURSZTYN, M. Amazônia: cenas e cenários. Brasília: Universidade de Brasília, 2004.

SANTOS, R. F. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

SIMIONI, F. J. et al. Lealdade e oportunismo nas cooperativas: desafios e mudanças na gestão. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 47, n. 3, p. 739-765, set. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/resr/v47n3/v47n3a10.pdf. Acesso em: 22 nov. 2016.

SNUC. Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Texto da Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000, e vetos da presidência da República ao PL aprovado pelo Congresso Nacional. 2. ed. ampl. São Paulo: Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, 2000. Disponível em: http://www.rbma.org.br/rbma/pdf/Caderno_18_2ed.pdf. Acesso em: 22 nov. 2016.

Publicado
2016-08-21
Como Citar
Thery, N. A., & Leite, C. (2016). Sustentabilidade na agricultura familiar e a influência dos atores regionais: estudo de caso da região de Parauapebas-PA. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 20(2), 295-311. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2016.122550
Seção
⟢ das questões agrícolas e agrárias