Uma proposta metodológica para mapear a dissecação do relevo e aplicá-la no Parque Nacional da Serra da Canastra-MG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2021.170745

Palavras-chave:

Dissecação do relevo, Geovisualização bivariada, Parque Nacional Serra da Canastra

Resumo

Este trabalho propõe um mapa da dissecação do relevo por meio da técnica de geovisualização bivariada. Esse mapa permite verificar a influência de cada variável, entalhamento do vale e dimensão interfluvial, de forma separada ou combinada. O Parque Nacional da Serra da Canastra, no sudoeste de Minas Gerais, foi escolhido para aplicação do método devido a suas características geomorfológicas e a sua amplitude altimétrica. O resultado do mapa bivariado

apresentado mostrou equivalência com outras propostas aplicadas existentes na literatura brasileira, com boa precisão e correlação espacial, principalmente onde a dissecação é “muito forte”. A vantagem dessa metodologia é a universalidade, pois sua aplicação independe da base de dados utilizada e prescinde da interferência do tomador de decisões, a partir do modelo digital de elevação (MDE) de qualquer região geográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Roberto Mantovani, Universidade Federal de Goiás/UFG - Instituto de Estudos Socioambientais/IESA

Graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2012) - Bacharelado e Licenciatura. Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), atualmente faz parte do programa de pós-graduação em Geografia, nível de Doutorado, na Universidade Federal de Goiás (UFG), no Instituto de Estudos Socioambientais (IESA). 

Guilherme Taitson Bueno, Universidade Federal de Goiás/Instituto de Estudos Socioambientais

Professor do Curso de Graduação em Geografia, do Curso de Graduação em Ciências Ambientais e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Goiás - UFG. Mestrado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e doutorado em co-tutela em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Campus Rio Claro-SP, e em Sciences de la Terre pelo Institut de Physique du Globe de Paris (2009). 

Referências

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Secretária-geral. Projeto Radambrasil. Folha SF.23/24 Rio de Janeiro/Vitória: geologia, geomorfologia, solos, vegetação e uso potencial da terra, Rio de Janeiro. 1983c.
CREPANI, E. et al. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: Inpe, 2001.
DE OLIVEIRA; RODRIGUES. Cartografia do relevo: um estudo aplicado na região oeste de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geomorfologia-Ano, v. 8, n. 2, 2007.
DNPM – Departamento Nacional de produção mineral. Anuário Mineral Brasileiro. Brasília, 2019.
DEVICARI, L. F. O modelado de dissecação do relevo como fator topográfico na equação universal de perda de solo aplicado ao município de São Pedro do Sul - RS. Dissertação de mestrado. Santa Maria - RS, 2009. 127 p.
GUIMARÃES, F. S. et al. Uma proposta para automatização do Índice de dissecação do relevo. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 18, n. 1, 2017.
IBGE. Manual técnico de geomorfologia / Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Manuais técnicos em Geociências, ISSN 0103-9598; n. 5. 2. Ed. - Rio de Janeiro: IBGE, 189 p. 2009.
LEITE, E. F. Caracterização, Diagnóstico e Zoneamento Ambiental: O Exemplo da Bacia Hidrográfica do Rio Formiga–TO. 2011. Tese de Doutorado. Tese. (Doutorado em Geografia), 228 p. Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Geografia. Uberlândia. 2011.
QUEIROZ NETO, J. P. de – Para o estabelecimento de cartas do meio ambiente. S/d.
RODRIGUES, S. C. Mapa geomorfológico do triângulo mineiro: uma abordagem morfoestrutural - escultural. Sociedade e Natureza. n. 13, v. 25, p. 115-127, 2001.
ROSS. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais antropizados. Revista do departamento de geografia, v. 8, p. 63-74, 1994.
STEVENS, J. Bivariate Choropleth Maps: A How-to Guide. February 18, 2015.
SPORL, C. Metodologia para elaboração de modelos de fragilidade ambiental utilizando redes neurais. 2007. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

Publicado

2021-04-20

Como Citar

MANTOVANI, J. R.; BUENO, G. T. Uma proposta metodológica para mapear a dissecação do relevo e aplicá-la no Parque Nacional da Serra da Canastra-MG. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 25, n. 1, p. e-170745, 2021. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2021.170745. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/170745. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos