CARACTERIZAÇÃO DA IDENTIDADE MORFOLÓGICA DO ESPAÇO ARQUITETÔNICO DE UMA HABITAÇÃO EVOLUTIVA

Autores

  • Sonia Santos de Alencar Ludovico Universidade Federal De Mato Grosso
  • Douglas Queiroz Brandão Universidade Federal De Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.11606/gtp.v13i1.114463

Palavras-chave:

Gramática da Forma, Habitação Evolutiva, Morfologia, Qualidade do Projeto Habitacional

Resumo

Este artigo trata da análise morfológica do arranjo espacial arquitetônico de uma habitação projetada para um condomínio horizontal na cidade de Cuiabá, Mato Grosso. Refere-se a um trabalho desenvolvido no âmbito do Grupo Multidisciplinar de Estudos da Habitação, da Universidade Federal de Mato Grosso. Entre alguns fatores que imprimem características de qualidade a uma habitação estão a flexibilidade e a ampliabilidade (capacidade evolutiva), e a condição para isso ocorrer depende inteiramente da forma gerada no projeto. Considerando que a configuração geométrica dos espaços projetados resulta ou não em uma forma que potencializa a capacidade evolutiva, o dinamismo e a longevidade da habitação, este artigo procura mostrar, através da aplicação da metodologia da gramática da forma, a decomposição da planta arquitetônica de uma habitação. A aplicação dessa metodologia possibilitou identificar o vocabulário das formas emergentes do processo conceptivo, avaliar o tipo de flexibilidade proposta nos projetos como um quesito de qualidade projetual e detectar o potencial evolutivo da habitação. Como resultado das análises realizadas, constatou-se que a conformidade com os critérios de qualidade de projeto é determinada através da habilidade e visão do projetista de prever condições que possibilitem e favoreçam a aplicação dos princípios de qualidade projetual. No caso estudado, aspectos como a capacidade de expansão da habitação, observada através do seu potencial evolutivo, e a possibilidade de expansão e flexibilidade contínua da moradia foram identificados e analisados no projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sonia Santos de Alencar Ludovico, Universidade Federal De Mato Grosso

Arquiteta e Urbanista. Acadêmica do Programa de Mestrado em Engenharia de Edificações e Ambiental da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Douglas Queiroz Brandão, Universidade Federal De Mato Grosso

Graduado em Engenharia Civil. Professor Associado do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal De Mato Grosso (UFMT). Mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) (1997). Doutor em Engenha­ria de Produção pela UFSC (2002). Pesquisador-líder do Grupo Multidisciplinar de Estudos da Habitação (GHA).

Referências

BRANDÃO, D. Q. Disposições técnicas e diretrizes para projeto de habitações sociais evolutivas. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 73-96, 2011.

______. Habitação social evolutiva: aspectos construtivos, diretrizes para projetos e preposição de arranjos espaciais flexíveis. Cuiabá: CEFET-MT, 2006. 94 p.

BRANDÃO, D. Q.; HEINECK, L. F. M. Estratégias de flexibilização de projetos residenciais iniciadas na década de 1990 no Brasil: tão somente um recurso mercadológico? Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 7, n. 4, p. 71-87, 2007.

______. Significado multidimensional e dinâmico do morar: compreendendo as modificações na fase de uso e propondo flexibilidade nas habitações sociais. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 3, n. 4, p. 35-48, 2003.

CELANI, G.; CYPRIANO, D.; GODÓI, G.; VAZ, C. E. V. A gramática da forma como metodologia de análise e síntese em arquitetura. Conexão, Caxias do Sul, v. 5, p. 15-20, 2006.

DUARTE, J. P. Da produção em série à personalização em série. In: ______. Personalizar a habitação em série: uma gramática discursiva para as Casas da Malagueira do Siza. Lisboa: FCG: FCT, 2007.

GALFETTI, G. G. Model apartments: experimental domestic cells. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1997.

KNIGHT, T. W. Color grammars: the representation of form and color in design. Leonardo, Oakland, v. 26, n. 2, p. 117-124, 1993.

______. Shape grammars and color grammars in design. Environment and Planning B, Thousand Oaks, v. 21, n. 6, p. 705-735, 1994.

KOWALTOWSKI, D. C. C. K. et al. Reflexões sobre metodologias de projeto arquitetônico. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 7-19, 2006.

LUDOVICO, S. S. A. Caracterização morfológica do espaço arquitetônico de habitações concebidas para condomínios horizontais. 2014. 130 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Edificações e Ambiental) – Faculdade de Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2014.

MORAIS, M.; SANTOS, L. G. M.; PINA, S. A. M. G. A leitura da gramática da forma do conjunto habitacional Campinas F da CDHU em Campinas. Gestão e Tecnologia de Projetos, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 23-36, jul./dez. 2014.

MUSSI, A. Q. Projeto de HIS Evolutiva: gramática da forma para ampliação da unidade habitacional mínima. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO PROJETO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2., 2011, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: Proarq/ UFRJ, 2011. p. 1-11.

PINA, S. A. M. G.; KOWALTOWSKI, D. C. C. K. Arquiteturas do morar: comportamento e espaço concreto. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PSICOLOGIA E PROJETO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2000, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: UFRN, 2000. p. 482-491.

ROSSO, T. Racionalização da construção. 1. ed. São Paulo: USP; FAU, 1980. 300 p.

UNWIN, S. A análise da arquitetura. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013. 276 p.

VERKERK, N. M. A general understanding of shape grammar for the application in architectural design. 2014. 51 s. Graduate thesis (Master in Architecture) – Technical University of Delft, Faculty of Architecture, Urbanism and Building Sciences, Netherlands, March 2014.

Downloads

Publicado

2018-02-01

Como Citar

Ludovico, S. S. de A., & Brandão, D. Q. (2018). CARACTERIZAÇÃO DA IDENTIDADE MORFOLÓGICA DO ESPAÇO ARQUITETÔNICO DE UMA HABITAÇÃO EVOLUTIVA. Gestão & Tecnologia De Projetos, 13(1), 39-58. https://doi.org/10.11606/gtp.v13i1.114463

Edição

Seção

Artigos