Uso do SIG para o cadastro do patrimônio urbano: o Quadrilátero Central de Ribeirão Preto (SP)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/gtp.v16i3.171819

Palavras-chave:

Inventário, Preservação de Bens Culturais, Patrimônio Cultural

Resumo

Este artigo objetiva apresentar a sistemática de cadastro de edificações de interesse histórico do Quadrilátero Central de Ribeirão Preto (SP) por meio de Sistema de Informação Geográfica (SIG), com destaque para a inclusão das arquiteturas menores. O interesse pela preservação destas arquiteturas remonta ao ambiente italiano do final do século XIX, quando se discutiam as estratégias de proteção das ambiências pitorescas. Ganhou relevância com a Carta de Veneza, em 1964, que considerou como monumentos históricos não apenas as criações arquitetônicas grandiosas e isoladas, como também as obras modestas. No Quadrilátero Central, onde teve início a ocupação urbana, está concentrada a maior parte do patrimônio cultural tombado do município. Dentre as edificações tombadas, são marcantes as características monumentais, associadas ao café e a personagens da elite local, contrapondo-se às características singelas das arquiteturas de caráter menor. Ambas caracterizam a área como uma paisagem histórica urbana, essencialmente heterogênea, cuja preservação demanda estudos e cadastros sistemáticos. Com o objetivo de documentar e oferecer subsídios para sua preservação, entre 2016 e 2019, foi desenvolvido o projeto “Levantamento histórico-patrimonial do Quadrilátero Central de Ribeirão Preto (SP)”. Em 2019, nesse projeto adotou-se um SIG, que possibilitou o armazenamento, a espacialização, a classificação e o processamento de grande volume de dados das edificações de interesse histórico remanescentes na paisagem. A criação desse sistema abre possibilidade de aplicação a outros recortes territoriais, tanto do próprio município quanto de outros, bem como do delineamento de estratégias de preservação a partir de parcerias entre administração pública e universidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Teresa Cirigliano Villela, Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Doutoranda do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Mestrado em Arquitetura, Tecnologia e Cidade pela Universidade Estadual de Campinas. Docente do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Barão de Mauá de Ribeirão Preto (SP).

Gustavo Nogueira Zeoti, Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto

Arquiteto e urbanista da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto - Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Mestre em Ciências Ambientais pela Universidade Federal de São Carlos. Especialização em Gestão Ambiental pela mesma universidade. Graduação em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Moura Lacerda de Ribeirão Preto (SP).

Referências

ARONOFF, S. Geographic Information Systems: A Management Perspective. Otawa: WDL Publications, 1991.

ARRUDA, A. K. T.; AMORIM, A. L. de. Heritage Information System: tecnologias digitais aplicadas ao planejamento e gestão de intervenções urbanas: um modelo conceitual. In: CONGRESO DE LA SOCIEDAD IBEROAMERICANA DE GRÁFICA DIGITAL, 14., 2010, Bogotá. SIGRADI 2010. Bogotá: Uniandes, 2010. p. 399-402. Disponível em: http://papers.cumincad.org/data/works/att/sigradi2010_399.content.pdf. Acesso em: 8 fev. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm. Acesso em: 9 fev. 2021.

BUENO, B. P. S. Arqueologia da paisagem urbana. SIG Histórico e Mercado imobiliário. Reconstituição do Centro Histórico de São Paulo (1809-1942). In: SEMINÁRIO DE HISTÓRIA DA CIDADE E DO URBANISMO, 14., 2016, São Carlos. Anais do XIV Seminário de História da Cidade e do Urbanismo - Cidade, Arquitetura e Urbanismo: Visões e Revisões do Século XX. São Carlos: IAU-USP, 2016. p. 442-455. Disponível em: https://www.iau.usp.br/shcu2016/anais/wp-content/uploads/pdfs/44.pdf. Acesso em: 9 fev. 2021.

BURKE, P. A Revolução Francesa da historiografia: a Escola dos Annales 1929-1989. 2 ed. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 1992.

CABRAL, R. C. A noção de “ambiente” em Gustavo Giovannoni e as leis de tutela do patrimônio cultural na Itália. 2013. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2013. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102132/tde-25062014-093621/pt-br.php. Acesso em: 9 fev. 2021.

CALIL JUNIOR, O. O Centro de Ribeirão Preto: os processos de expansão e setorização. 2003. Dissertação (Mestrado em Arquitetura). EESC - USP, São Carlos, 2003.

CANIGGIA, G.; MAFFEI, G. L. Tipologia de la edificación. Estructura del espacio antropico. Tradução: Margarita Garda Galán. Madrid: Celeste Ediciones, 1995.

CERVELATTI, P. L.; SCANNAVINI, R. Bolonia. Politica y Metodologia de la Restauración de Centros Históricos. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1976.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. Tradução: Luciano Vieira Machado. 3 ed. São Paulo: Estação Liberdade, UNESP, 2006.

CONSELHO DA EUROPA. Congresso do Patrimônio Arquitetônico Europeu. Declaração de Amsterdã. Amsterdã: Conselho da Europa, 1975. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Declaracao%20de%20Amsterda%CC%83%201975.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

GAUTHIEZ, B. Lyon, das fontes escritas ao SIG histórico - método e exemplos de aplicação. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 64, p. 21-50, ago. 2016. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/119563. Acesso em: 20 dez. 2020.

GIOVANNONI, G. Textos escolhidos. Tradução: Beatriz Mugayar Kühl. Cotia: Ateliê Editorial, 2013.

ICOMOS. Carta de Veneza. Carta para a Conservação e Restauração de Monumentos e Sítios (1964). Veneza: ICOMOS, 1964. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Veneza%201964.pdf. Acesso em: 29 fev. 2020.

INVENTÁRIO Nacional de Referências Culturais: manual de aplicação. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2000. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Manual_do_INRC.pdf. Acesso em: 9 fev. 2021.

MOTTA, L. Patrimônio Urbano e Memória Social: práticas discursivas e seletivas de preservação cultural - 1975 a 1990. 2000. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Documento) - Programa de Pós-Graduação em Memória Social, Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/handle/unirio/12610. Acesso em: 13 jun. 2020.

PANERAI, P. Análise Urbana. Tradução: Francisco Leitão. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2006.

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO. Lei Complementar nº 2.157, de 8 de janeiro de 2007. Dispõe sobre o Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo no Município de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto: Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, 2007. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/legislacao-municipal/pesquisa.xhtml?lei=21377. Acesso em: 17 mar. 2020.

RIEGL, A. O culto moderno dos monumentos: a sua essência e a sua origem. Tradução: Wener R. Davidsohn; Anat Fabel. São Paulo: Perspectiva, 2014.

RUBINO, S. O mapa do Brasil passado. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 24, p. 96-105, 1996. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/RevPat24.pdf. Acesso em: 7 jun. 2020.

TOSCO, Carlo. Il paesaggio come storia. Bologna: Società Editriceil Mulino, 2017. E-book.

UNESCO. Recomendação sobre a Paisagem Histórica Urbana. Paris: UNESCO, 2011. Disponível em: https://www.unescoportugal.mne.pt/images/cultura/recomendacao_sobre_a_paisagem_historica_urbana_unesco_2011.pdf. Acesso em: 25 maio 2020.

WAISMAN, M. O interior da História: historiografia arquitetônica para uso de latino-americanos. Tradução: Anita Di Marco. São Paulo: Perspectiva, 2013.

WEIMER, G. Arquitetura popular brasileira. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Downloads

Publicado

2021-08-23

Como Citar

Villela, A. T. C., & Zeoti, G. N. (2021). Uso do SIG para o cadastro do patrimônio urbano: o Quadrilátero Central de Ribeirão Preto (SP). Gestão & Tecnologia De Projetos, 16(3). https://doi.org/10.11606/gtp.v16i3.171819