O Curso de Geografia Física de Imannuel Kant e a construção metafísica da superfície da Terra

Autores

  • Antonio Carlos Vitte Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências. Departamento de Geografia
  • Alexandre Domingues Ribas Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Departamento de Geografia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2011.74187

Palavras-chave:

Filosofia Kantiana, Geografia Física, Metafísica, Espaço, Razão, Natureza

Resumo

O presente artigo argumenta que o curso de geografia física de Imannuel Kant é o produto de uma reflexão filosófica e cosmológica, devido a problemática em se estabelecer a regularidade da natureza que é espacialmente diferenciada e regulada por fundamentos mecânicos e causais. A partir de problemas filosóficos relacionados às teses desenvolvidas na Crítica da Razão Pura, a partir de críticas advindas dos viajantes e naturalista sobre a sua concepção de universalidade do conceito de natureza e sobre a sua concepção de espaço; Kant é obrigado a rever sua posição filosófica, que acontecerá somente a partir de uma profunda revisão dos conceitos de metafísica, matéria, espaço e natureza. O espaço, agora, não mais ideal, passa a ser a categoria estruturante do mundo empírico, onde a geografia é qualificada como a ciência do espaço, a partir de uma reflexão metafísica sobre a natureza e Terra, erguendo assim as bases para uma filosofia da geografia na modernidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-12-30

Como Citar

VITTE, A. C.; RIBAS, A. D. O Curso de Geografia Física de Imannuel Kant e a construção metafísica da superfície da Terra. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 15, n. 1, p. 59-79, 2011. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2011.74187. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74187. Acesso em: 6 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos