A POLÍTICA DE CONTRA-REFORMA AGRÁRIA DO BANCO MUNDIAL NO CEARÁ

Autores

  • Alexandra Maria de Oliveira Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2006.73996

Palavras-chave:

contra-reforma agrária, “reforma agrária de mercado”, camponeses, assentamentos, Ceará.

Resumo

renda capitalizada da terra por proprietários de terras rentistas. Os assentamentos enquanto Este artigo analisa a política de crédito fundiário no Ceará praticada pelos governos estadual e federal, em parceria com o Banco Mundial, a partir de 1996. A forma pela qual o Estado foi levado a dar início e desenvolver a “reforma agrária de mercado” no Ceará, recoloca problemas importantes, tais como: a questão da reforma agrária e o acesso à terra pelos sem terra, e o problema da estrutura fundiária no Ceará e no Nordeste. A reflexão sobre a contra-reforma agrária do Banco Mundial passa pela discussão acerca da concepção do desenvolvimento territorial contraditório (desigual e combinado) no interior da Geografia Agrária. A pesquisa foi desenvolvida a partir de estudo realizado em oito assentamentos criados em decorrência dos projetos São José e Cédula da Terra. A implementação da “reforma agrária de mercado” no Ceará traz consigo o re-significado da apropriação da frações do território conquistado, constituíram, por sua vez, em uma forma de propriedade diferente da propriedade privada capitalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandra Maria de Oliveira, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Doutora em Geografia Humana pela Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo

Downloads

Publicado

2006-12-30

Como Citar

OLIVEIRA, A. M. de. A POLÍTICA DE CONTRA-REFORMA AGRÁRIA DO BANCO MUNDIAL NO CEARÁ. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 10, n. 2, p. 151-175, 2006. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2006.73996. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/73996. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos