Formação socioespacial e cidades pequenas: um segmento da rede urbana na porção meridional de Mato Grosso do Sul

  • Paulo Fernando Jurado da Silva Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • Mara Lucia Falconi da Hora Bernardelli Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Cidades pequenas, Rede urbana, Formação socioespacial, Microrregião de Iguatemi, Mato Grosso do Sul

Resumo

As cidades pequenas, apesar de comporem a maior fatia do total de cidades do quadro urbano brasileiro, tinham reduzido destaque nas pesquisas acadêmicas, o que não é observado atualmente, visto que há um crescente interesse pelo tema. Em Mato Grosso do Sul, essa realidade também não é diferente, apresentando o estado inexpressivo número de municípios quando comparado a outras realidades do país, apesar de sua imensa extensão territorial. Frente ao exposto, o objetivo deste artigo é analisar um segmento específico dessa rede, enfocando a Microrregião de Iguatemi, constituída, predominantemente, por cidades pequenas. Baseamo-nos na leitura e na avaliação de materiais bibliográficos, bem como na coleta e na sistematização de dados e informações de fontes secundárias para a construção do presente texto. Os resultados alcançados permitem discutir a complexidade que envolve essa microrregião, sublinhando aspectos históricos e geográficos sobre a formação socioespacial da área selecionada para este estudo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Fernando Jurado da Silva, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Graduado no curso de licenciatura em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), Universidade Estadual Paulista (UNESP) de Presidente Prudente (2008), mestre (2011) e doutor (2014) pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da FCT, UNESP de Presidente Prudente . Professor adjunto efetivo da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Mara Lucia Falconi da Hora Bernardelli, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Graduação em Geografia (1990), mestrado em Geografia (1997) e doutorado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2004). Professora adjunta do curso de Geografia (Licenciatura e Bacharelado), Campo Grande. 

Referências

ABREU, S. de. Planejamento governamental: a Sudeco no espaço mato-grossense, contexto, propósitos e contradições. 2001. 328 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

ADECOAGRO. Informações sobre a empresa. Disponível em: <http://www.adecoagro.com/home.aspx>. Acesso em: 31 maio 2017.

BECKER, B. K. Significância contemporânea da fronteira: uma interpretação geopolítica a partir da Amazônia Brasileira. In: AUBERTIN, C. (Org.). Fronteiras. Brasília: Editora UNB, 1988, p. 60-89.

BECKER, B. K.; EGLER, C. A. Brasil: Uma nova potência regional na economia-mundo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

BERNARDELLI, M. L. F. H. Pequenas cidades na região de Catanduva - SP: papéis urbanos, reprodução social e produção de moradias. 2004. 350 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

CALIXTO, M. J. M. S. Produção, apropriação e consumo do espaço urbano: uma leitura geográfica da cidade de Dourados, MS. Campo Grande: Ed. UFMS, 2004 (Fontes Novas, Ciências Humanas).

CAMAGNI, R. Organisations économique et réseaux de villes. In: SALLEZ, A. (Dir.) Les villes, lieux d’Europe. Paris: DATAR, Éditours de l’Aube, 1993, p.107-128.

CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. 1975. 322 f. Tese (Doutorado em Ciências Econômicas). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

CARLOS, A. F. A. Seria o Brasil menos urbano do que se calcula? In: CARLOS, A. F. A. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo: FFLCH, 2007, p. 103-108. Disponível em: < http://gesp.fflch.usp.br/sites/gesp.fflch.usp.br/files/Espaco_urbano.pdf>. Acesso em: 22 mar. 2017.

CHRISTALLER, W. Central places in Southern Germany. 1. ed. Englewood Cliffs: Prentice-Hall Inc., 1966.

CORRÊA, R. L. Estudo das relações entre cidade e região. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro, n. 4, p. 93-116, 1967.

______. Os estudos de redes urbanas no Brasil. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, p. 43-56, 1969.

______. Repensando a teoria das localidades centrais. In: SANTOS, M. (Coord.) Novos Rumos da Geografia Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1982, p. 50-65.

______. A rede urbana. 1. ed. São Paulo: Ática, 1989.

______. As dimensões de análise das redes geográficas. In: ______. Trajetórias geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997, p. 107-118.

_______. Globalização e Reestruturação da rede urbana – uma nota sobre as pequenas cidades. Revista Território, Rio de Janeiro: LAGET/UFRJ, v. 6, n. 6, p. 43-53, jan. - jun., 1999.

______. Rede urbana e formação espacial – uma reflexão considerando o Brasil. Revista Território, Rio de Janeiro: LAGET/UFRJ, v. 8, n. 8, p. 121-129, 2000.

DCOIL. Informações sobre a empresa. Disponível em: <http://www.dcoil.com.br/>. Acesso em: 31 maio 2017.

DUARTE, A. C. O Centro-Oeste na organização regional do Brasil. In: IBGE. Região Centro-Oeste. Rio de Janeiro: IBGE, 1989, p. 15-20.

ENDLICH, A. M. Pensando os papéis e significados das pequenas cidades no Noroeste do Paraná. 2006. 505 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia – Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

FRESCA, T. M. A dinâmica funcional da rede urbana do oeste paulista. Estudo de casos: Osvaldo Cruz e Inúbia Paulista. 1990. 282 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Centro de Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

GEIGER, P. P. Evolução da rede urbana brasileira. Rio de Janeiro: CBPE, 1963.

GRESSLER, L. A.; SWENSSON, L. J. Aspectos históricos do povoamento e da colonização do Estado de Mato Grosso do Sul: destaque especial ao município de Dourados. Dourados: [s.n.], 1988.

HAESBAERT, R. Des-territorialização e identidade: a rede “gaúcha” no Nordeste. Niterói: Ed. da Universidade Fluminense, 1997.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm>. Acesso em: 24 abr. 2017.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades. 2017. Disponível em: <http://ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php>. Acesso em: 24 abr. 2017.

JURADO DA SILVA, P. F.; SPOSITO, E. S. Discussão geográfica sobre cidades pequenas. Geografia, Rio Claro: AGETEO, v. 34, n. 2, p. 203-217, mai./ago. 2009.

NOVA CANA. Informações sobre o setor sucroalcooleiro. Disponível em: <https://www.novacana.com/usinas-brasil/grupo/infinity-bio-energy/>. Acesso em: 31 maio 2017.

OLIVEIRA, B. C. de. A política de colonização do estado novo em Mato Grosso (1937-1945). Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, 1999.

______. Desdobramentos da Marcha para Oeste na fronteira Brasil-Paraguai: colonizar era preciso. In: ______ (Org.). Histórias que (re)contam história: análise do povoamento, colonização e reforma agrária do sul de Mato Grosso do Sul. Dourados: Ed. UFGD, 2013, p. 13-28.

OLIVEIRA NETO, A. F. de. A incorporação do modo de vida urbano na região de fronteira do sul do território mato-grossense no início do séc. XX. In: SPOSITO, M. E. B.; WHITACKER, A. M. (Orgs.). Cidade e campo: relações e contradições entre urbano e rural. 1ed. São Paulo: Expressão Popular, 2006, p. 205-215.

ROCHEFORT, M. Redes e sistemas: ensinando sobre o urbano e a região. São Paulo: Hucitec, 1998.

SANTOS, M. A cidade como centro de região: definições e métodos de avaliação da centralidade. Salvador: Livraria Progresso Editora, 1959.

______. Sociedade e espaço: a formação social como teoria e como método. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 54, p. 81-97, jun. 1977.

______. Espaço e sociedade. Petrópolis: Vozes, 1979.

______. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1997.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SILVEIRA, M. L. Região e globalização: pensando um esquema de análise. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 15, n. 1, p. 74 - 88, jan./abr. 2010.

SOARES, B. R. Planos diretores em municípios de pequeno porte: reflexões a partir de experiências multidisciplinares. Formação, Presidente Prudente, v. 2, n. 15, p. 13-24, 2008.

SOBARZO, O. O urbano e o rural em Henri Lefebvre. In: SPOSITO, M. E. B.; WHITACKER, A. M. (Orgs.). Cidade e Campo: relações e contradições entre urbano e rural. São Paulo: Expressão Popular, 2006, p. 53-64.

SPOSITO, M. E. B. As cidades médias e os contextos econômicos contemporâneos. In: ______ (Org.). Urbanização e cidades: perspectivas geográficas. Presidente Prudente: FCT/Unesp, 2001, p. 609-643.

TOPOSAT AMBIENTAL. Relatório de Impacto Ambiental (RIMA): Usina Naviraí S/A – Açúcar e Álcool. Disponível em: <http://www.servicos.ms.gov.br/imasuldownloads/rimas/USINANAVIRAI.pdf >. Acesso em: 31 mai. 2017.

VASCONCELOS, P. de A. Dois séculos de pensamento sobre a cidade. Ilhéus: Editus, 1999.

Publicado
2019-04-02
Como Citar
Jurado da Silva, P. F., & Falconi da Hora Bernardelli, M. L. (2019). Formação socioespacial e cidades pequenas: um segmento da rede urbana na porção meridional de Mato Grosso do Sul. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 23(1), 163-181. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2019.137104
Seção
Artigos