Análise de modelos de maturidade para medição da implementação do Building Information Modeling (BIM)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/gtp.v16i2.167253

Palavras-chave:

Métricas de avaliação, Implementação, Mensuração

Resumo

O Building Information Modeling (BIM) é considerado uma inovação disruptiva, pois modifica profundamente as soluções técnicas de uma organização. A implementação desta inovação, no entanto, é repleta de desafios. Avaliar o desenvolvimento da implementação BIM pela medição da maturidade pode auxiliar as organizações, que passam a conhecer as próprias competências e a identificar os próximos passos evolutivos. Porém, diante de diversos modelos de maturidade desenvolvidos internacionalmente, não há estudos que comprovem a aplicabilidade dessas ferramentas no contexto brasileiro. Desta forma, a presente pesquisa objetiva analisar três modelos - BIM Assessment Profile, BIM Maturity Matrix e VDC Scorecard - para disseminar o uso dessas ferramentas. Procedimentos comparativos e de estudos de campo foram os métodos de pesquisa utilizados.  Os modelos foram examinados com base na análise das métricas e dos princípios básicos, aplicados em nove organizações da AEC de Curitiba-PR, distinguidas as particularidades de aplicação, e por fim, foram apontadas as características de qualidade de cada um. Os resultados mostram que todos apresentam questões processuais, técnicas e de pessoas. O BIM Assessment Profile apresenta qualidades básicas, simples e flexíveis, adequado a organizações que estão em estágios iniciais de adoção do BIM. O BIM Maturity Matrix, também de caráter básico, simples e flexível, é indicado para organizações pequenas ou médias. Já o VDC Scorecard, o mais complexo, apresenta características básicas, descritivas e prescritivas, e apesar de ser o menos flexível, é o mais abrangente. As aplicações práticas geraram resultados ao identificar o grau de maturidade BIM das empresas e projetos avaliados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana de Oliveira Lima, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Mestre em engenharia civil pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), atualmente trabalha como especialista BIM na Aiza Engenharia desenvolvendo projetos de construção a seco. Além disso, é coordenadora dos cursos de engenharia civil e arquitetura e urbanismo semipresenciais e design de interiores EAD do Unibrasil Centro Universitário. Pesquisadora do BIM há seis anos, estudou sistemas avaliativos de medição de maturidade BIM e perdas de informações entre softwares BIM. Trabalhou como instrutora em escolas de treinamento certificadas pela Autodesk, como o SENAC PR, ministrando cursos de Revit, AutoCAD, e outros softwares da área de construção civil. Possui experiência em treinamento de Revit in company, foi projetista de estruturas em concreto armado e trabalhou com planejamento de obras em construtora renomada de Curitiba. 

Rodrigo Eduardo Catai, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Possui Graduação em Engenharia Mecânica pela UNESP - Campus de Bauru (2001), Especialização em Eng. de Segurança do Trabalho pela UNESP - Campus de Bauru (2003) e Doutorado em Engenharia Mecânica pela UNESP - Campus de Guaratinguetá (2004). Atualmente é Professor Associado II da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, ministrando aulas para o Curso de Graduação em Engenharia de Produção Civil e Engenharia Civil, Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho, Especialização em Patologias das Construções, Especialização em Engenharia de Produção e Especialização em Ergonomia. Orienta alunos de iniciação científica (CNPq) da graduação e do ensino médio (PIBIC-Júnior), alunos de Especialização, Mestrado e Doutorado. Atuou de 11/2016 a 02/2018 na na Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação como Coordenador dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da UTFPR e atualmente é Diretor de Pesquisa da UTFPR. Atua ainda como Coordenador do Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho da UTFPR - Câmpus Curitiba desde 2006. Foi Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (Mestrado) de 2009 a 2014, foi Coordenador dos Cursos de Engenharia de Produção Civil e Engenharia Civil de 02/2014 a 10/2016 e foi membro do Conselho do Departamento Acadêmico de Construção Civil (2006 a 2016). Foi membro suplente do Conselho Universitário da UTFPR (03/2014 a 02/2018) e atualmente é membro efetivo deste mesmo Conselho desde 03/2018. É membro do Conselho do Mestrado em Engenharia Civil (desde 2009) e do Conselho de Graduação da UTFPR (desde 2014). Orienta pesquisas científicas e tecnológicas voltadas para as temáticas: segurança do trabalho, ergonomia, acústica, reaproveitamento de materiais e resíduos, e otimização de processos. É bolsista de Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico do CNPQ desde 2013.

Sergio Scheer, Programa de Pós-graduação em Engenharia de Construção Civil - Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Sergio Scheer é Consultor Associado da Academic Ventures e prossegue atuando como Pesquisador Líder e Professor Sênior no Centro de Estudos de Engenharia Civil da Universidade Federal do Paraná onde foi Professor Titular com atividades de agosto de 1981 até abril de 2017. Tem graduação em Engenharia Civil (UFPR, 1980) e mestrado em Engenharia Civil - Estrutruras (UFRGS, 1982). Concluiu o doutorado em Informática/Computação Gráfica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em 1993. De outubro/2014 a setembro/2015 realizou estágio pós-doutoral (Visiting Scholar) no Center for Integrated Facility Engineering (CIFE) da Universidade de Stanford na Califórnia. Atua com regularidade como Consultor ad hoc da CAPES, CNPq, FINEP, Fundação Araucária no Paraná, FAPEMIG, FACEPE e FAPESP. Especialista nomeado para a Comissão Ad Hoc de Infraestrutura Tecnológica do Comitê Estratégico de Implantação de BIM no Governo Federal (CE-BIM - nov/2017 a jun/2018). Na Universidade Federal do Paraná exerceu cargos administrativos relevantes como o de Diretor do Centro de Computação (1994-1998), Diretor do Centro de Estudos de Engenharia Civil (1989-1995 e 1998-2008), Coordenador e Vice-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia (entre 2004 e 2008), Diretor Executivo da Agência de Inovação (janeiro/2009 a julho/2011) e Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação (janeiro/2009 a março/2013). É membro do ASCE Global Center of Excellence in Computing e do comitê para educação do ASCE Technical Council on Computing and Information Technology (TCCIT). É o representative member do Brasil no Board of Directors da International Society for Computing in Civil and Building Engineering (ISCCBE). Integrou o Working Committe for Information Technology (WC 6) da International Society for Bridges and Structural Engineering (IABSE) de 2001 a 2009. Foi um dos idealizadores e coordenador do Grupo de Trabalho em Tecnologia da Informação e Comunicação (GT.TIC) (2012-2017) da Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído (ANTAC) sendo o atual Presidente da ANTAC (2018-2020). Publicou 66 artigos em periódicos especializados e mais de 270 trabalhos em anais de eventos. Possui 18 capítulos de livros e 5 livros editados. Possui 8 produções técnicas em softwares e outros 10 itens de produção técnica. Orientou 58 dissertações de mestrado e sete teses de doutorado, além de ter orientado mais de 30 trabalhos de iniciação científica nas áreas de Ciência da Computação, Engenharia Civil e Tecnologias Educacionais. Recebeu 10 prêmios e homenagens. Atualmente lidera dois grupos de pesquisa e coordena quatro projetos de pesquisa, atuando em cooperação com grupos de outras universidades brasileiras e estrangeiras. Atua na área de Engenharia Civil (aplicações computacionais, ambientes virtuais para projetos colaborativos, tecnologias da informação e da comunicação (TIC) e Building Information Modeling (BIM)) e Ciência da Computação, com ênfase em Processamento Gráfico (Graphics), visualização, realidade virtual e aumentada e interfaces de colaboração. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica e tecnológica são: educação a distância, inovação, construção civil, objetos educacionais, educação de engenharia, engenharia estrutural, processo de projeto, tecnologia e modelagem da informação, BIM, trabalho colaborativo em rede, ambientes virtuais, visualização e hipermídia.

Referências

ABDI. Processo de projeto BIM: Coletânea Guias BIM ABDI-MDIC / Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. V. 1; Brasília, DF: ABDI, 2017.
BIM BR, CONSTRUÇÃO INTELIGENTE. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, 2018.
BRASIL. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Estratégia nacional de disseminação do BIM - Estratégia BIM BR. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/index.php/competitividade-industrial/ce-bim. Acesso em: set. 2018.
COMPUTER INTEGRATED CONSTRUCTION RESEARCH PROGRAM (CIC). BIM Planning Guide for Facility Owners. Version 2.0, June, The Pennsylvania State University, University Park, PA, USA, 2013.
EADIE, R.; BROWNE, M.; ODEYINKA, H.; MCKEOWN, C.; MCNIFF, S. A survey of current status of and perceived changes required for BIM adoption in the UK. Built Environment Project and Asset Management, v. 5, i. 1, fev. 2015.
EASTMAN, Chuck; TEICHOLZ, Paul; SACKS, Rafael; LISTON, Kathleen. Manual de BIM: Um guia de modelagem da informação da construção para arquitetos, engenheiros, gerentes, construtores e incorporadores. Porto Alegre: Bookman, 2014.
FEITOSA, Artur. Implantação ou Implementação BIM?. BIM Experts, abr. 2019. Disponível em: https://www.bimexperts.com.br/post/implantacao-ou-implementacao-bim. Acesso em: jul. 2019.
GHAFFARIANHOSEINI, Ali; TOOKEY, John; GHAFFARIANHOSEINI, Amirhosein; NAISMITH, Nicola; AZHAR, Salman; EFIMOVA, Olia; RAAHEMIFAR, Kaamran. Building Information Modelling (BIM) uptake: Clear benefits, understanding its implementation, risks and challenges. Automation in Construction, v. 75, p. 1046-1053, ago. 2017.
GIEL, Brittany; ISSA, Raja R.A. Framework for Evaluating the BIM Competencies of Facility Owners. Journal of Management in Engineering, v. 32, n. 1, jan. 2016.
GU, Ning; LONDON, Kerry. Understanding and facilitating BIM adoption in the AEC industry. Automation in Construction, v.19, n.8, p. 988-999, dez. 2010.
KAM, Calvin; SENARATNA, Devini; MCKINNEY, Brian; XIAO, Yao; SONG, Min H. The VDC Scorecard: Formulation and Validation. CIFE Working Paper #WP135. Stanford University, 2013.
KASSEM, Mohamad; AMORIM, Sergio R. L. BIM Building Information Modeling no Brasil e na União Europeia. Apoio aos Diálogos Setoriais EU-Brasil, Fase III. Brasília, 2015.
KHOSHGOFTAR, Mohammad; OSMAN, Omar. Comparison of Maturity Models. Proceedings of Computer Science and Information Technology, 2009.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina A. Fundamentos da Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.
LIANG, Cong; LU, Weisheng; ROWLINSON, Steve; ZHANG, Xiaoling. Development of a Multifunctional BIM Maturity Model. Journal of Construction Engineering and Management, v. 142, n. 11, 2016.
MACHADO, Fernanda A.; RUSCHEL, Regina C.; SCHEER, Sergio. Análise da produção científica brasileira sobre a Modelagem da Informação da Construção. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 17, n. 4, p. 359-384, out./dez. 2017.
MCGRAW-HILL Construction. The Business value of BIM for construction in Major Global Markets. Nova York: Smart Market Report, 2014.
MOODY, Daniel L.; SHANKS, Graeme G. What makes a good data model?
Evaluating the quality of entity relationship models. International Conference on
Conceptual Modeling. p. 94-111, 1994.
NBS. International BIM Report 2016. Feb. 2016.
NIBS (National Institute of Building Sciences). National building information modeling standard, v.3. Chapter 5.2 – Minimum BIM, Washington, DC, 2015.
PAULK, Mark C.; CURTIS, Bill; CHRISSIS, Mary B.; WEBER, Charles V. Capability Maturity Model for Software, Version 1.1. Software Engineering Institute. Carnegie Mellon University, 1993.
PÖPPELBUß, Jens; RÖGLINGER, Maximilian. What makes a useful maturity model? A framework of general design principles for maturity models and its demonstration in business process management. European Conference on Information Systems (ECIS) 2011 Proceedings. v. 28, 2011.
PORTUGUÊS. Implantação e Implementação. Disponível em: https://www.portugues.com.br/gramatica/implantacao-implementacao.html. Acesso em: jul. 2019.
SEBRAE. Anuário do trabalho na micro e pequena empresa. 6. Ed. São Paulo: Dieese, 2013.
SUCCAR, Bilal. Building Information Modelling Maturity Matrix. Handbook of Research on Building Information Modeling and Construction Informatics: Concepts and Technologies. IGI, p.65-103, 2010.
SUCCAR, Bilal; KASSEM, Mohamad. Building Information Modelling: Point of Adoption. CIB World Congress, Tampere Finland, 30 mai./ 3 jun., 2016.
SUCCAR, Bilal; SHER, Willy; WILLIAMS, Anthony. Measuring BIM Performance: Five Metrics. Architectural Engineering and Design Management, v. 8, n. 2, p. 120-142, 2012.
WU, Chengke; XU, Bo; MAO, Chao; LI, Xiao. Overview of BIM Maturity Measurement Tools. Journal of Information Technology in Construction (ITcon), v. 22, p. 34-62, 2017.
WU, Wei; MAYO, Glenda; MCCUEN, Tamera L.; ISSA, Raja R. A.; SMITH, Dana K. Building Information Modeling Body of Knowledge. I: Background, Framework, and Initial Development. Journal of Construction Engineering and Management, v.144, n.8, 2018.

Downloads

Publicado

2021-03-12

Como Citar

Lima, L. de O., Catai, R. E., & Scheer, S. (2021). Análise de modelos de maturidade para medição da implementação do Building Information Modeling (BIM). Gestão & Tecnologia De Projetos, 16(2), 133-147. https://doi.org/10.11606/gtp.v16i2.167253