Pilhagem territorial, precarização do trabalho e degradação do sujeito que trabalha: reflexões a partir da produção de celulose no Brasil

  • Guilherme Marini Perpetua Universidade Estadual Paulista (UNESP)
  • Antonio Thomaz Junior Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Palavras-chave: commodities, celulose, precarização do trabalho, saúde do trabalhador.

Resumo

Como resultado de uma singular combinação de fatores internos e externos, particularmente atuantes a partir do início dos anos 2000, a economia e o território do Brasil sofreram um avanço inaudito da produção de commodities agropecuárias e minerais. Nesse contexto, a produção de celulose despontou como um dos principais produtos exportados, territorializando-se em diferentes regiões por meio de megaempreendimentos que vinculam fábricas a imensas áreas de monocultivo de eucalipto. O objetivo do presente artigo é desvelar a dinâmica do trabalho no interior do recente processo de territorialização do capital arbóreo-celulósico no Brasil, com foco na precarização do trabalho e nos riscos e agravos à saúde dos trabalhadores. A pesquisa combinou procedimentos metodológicos quantitativos e qualitativos, investigando empiricamente os casos de três regiões: Porto Seguro (BA), Três Lagoas (MS) e Imperatriz (MA).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Marini Perpetua, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Doutor em Geografia pela UNESP - Campus de Presidente Prudente e, atualmente, pós-doutorando na mesma área e instituição com bolsa da FAPESP. Membro do Centro de Estudos de Geografia do Trabalho (CEGeT) e do Centro de Estudos do Trabalho, Ambiente e Saúde (CETAS).

Antonio Thomaz Junior, Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Professor Adjunto (Livre-Docente) da FCT/UNESP - Campus de Presidente Prudente. Pesquisador PQ 1/CNPq. Coordenador do Centro de Estudos de Geografia do Trabalho (CEGeT) e do Centro de Estudos do Trabalho, Ambiente e Saúde (CETAS).

Referências

ABRAF. Anuário estatístico ABRAF 2013 (Ano base 2012). Brasília: ABRAF, 2013.

ALVES, G. O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2000.

ALVES, G. Globalização como processo civilizatório humano-genérico. Estudos de Sociologia, Araraquara, n. 13/14, p. 37-48, 2002/2003.

ALVES, G. Trabalho flexível, vida reduzida e precarização do homem-que-trabalha: perspectivas do capitalismo global no Século XXI. In: VIZZACCARO-AMARAL, A. L.; MOTA, D. P.; ALVES, G. (Orgs.). Trabalho e Saúde: a precarização do trabalho e a saúde do trabalhador no século XXI. São Paulo: LTr, 2011.

AGOSTINI, M. Saúde do trabalhador. In: ANDRADE, A.; PINTO, S. C.; OLIVEIRA, R. S. (Orgs.). Animais de laboratório: criação e experimentação [on line]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

BACHETTA, V. La fraude de la celulosa. Montevideo: Doble Clic Editoras, 2008.

BIAZUS, A.; HORA, A. B. da; LEITE, B. G. P. Panorama de mercado: celulose. BNDES setorial, São Paulo, n. 32, p. 311-370, 2010a.

BIAZUS, A.; HORA, A. B. da; LEITE, B. G. P. Papel e celulose: perspectivas de investimento 2010-2013. São Paulo: BNDES, 2010b.

BINDER, M. C. P.; CORDEIRO, R. Sub-registro de acidentes de trabalho em localidades do estado de São Paulo. Rev. Saúde Pública, vol. 4, n. 37, p. 409-416, 2003.

BOITO JUNIOR, A. As bases políticas do Neodesenvolvimentismo. Fórum Econômico da FGV, Anais... São Paulo: FGV, 2012.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. Caderno de Conflitos no campo: Brasil 2016. Goiânia: CPT-Nacional, 2016.

CONTINI, E. Exportações na dinâmica do agronegócio brasileiro. In: BUAINAIN, A. M.; ALVES, E.; SILVEIRA, J. M. da; NAVARRO, Z. O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: Embrapa, 2014.

DAURA, S. P. Análise do setor de celulose e papel na era da globalização: um olhar sobre sua produção e mão-de-obra. 226f. 2004. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Estadual Paulista, Marília.

DE’NADAI, A.; SOARES, L. A.; OVERBEEK, W. Promessas de emprego e destruição de trabalho. In: GOMES, H.; OVERBEECK, W. (Org.). Aracruz credo: 40 anos de violações e resistência no ES. Vitória: Rede Alerta contra o Deserto Verde; Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais, 2011.

DELGADO, G. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século. Porto Alegre: EdUFRGS, 2012.

DIEESE. O processo de terceirização e seus efeitos sobre os trabalhadores no Brasil (Relatório técnico). São Paulo: DIEESE, 2007.

DE’NADAI, A.; SOARES, L. A.; OVERBEEK, W. Promessas de emprego e destruição de trabalho. In: GOMES, H.; OVERBEECK, W. (Org.). Aracruz credo: 40 anos de violações e resistência no ES. Vitória: Rede Alerta contra o Deserto Verde; Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais, 2011.

DRUCK, M. da G. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Cad. CRH, Salvador, vol. 24, n. 1, 2011.

GONÇALVES, M. T. (Coord.). Pesquisa Expflo: exploração florestal, indústria de celulose e ocupação do espaço regional. Belo Horizonte: FASE/IBASE, 1994.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE ÁRVORES (IBÁ). Relatório IBÁ 2015. São Paulo: IBÁ, 2015.

JUVENAL, T. L.; MATTOS, R. L. G. O setor de celulose e papel. In: BNDES. BNDES 50 anos: Histórias Setoriais. 2002.

KOOPMANS, J. Além do eucalipto: o papel do Extremo Sul. Teixeira de Freitas: CDDH, 2005.

KRÖGER, M. Globalization as the ‘Pulping’ of Landscapes: Forestry Capitalism’s North-South Territorial Accumulation. In: Globalizations, vol. 10, n. 6, p. 837-853, 2013.

KUDLAVICZ, M. Dinâmica agrária e a territorialização do complexo Celulose/papel na microrregião de três lagoas/MS. 176f. 2011. Dissertação (Mestrado em Geografia). UFMS, Três Lagoas.

LEÃO, L. H.; VASCONCELLOS, L. C. F. de. Cadeias produtivas e a vigilância em saúde, trabalho e ambiente. Saúde Soc. São Paulo, vol. 24, n. 4, p. 1232-1243, 2015.

LOURENÇO, E. A. Agravos à saúde dos trabalhadores no Brasil: alguns nós críticos. Pegada, Presidente Prudente, vol. 12, n. 1, p. 3-33, jun. 2011.

MALINA, L. L. A territorialização do monopólio no setor celulístico-papeleiro: a atuação da Veracel Celulose no Extremo Sul da Bahia. 2013. 358f. Dissertação (Mestrado em Geografia). FFLCH-USP, São Paulo.

MARINI, R. M. Dialética da dependência, 1973. In: TRASPADINI, R.; STEDILE, J. P. (Orgs.). Ruy Mauro Marini: vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

MARX, K. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K. O capital: crítica da economia política (Livro 1 - processo de produção do capital). São Paulo: Boitempo, 2013.

MATTOSO, J. E. L. A desordem do trabalho. São Paulo: Página Aberta, 1995.

MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico: o socialismo no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

MILANEZ, B. Mineração e impactos socioambientais: as dores de um país extrativista. Juiz de Fora, 2016. (Não publicado).

MORELLI, L. A. A monocultura do eucalipto e a monopolização do território na Metade Sul do Rio Grande do Sul. 2011. 209f. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

OLIVEIRA, A. L. A. Aspectos da dinâmica socioterritorial do trabalho terceirizado: em busca dos “territórios terceirizados”. 2014. 288f. Dissertação (Mestrado em Geografia). UFMS, Três Lagoas.

OVERBEEK, W.; KRÖGER, M.; GERBER, J-F. Um panorama das plantações industriais de árvores no Sul global: conflitos, tendências e lutas de resistência. Relatório EJOLT, n. 3, 2012.

PAKKASVIRTA, J. Fábricas de celulosa: historias de la globalizacion. Buenos Aires: La Colmena, 2010.

PEDREIRA, M. da S. O complexo Florestal e o Extremo Sul da Bahia: inserção competitiva e transformações socioeconômicas na região. 2008. 164f. Tese (Doutorado em Ciências), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

PERPETUA, G. M. Pilhagem territorial, precarização do trabalho e degradação do sujeito que trabalha: a territorialização do capital arbóreo-celulósico no Brasil contemporâneo. 2016b. 370f. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Estadual Paulista.

PERPETUA, G. M.; THOMAZ JUNIOR, A. Dinâmica geográfica da mobilidade do capital na produção de celulose e papel em Três Lagoas (MS). Revista da ANPEGE, vol. 9, n. 12, p. 55-69, jul./dez. 2013.

PERPETUA, G. M.; THOMAZ JUNIOR, A. Desconstruindo o discurso de legitimação da produção brasileira de commodities agrominerais a partir da celulose. Sapiência: Sociedade, Saberes e Práticas Educacionais, UEG/Campus Iporá (GO), vol. 5, n.1, p. 57-74, jan./jul., 2016a.

PERPETUA, G. M.; THOMAZ JUNIOR, A. O hibridismo entre Estado e capital na constituição e expansão territorial do monocultivo do eucalipto e da produção de celulose no Brasil. In: RAMOS FILHO, E. da S.; FELICIANO, C. A. (Orgs.). Políticas públicas de desenvolvimento e apropriação da natureza: terra, água e conflitos socioterritoriais. São Paulo: Outras Expressões, 2017 (No prelo).

PETRAS, J. Brasil: o capitalismo extrativo e o grande salto para trás. Tensões mundiais, Fortaleza, vol. 10, n. 18-19, p. 301-324, 2014.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Geografia da riqueza, fome e meio ambiente: pequena contribuição crítica ao atual modelo agrário/agrícola de uso dos recursos naturais. In: OLIVEIRA, A. U. de; MARQUES, M. I. M. (Orgs.). O campo no século XXI. São Paulo: Editora Casa Amarela/Paz e Terra, 2004.

RIBEIRO JUNIOR, J. A. dos S. O desenvolvimento geográfico desigual da Suzano Papel e Celulose no Maranhão. 2014. 220f. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana), USP, São Paulo.

SANTOS, J. R. dos. A constituição do complexo agroindustrial de celulose no Rio Grande do Sul: uma avaliação da dinâmica global e da inserção brasileira no setor. In: Encuentro de Geografos de América Latina, XII. Annales... Montevideo, Uruguai, 2009.

SICSÚ, J.; DE PAULA, L. F. de; MICHEL, R. Por que novo-desenvolvimentismo? Revista de Economia Política, vol. 27, n. 4 (108), p. 507-524, out./dez. 2007.

SILVA, C. H. R. da. Política industrial brasileira e a industrialização de Mato Grosso do Sul no século XXI. 2016. 278f. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal da Grande Dourados.

SILVA, M. et al. Panorama em Segurança e Saúde no Trabalho (SST) na Indústria: Brasil e Unidades da Federação 2004: setor químico (CNAE 24). Brasília: SESI; DN, 2011.

SMITH, N. Desenvolvimento desigual. Rio de Janeiro: Bertrand, 1988.

SOUZA, I. G. de; OVERBEEK, W. (Orgs.). Violações socioambientais promovidas pela Veracel Celulose, propriedade da Stora Enso e da Aracruz Celulose: uma história de ilegalidades, descaso e ganância. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

THOMAZ JUNIOR, A. Os Desafios Rumo a um Projeto para o Brasil! (Intemperismo do Trabalho e as Disputas Territoriais Contemporâneas). Revista da ANPEGE, São Paulo, vol. 7, n. 1. p. 307-329, 2012.

Publicado
2019-03-28
Como Citar
Perpetua, G., & Thomaz Junior, A. (2019). Pilhagem territorial, precarização do trabalho e degradação do sujeito que trabalha: reflexões a partir da produção de celulose no Brasil. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 23(1), 124-143. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2019.138596
Seção
Artigos