Agricultores como sujeitos da produção do território-patrimônio: ensaio metodológico em propriedades familiares na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte/SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/gtp.v16i3.174766

Palavras-chave:

Sensoriamento remoto, Análise espacial de dados, Uso e cobertura da terra, Gestão territorial

Resumo

 Elaborar cartografias que representem as potências dos lugares, com abordagem territorial do patrimônio, auxilia no planejamento territorial em escala regional. Na perspectiva da Escola Territorialista Italiana, identifica-se valores patrimoniais presentes no território de acordo com regras de formação histórica e geográfica. Assim, o objetivo principal deste artigo é investigar a relação dos agricultores familiares como "produtores do território" em espaços abertos. O foco da análise são tipos de produção agrícola de média e pequena escala e pecuária, e caracterizar estruturas familiares dos produtores, em toda sub-região 2, componente da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN). Investigou-se esses agentes por meio de consulta aos dados censitários do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referentes ao Censo Agropecuário de 2017 e Censo Demográfico de 2010 para aplicação de técnicas de análise de dados espaciais. Associado aos procedimentos de processamento digital de imagens de sensoriamento remoto do satélite CBERS-4, e classificação dos padrões de uso e cobertura da terra presentes em três grupos de municípios subdivididos de acordo com as características do relevo. Identificou-se a distribuição espacial das propriedades familiares a partir da técnica de regionalização baseada na composição dos arranjos familiares, nucleares e anaparentais, e atividades produtivas observadas sob unidade dos setores censitários. Espera-se que a representação cartográfica desses agentes contribua para reintegrar a força produtiva e revalorizar locais de produção familiar. Com o objetivo de desenvolver estratégias para a gestão e construção de ordenamento territorial inclusivo, considerando valores patrimoniais, características socioculturais e ambientais presentes no território. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nayla Ingrid Ramos Martins, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Mestranda em Sensoriamento Remoto no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), integra o Laboratório de investigação em Sistemas Socioambientais (LiSS - OBT/INPE). Bacharel em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Taubaté (2014-2018). Participou de extensão universitária como bolsista do Núcleo de Preservação do Patrimônio Cultural - NPPC por 4 anos e 8 meses (2014-2018), na Universidade de Taubaté. Desenvolvimento de 9 (nove) projetos na área de restauração arquitetônica e preservação do patrimônio cultural, com o grupo de pesquisa NPPC - UNITAU. Recebeu 3 (três) prêmios em apresentações de iniciação científica nos XI e XII SEMEX (Seminário de extensão), V e VI CICTED (Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento). Participou por meio do Convênio Internacional entre a Universidade de Taubaté e Politécnica de Bari do IX International Summer School, Survey for Planning: New Technologies and Land Protection, H2O = LIFE, realizado em Alberobello (BA), Puglia, Itália (2018).

Antonio Miguel Vieira Monteiro, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Espiríto Santo (UFES), com Mestrado em Computação Aplicada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, e Doutorado pelo Centro de Ciências Espacias (Space Science Centre) da Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas ( School of Engineering and Applied Sciences ) da Universidade de Sussex (The University of Sussex at Brighton) em Engenharia Eletrônica e Controle/Ciência da Computação (Electronic Engineering and Control/Computer Science - EECS), obtido em outubro de 1993. Desde abril de 1985 está na Divisão de Processamento de Imagens – DPI do INPE. Trabalha com a construção de indicadores geograficamente sensíveis e o uso de geotecnologias e métodos da análise espacial nos estudos de problemas urbanos e de saúde pública. O foco atual está no uso de modelos e simulação computacional como objetos mediadores para estudos de dinâmicas de desigualdades socioterritoriais.

É orientador nos programas de Computação Aplicada, de Sensoriamento Remoto e de Ciência do Sistema Terrestre do INPE. Atualmente é Coordenador do Programa Institucional Espaço e Sociedade do INPE e Coordena o LiSS - Laboratório de investigação em Sistemas Socioambientais na Área de Observação da Terra no INPE.

Renata Hermanny de Almeida, Universidade Federal do Espírito Santo

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (1986), possui Mestrado em Arquitetura e Urbanismo, na área de concentração Conservação e Restauro, pela Universidade Federal da Bahia (1993), e Doutorado em Arquitetura e Urbanismo, na área de concentração Teoria e Prática da Conservação e Restauro, pela Universidade Federal da Bahia (2005), tendo realizado Doutorado Sanduiche no Exterior, junto à Universitat Politècnica de Catalunya (2002-2003). É Professor Associado da Universidade Federal do Espírito Santo, atuando junto ao Departamento de Arquitetura e Urbanismo (1992- ), e ao Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, em nível de Mestrado (2007-); e como coordenadora do Laboratório Patrimônio & Desenvolvimento - Patri_Lab (2009 -). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo, Conservação e Restauro, Projeto de Arquitetura e Urbanismo, Patrimônio, Gestão e Sustentabilidade, Intervenção urbano-arquitetônica. Desde 2018 é coordenadora do Núcleo Estadual ICOMOS Espírito Santo.

Tathiane Mayumi Anazawa, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Pesquisadora em estágio pós-doutoral pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (bolsista FAPESP) Possui graduação em Bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2007), mestrado em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (2012) e doutorado em Demografia pela Universidade Estadual de Campinas (2017). Atualmente é pesquisadora junto ao LiSS - Laboratório de investigação em Sistemas Socioambientais (INPE). Tem experiência na área de indicadores, geoprocessamento e abordagens metodológicas qualitativas e quantitativas, atuando principalmente nos seguintes temas: vulnerabilidade, indicadores territoriais, população e ambiente.

Referências

ALVES, José Eustáquio Diniz; CAVENAGHI, Suzana. Tendências demográficas, dos domicílios e das famílias no Brasil. Aparte: inclusão social em debate, v. 24, p. 1-33, 2012.

ANAZAWA, Tathiane Mayumi. A potência das representações: a Trama Verde e Azul e a Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte em São Paulo. Projeto de Pesquisa FAPESP, 2018.

ANDRADE, Bruno A., ALMEIDA, Renata Hermanny de. Patrick Geddes e a Escola Territorialista italiana: aproximações conceituais e metodológicas. Reflexões a partir da participação de crianças na representação de valores patrimoniais da cidade de Santa Leopoldina – ES / Brasil. Revista FAU USP, v.23 n.39, p.120-137, junho 2016. DOI: 10.11606/issn.2317-2762.v23i39p120-137.

ASSUNÇÃO, Renato M.; LAGE, Juliano P.; REIS, Edna A. Análise de conglomerados espaciais via árvore geradora mínima. Revista Brasileira de Estatística, v. 63, n. 220, p. 7-24, 2004. ISSN: 0034-7175.

BAILEY, Trevor C.; GATRELL, Anthony C. Interactive spatial data analysis. London, Longman Scientific and Technical, 1995. DOI: 10.1016/S0160-4120(96)90337-2.

BIGELL, Werner; CHANG, Cheng. The meanings of landscape: historical development, cultural frames, linguistic variation, and antonyms. Ecozon@ - European Journal of Literature, Culture and Environment, vol. 5, n.1, 2014. ISSN 2171-9594.

BRASIL. Estatuto da terra, lei nº 4.504, de 30 de novembro de 1964, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4504.htm. Acesso em 28 Out. 2019.

COUTINHO, Maura Neves; COSTA, Heloísa Soares De Moura. Agricultura urbana: prática espontânea, política pública e transformação de saberes rurais na cidade. Revista Geografias, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p.81-97, 2011. ISSN: 2237-549X.

DEVIDE, Antonio Carlos Pries et. al. História Ambiental do Vale do Paraíba Paulista. Revista Biociências, Taubaté, v. 20, n. 1, p. 12-29, 2014. ISSN 1415-7411.

Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano S.A - EMPLASA. Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte. São Paulo: Imprensa Oficial do Governo do Estado de São Paulo, 2012. DOI:10.1590/S1413-41522014019010000442.

ESKINAZI, Bruna Garcia; SOUZA, José Gilberto De. Especialização produtiva e homogeneização territorial: a monocultura de eucalipto no vale do Paraíba paulista e as transformações nas dinâmicas de produção. Revista Pegada, v. 14 n.2 dezembro 2013. DOI: https://doi.org/10.33026/peg.v14i2.2566.

FAO. Land Cover Classification System. Rome, Italy: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2010.

FONSECA, Leila; NAMIKAWA, Laércio; CASTEJON, Emiliano; CARVALHO, Lino; PINHO, Carolina.; PAGAMISSE, Ayilton. Image Fusion for Remote Sensing Applications. In: Image fusion and its applications. 2011. DOI: 10.5772/22899.

GONZALEZ, Rafael C.; WOODS, Richard. E. Digital image processing. 3. ed. Berlin/Heidelberg: Prentice Hall, 2010. 976 p. ISBN: 9781424441211. ISSN: 1557170X. DOI: 10.1109/IEMBS.2011.6091204.

HOLANDA, Sérgio Buarque De, MAIA, Tom. Vale do Paraíba: velhas fazendas. São Paulo: Edusp, 1975.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agro 2017. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA), 2017. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017. Acesso em 20 de Set. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agro 2017. Cadastro Nacional de Endereços para Fins Estatísticos (CNEFE), 2017. Disponível em: https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/resultados-censo-agro-2017/cnefe.html. Acesso em 15 Set. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico: Notas metodológicas. IBGE, Rio de Janeiro, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Base de informações do Censo Demográfico 2010: resultados do universo por setor censitário. IBGE, Rio de Janeiro, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010: famílias e domicílios resultados da amostra. IBGE, Rio de Janeiro, 2012.

JENSEN, John Robert. Introductory digital image processing: a remote sensing perspective. 2ª. ed. New Jersey: Prentice Hall, 1996. 316 p. ISSN: 10106049. DOI: 10.1080/10106048709354084.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Les structures élémentaires de la parenté. 1982. DOI: 10.1515/9783112317204.

LUIZ, Silvia; SANTOS, Anderson Rodrigo Souza; BRENNER, Thomas Lafayatte. Geração de Modelo Digital de Elevação a partir de imagens Reference Stereo do satélite IKONOS. XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2007.

MAGNAGHI, Alberto. “Il retorno dei luoghi nel progetto”, in MAGNAGHI, A. (a cura di), La rappresentazione identitaria del território: atlanti, codici, figure, paradigmi per il progetto locale, Alinea, Firenze 2005 (p. 7-18). Tradução Renata Hermanny Almeida.

MAGNOLI, M. M. Projetos de espaços livres urbanos. 1982. Tese (Pós-Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1982.

MARINELO, Samuel Henrique Damas. Agricultura urbana em São José dos Campos: apropriação do espaço urbano, modos de vida e conflitos. Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP, São José dos Campos, 2014.

MÜLLER, Nice Lecocq. O fato urbano na bacia do rio Paraíba, estado de São Paulo. Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Geografia, 1969.

NEVES, Marcos Corrêa. Câmara Gilberto, Assunção Renato M. e Freitas Corina Da Costa. Procedimentos automáticos e semi automáticos de regionalização por árvore geradora mínima. In: Embrapa Meio Ambiente-Artigo em anais de congresso (ALICE). Separata de: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOINFORMÁTICA, 4., 2002, Caxambu. Anais... Belo Horizonte: SBC, 2002. p. 109-116., 2002.

RIECHELMANN, Claudio Collado. Rurbanização, desenvolvimento e vida: o caso do Assentamento Nova Esperança I, do MST, em macrozona de expansão urbana de São José dos Campos. Perspectivas para o planejamento urbano e regional. Universidade do Vale do Paraíba, Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento, São José dos Campos-SP, 2006. CDU:711.4:316.334.56.

SÃO PAULO. Lei complementar nº 1.166, de 9 de janeiro de 2012. Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, São Paulo, SP, jan. 2012.

SÃO PAULO, Secretaria do Meio Ambiente do estado de São Paulo. Modelo Digital de Elevação (MDE) do estado de São Paulo obtido a partir da base do Projeto GISAT (Cartas Topográficas na escala 1:50.000), 2016. Disponível em: http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/cpla/2013/10/Ficha_Tecnica_MDE.pdf. Acesso em: 25 de Fev. 2020.

SILVA, José Pereira da. Trapistas no Brasil. Tese de doutorado em História Social. 2014. 223 p. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2014. DOI: 10.11606/T.8.2014.tde-20012015-160601.

SILVA, Sandro Pereira. A agricultura familiar e suas múltiplas interações com o território: uma análise de suas características multifuncionais e pluriativas. Texto para discussão, 2015. ISSN 1415-4765. CDD 330.908.

SOUZA, Anielli Rosane; ESCADA, Maria Isabel Sobral; MARUJO, Renan de Freitas Bezerra; MONTEIRO, Antonio Miguel Vieira. Cartografia do invisível: revelando a agricultura de pequena escala com imagens Rapideye na Região do Baixo Tocantins, PA. Revista do Departamento de Geografia, v. 38, p. 137-153, 2019. DOI: 10.11606/rdg.v38i1.151603.

UNITED NATIONS (ONU), Principles and recommendations for population and housing censuses revision 1, 1998, pp: 65-68.

VALERIANO, Marcio de Morison. (2008). Topodata: guia para utilização de dados geomorfológicos locais (TOPODATA: Local geomorphologic data usageguide). In Technical report of national institute for space research, São José dos Campos, Brazil, INPE-15318-RPE/818.

Downloads

Publicado

2021-08-23

Como Citar

Martins, N. I. R., Monteiro, A. M. V., Almeida, R. H. de, & Anazawa, T. M. (2021). Agricultores como sujeitos da produção do território-patrimônio: ensaio metodológico em propriedades familiares na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte/SP. Gestão & Tecnologia De Projetos, 16(3). https://doi.org/10.11606/gtp.v16i3.174766

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)