As retomadas (tekoharã) no Mato Grosso do Sul e o enfrentamento à lógica de financeirização do território

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2022.173989

Palavras-chave:

Financeirização do território, resistências indígenas, retomada (tekoharã), propriedade privada da terra, Kaiowá e Guarani

Resumo

O trabalho centra sua análise na propriedade privada, nas dinâmicas agrícola e de financeirização da terra em Mato Grosso do Sul, partindo da premissa de que o Estado tem sido o principal agente legitimador do processo de apropriação das terras dos povos originários concorrendo  com as formas de luta na recuperação de seus territórios tradicionais. O trabalho inicia-se com uma breve contextualização etnohistórico-geográfica dos Kaiowá e Guarani frente ao processo de constituição da propriedade privada da terra, no processo de incorporação e consolidação dessa fração do espaço ao Estado Nacional e como se estabelecem as determinações territoriais, compreendendo as determinações como estado e movimento das práticas socioespaciais dos sujeitos na consolidação da hegemonia e dos projetos resistências. Conclui-se que em oposição a forma valor, centralidade das determinações territoriais do agronegócio, engendra-se as retomadas (tekoharã) que representam o enfrentamento, a resistência,  dos povos originários ao projeto genocida do Estado-capital.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Gilberto de Souza, Universidade Estadual Paulista. Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Rio Claro. São Paulo. Brasil

Professor Associado do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE) - Unesp - Câmpus Rio Claro. Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial da América Latina e Caribe do Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais (IPPRI/UNESP- São Paulo). 

Márcia Yukari Mizusaki, Universidade Federal da Grande Dourados. Faculdade de Ciências Humanas. Dourados. Mato Grosso do Sul. Brasil

Professora Titular da Faculdade de Ciências Humanas, nos cursos de graduação e pós-graduação em Geografia, da Universidade Federal da Grande Dourados. É coordenadora do Grupo de Estudos sobre Território e Reprodução Social (Grupo TERRHA) e coordenadora do Grupo de Trabalho Indígena, da Associação dos Geógrafos Brasileiros /Seção Dourados.

Referências

BACKES, T.R. O capital agroindustrial canavieiro no Mato Grosso do Sul e a internacionalização da produção. Dissertação (mestrado em Geografia), Faculdade de Ciências Humanas. Dourados-MS:UFGD, 2009.

BARTOMEU MELIÁ, S.J. A terra sem mal dos Guarani – economia e profecia. In: Revista de Antropologia, n. 33, 1990.

BARTOMEU MELIÁ, S.J. La novedad Guarani (viejas cuestiones y nuevas preguntas) Revisita bibliográfica (987-2002). In: Revista de Indias, 2004. V. LXIV, n. 230, p. 175-226.

BATARCE, A.P.C., MIZUSAKI, M.Y. Processos de des-re-territorialização: o acampamento Apika’y em Dourados-MS, Brasil. In: Anais do VIII Simpósio Internacional de Geografia Agrária. Curitiba: UFPR, 2017.

BORGES, A. C. G. ; SOUZA, J. G. . Território financeirizado: as determinações territoriais dos desembolsos do BNDES ao setor sucroenergético no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul - Brasil. CONFINS (PARIS), v. 1, p. 17223-17263, 2019.

BRAND, A. O confinamento e seu impacto sobre os Pai/Kaiowá. Porto Alegre: PUCRS, 1993. Dissertação (mestrado em História), IFCH, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

BRAND, A.J., FERREIRA, E.M.L., AZAMBUJA, F. de. Os kaiowá e guarani e os processos de ocupação de seu território em Mato Grosso do Sul. In: ALMEIDA, R.A. A questão agrária em Mato Grosso do Sul. Campo Grande: UFMS, 2008.

CHAMORRO, G. História Kaiowá – das origens aos desafios contemporâneos. São Bernardo do Campo: Nhanduti Editora, 2015.

CHAMORRO, G. Povos indígenas falantes no atual estado de Mato Grosso do Sul (séculos XVI-XXI). In: CHAMORRO, G., COMBÉS, I. (orgs.). Povos indígenas em Mato Grosso do Sul. Dourados/MS: Editora UFGD, 2018. P. 293-322.

CRESPE, A. C.L. Mobilidade e temporalidade Kaiowá. Do tekoha à reserva, do tekoharã ao tekoha. Tese (doutorado em História Indígena). Dourados-MS: UFGD, 2015.

DOMINGUES, A.T. A territorialização do grupo agroindustrial canavieiro Louis Dreyfus no Mato Grosso do Sul. Dissertação (mestrado em Geografia), Faculdade de Ciências Humanas. Dourados-MS: UFGD, 2010.

FONTES, V.; Capitalismo, imperialismo, movimentos sociais e lutas de classes. Em Pauta, Rio De Janeiro, v. 21, p. 23-36, 2008.

FOSTER, J. B. Ecologia de Marx: materialismo e natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO. Informação técnica DPT/2014. TI Guyraroka. Brasília, 09/10/2014.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO. Informação técnica DPT/2011. TI Guyraroka, Brasília, 25/07/2011.

MARTINS, A. M. S., CHAMORRO, G. Diversidade linguística em Mato Grosso do Sul. In: CHAMORRO, G., COMBÉS, I. (orgs.). Povos indígenas em Mato Grosso do Sul. Dourados/MS: Editora UFGD, 2018. p. 729-744.

MIZUSAKI, M. Y.; SANTOS, S. M. M. . Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: lutas e conflitos territoriais. In: PEREIRA, A.P.C; BARBOSA, J.M.; SOUZA, S.C.; KUERTEN, S.. (Org.). Geografia e suas linguagens: a construção de novas leituras sobre o espaço regional sul-mato-grossense. 1ed.Campo Grande: Life Editora, 2018, v. 3, p. 43-54.

MIZUSAKI, M.Y. Território e reestuturação produtiva na avicultura em Mato Grosso do Sul. Dourados: Editora UFGD, 2009.

MORENO, G. Terra e poder em Mato Grosso. Contextualizando cenários e personagens. Cuiabá: EDUFMT, 2007.

OLIVEIRA, F. O surgimento do antivalor. Novos Estudos CEBRAP nº 22.pp.8-28. 1988.

PEREIRA, L.M. Parentesco e organização social Kaiowá. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Campinas: UNICAMP, 1999.

PEREIRA, L.M. Demarcação de terras Kaiowa e Guarani: ocupação tradicional, reordenamentos organizacionais e gestão territorial. In: Revista Tellus. Campo Grande/MS, ano 10, n, 18, p. 115-137, 2010.

PEREIRA, L.M. Expropriação dos territórios Kaiowá e Guarani: Implicações nos processos de reprodução social e sentidos atribuídos às ações para reaver territórios – tekoharã. Revista de Antropologia da UFSCar, volume 4, número 2 | julho – dezembro, SP, 2012.

PEREIRA, L.M. Mobilidade e processos de territorialização entre os kaiowá atuais. Revista História em Reflexão. V.1, nº1, 2007.

QUEIROZ, P.R.C. Uma ferrovia em xeque: a E.F. Noroeste do Brasil (1918-1956). Campo Grande: UFMS, [s.d.], mimeo. In: http://www.abphe.org.br/arquivos/paulo-roberto-cimo-queiroz_1.pdf. Acesso em 05 de agosto de 2019.

RURALISTAS PODEM OBTER ANISTIA DE DÍVIDA DE 17 BILHÕES. Jornal o Estado de São Paulo. Publicado em 18 de junho de 2019. (Capturado em 18 de agosto de 2019). Disponível em https://exame.abril.com.br/economia/ruralistas-podem-obter-anistia-de-divida-de-r-17-bilhoes/.

SILVA, M. C. T. Expansão do complexo agroindustrial e o processo de mudança no espaço de Dourados. São Paulo: USP, 1992. Dissertação (mestrado em Geografia) FFLCH, Universidade de São Paulo.

SOUZA, J.G., MIZUSAKI, M.Y. A “(re)conquista do Estado: antipolítica, agronegócio e genocídio no Brasil. Revista Okara – geografia em debate. João Pessoa-PB: UFPB, 2018. V.12, n. 2, p. 507-532.

Publicado

2022-04-28

Como Citar

SOUZA, J. G. de; MIZUSAKI, M. Y. As retomadas (tekoharã) no Mato Grosso do Sul e o enfrentamento à lógica de financeirização do território. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 26, n. 1, p. e-173989, 2022. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2022.173989. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/173989. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento