São Paulo à venda: ultraneoliberalismo urbano, privatização e acumulação de capital (2017-2020)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2020.168529

Palavras-chave:

São Paulo, neoliberalismo, privatização, produção do espaço urbano

Resumo

O artigo analisa a venda da cidade como política pública e a experiência de desmanche neoliberal a partir da análise da gestão 2017-2020 da Prefeitura de São Paulo. O projeto de desestatização do atual governo é interpretado a partir do entendimento do neoliberalismo como doutrina e ideologia crescente e perene, verificando os novos fundamentos urbanos da acumulação de capital no século XXI. O acompanhamento do processo de venda da cidade de São Paulo permitiu entender como as políticas públicas implementadas impactam diretamente os processos de privatização, privação e mercantilização do espaço e na vida cotidiana. A lógica neoliberal e a valorização do privado se realizam como um negócio urbano que deteriora o sentido democrático da cidade, negando o espaço público, e subsumindo a política à economia num novo momento de expansão das relações capitalistas que denominamos de ultraneoliberalismo urbano.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Gustavo Francisco Teixeira Prieto, Universidade Federal de São Paulo

    Professor Adjunto da área de Economia Política da Urbanização no Instituto das Cidades  - Universidade Federal de São Paulo, Campus Zona Leste. Geógrafo (UFF) e doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Foi pesquisador visitante na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS, Paris, França). 

  • Patrícia Laczynski, Universidade Federal de São Paulo

    Professora Adjunta da área de Políticas Públicas do Instituto das Cidades - Universidade Federal de São Paulo, Campus Zona Leste. Doutora em Administração Pública pela EAESP - FGV e membro do Coletivo Vigência. 

Referências

ACOSTA, A.; BRAND, U. (org). Pós-Extrativismo e decrescimento: saídas do labirinto capitalista. São Paulo: Editora Elefante, 2018.

ALVAREZ, I. A produção e a reprodução da cidade como negócio e segregação. In: CARLOS, A. F. et al. A cidade como negócio. São Paulo: Contexto, 2015, p. 65-80.

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo: In SADER, E; GENTILI, P. (orgs.) Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, p. 9-23.

ANGELIM, Daniel et al. São Paulo S.A. Retrato de um projeto privatizante de governo. Vigência. São Paulo, maio de 2018.

BROWN, W. In the Ruins of Neoliberalism. Nova Iorque: Columbia University Press, 2019.

CARLOS, A. F. A condição espacial. São Paulo: Contexto, 2011.

CARLOS, A. F. A tragédia urbana. In: CARLOS, A. F. et al. A cidade como negócio. São Paulo: Contexto, 2015, p. 43-64.

CARLOS, A. F.; RIZEK, C.; ALVAREZ, I.; PALLAMIN, V. A venda de São Paulo como política pública: a radicalização da cidade como negócio. Grupo de Estudos de Teoria Urbana Crítica, Instituto de Estudos Avançados, 08 mai. 2017.

CASTELO, R. O canto da sereia: social-liberalismo, novo desenvolvimentismo e supremacia burguesa no capitalismo dependente brasileiro. Revista Em Pauta, Rio de Janeiro, v. 11, n. 31, 2013.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã. 1996.

DAMIANI, A. A geografia e a produção do espaço da metrópole: entre o público e o privado. In: CARLOS, A. F.; CARRERAS, C. (orgs.) Urbanização e mundialização. São Paulo: Contexto, 2017, p. 38-50.

DARDOT, P. LAVAL, C. La nouvelle raison du monde. Paris : La Découverte, 2009.

DOS SANTOS, F. Uma história da onda progressista sul-americana (1998-2016). São Paulo: Elefante, 2019.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço, São Paulo: Annablume, 2008.

HARVEY, D. Do gerencialismo ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço e Debates, São Paulo, n. 39, 1996, p.48-64.

HOLSTON, J. Cidadania insurgente. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

AUTOR, ano.

LEFEBVRE, H. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

MAJONE, G. Do Estado positivo ao Estado regulador: causas e conseqüências de mudanças no modo de governança. Revista do Serviço Público, v. 50, n. 1, p. 5-36, 1999.

OLIVEIRA, Francisco de. Política numa era de indeterminação: opacidade e reencantamento. In: OLIVEIRA, F.; RIZEK, C. A era da indeterminação. São Paulo: Boitempo, 2007, p. 15-48.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Acesso à Informação. São Paulo, 2020. Disponível em <http://www.capital.sp.gov.br/>. Acesso: 22 jan. 2020.

Autor, ano.

RANCIÈRE, Jacques. La Mésentente. Paris: Galilée, 1995.

ROBINSON, William. Global capitalism and 21st century fascism. Al Jazeera, v. 8, 2011.

ROLNIK, R. Patrimônio público de São Paulo é gerido de maneira errática. ObservaSP, 2 ago. 2017.

SANTOS, C. A fronteira urbana: urbanização, industrialização e mercado imobiliário no Brasil. São Paulo: Annablume, 2015.

SÃO PAULO. Decreto no 57.576, de 1º de janeiro de 2017. Dispõe sobre a organização, as atribuições e o funcionamento da Administração Pública Municipal Direta. São Paulo, 2017a.

SÃO PAULO. Prefeitura de São Paulo. Programa de Metas da Cidade de São Paulo 2017/2020. São Paulo – SP, 2017b.

SÃO PAULO. Lei nº 16.651 de 16 mai. 2017. Cria o Conselho Municipal de Desestatização e Parcerias e o Fundo Municipal de Desenvolvimento. São Paulo, 2017c.

SÃO PAULO. Câmara Municipal. Projeto de Lei 404/2017 do Executivo. Dispõe sobre a alienação dos bens imóveis que especifica no âmbito do Plano Municipal de Desestatização – PMD. Texto original. [2017d].

SÃO PAULO. São Paulo Urbanismo. Projeto de Intervenção Urbana (PIUs) - Terminais Municipais. Caderno de Referências: Diagnóstico Sócio Territorial e Programa de Interesse Público. São Paulo, 2017. [2017e].

SÃO PAULO. Lei nº 16.886, de 4 mai. 2018. Define índices e parâmetros de parcelamento, uso e ocupação do solo a serem observados na elaboração de Projeto de Intervenção Urbana – PIU para a Zona de Ocupação Especial – ZOE do Anhembi. São Paulo, 2018.

SCHWARZ, Roberto. Prefácio com perguntas. In: OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista/O Ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003, p. 11-23.

SECRETARIA DE GOVERNO. Desestatização – Projetos. São Paulo: 27 nov.2019. Disponível em <https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/governo/projetos/desestatizacao>/. Acesso em 22 jan. 2020a.

SECRETARIA DE GOVERNO. Legislação da Desestatização. São Paulo: 8 jan. 2019. Disponível em <https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/governo/legislacao/legislacao_de_desestatizacao/index.php?p=170843>/. Acesso: em 26 mar. 2020b.

WRIGHT, E. Como ser anticapitalista no século XXI? São Paulo: Boitempo, 2019.

Downloads

Publicado

2020-06-22

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

PRIETO, Gustavo Francisco Teixeira; LACZYNSKI, Patrícia. São Paulo à venda: ultraneoliberalismo urbano, privatização e acumulação de capital (2017-2020). GEOUSP Espaço e Tempo (Online), São Paulo, Brasil, v. 24, n. 2, p. 243–261, 2020. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2020.168529. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/168529.. Acesso em: 15 jun. 2024.