A teoria do “desenvolvimento fragmentador”

  • Fred Scholz
  • Paul Sutermeister Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Fragmentação socioespacial, Geografia do desenvolvimento, Globalização, Novo Sul, Segunda modernidade

Resumo

O pensamento desenvolvimentista do passado era dominado pela ideia de que o subdesenvolvimento do Terceiro Mundo poderia ser superado mediante ajuda técnica, financeira e pessoal dos países do Norte. A meta era alcançar o nível de desenvolvimento dos países ocidentais industrializados por meio de um desenvolvimento retardatário. Na base dessa ideia estava, por um lado, o consenso de valores ocidental-humanitários, que, o mais tardar desde a época do Esclarecimento, determinou o pensar e o devir social. Por outro lado, a ideia baseou-se na responsabilidade histórica (surgida das condições da Guerra Fria, aceita política e socialmente) do "Ocidente" para com os chamados países em desenvolvimento, na sua maioria ex-colônias. Argumenta-se, neste artigo, que a ideia de um desenvolvimento retardatário deve, na era da globalização, ser substituída pelo fato de um desenvolvimento fragmentador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paul Sutermeister, Universidade de São Paulo
Mestrando em Geografia Humana na Universidade de São Paulo
Publicado
2010-04-30
Como Citar
Scholz, F., & Sutermeister, P. (2010). A teoria do “desenvolvimento fragmentador”. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), (27), 134-144. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2010.74159
Seção
Artigos