Planejamento e cocriação da paisagem cultural do quadrilátero ferrífero

geodesign brasileiro enfrentando as desigualdades de acesso e uso da informação digital

Autores

  • Ana Clara Mourão Moura Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura. Laboratório de Geoprocessamento
  • Christian Rezende Freitas Alo Meio Ambiente e Layer/G21 Geotecnologias
  • Camila Fernandes Morais Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura. Laboratório de Geoprocessamento
  • Ítalo Sousa Sena Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura. Laboratório de Geoprocessamento
  • Pedro Benedito Casagrande Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Engenharia de Minas

DOI:

https://doi.org/10.11606/gtp.v16i3.176484

Palavras-chave:

Geovisualização, Planejamento Participativo, GISColab, SDI

Resumo

O artigo apresenta resultados sobre estudos de Geodesign do Quadrilátero Ferrífero (QF) em desenvolvimento desde 2016, com base nas abordagens econômica, ambiental e social, com o objetivo de favorecer o planejamento da paisagem cultural por processo compartilhado, por suporte à construção de opiniões coletivas e individuais. Tem como objetivo de apresentar a plataforma brasileira de Geodesign, denominada “GISColab”, que foi testada pela primeira vez no estudo de caso Quadrilátero Ferrífero. A área QF é caracterizada por conflitos de interesses devido às atividades de mineração, crescimento urbano, paisagens de patrimônio cultural e a presença de áreas de proteção ambiental. QF é especialmente importante como parte da estrutura econômica do estado de Minas Gerais (Brasil), mas tornou-se mundialmente conhecido devido a alguns desastres ambientais que causaram a morte de quase 300 pessoas. Nos primeiros estudos foi utilizado o framework de Steinitz (2012), mas diante de observações de dificuldades no processo, foi desenvolvida uma plataforma e roteiros de trabalho mais adaptados às desigualdades de acesso e uso da informação, para que as pessoas realmente se sentissem participantes de todas as etapas. A nova plataforma web é baseada em Infraestrutura de Dados Espaciais (SDI), que recebe uma quantidade considerável de dados e está aberta para receber mais informações via Web Map Service (WMS), o que garante que os usuários construam, por si próprios, julgamentos sobre as áreas em planejamento. Favorece o processo compartilhado de tomada de decisão por diálogos digitais, assim como por votação baseada no Método Delphi. A plataforma e o processo baseiam-se na geovisualização, interoperabilidade e cocriação de ideias com base na geocolaboração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Clara Mourão Moura, Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura. Laboratório de Geoprocessamento

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (1988), Especialização em Planejamento Territorial e Urbano pela PUC-MG e Universidade de Bologna (1990), Mestrado em Geografia (Organização Humana do Espaço) pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993) e Doutorado em Geografia (Geoprocessamento) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Urbanismo, e coordena o Laboratório de Geoprocessamento da Escola de Arquitetura. Tem experiência na área de Urbanismo e Geociências, com ênfase em Análise Espacial, Sistemas de Informações Geográficos, Representação Cartográfica, Diagnóstico Ambiental Urbano, Gestão Espacial de Patrimônio Histórico e Paisagístico. Orienta Mestrado e Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (NPGAU-EA-UFMG) e no Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGG-IGC-UFMG). Atua principalmente nos seguintes temas: geoprocessamento, cartografia, paisagem, patrimônio cultural, análise ambiental e análise urbana. Coordenadora do grupo de pesquisa CNPq: "Geoprocessamento na Gestão da Paisagem Urbana e Ambiental".

Christian Rezende Freitas, Alo Meio Ambiente e Layer/G21 Geotecnologias

Alo Meio Ambiente e Laboratório de Geoprocessamento, EA-UFMG

Camila Fernandes Morais, Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura. Laboratório de Geoprocessamento

Laboratório de Geoprocessamento EA-UFMG

Ítalo Sousa Sena, Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura. Laboratório de Geoprocessamento

Laboratório de Geoprocessamento EA-UFMG

Referências

ABUKHATER, A.; WALKER, D. Making Smart Growth Smarter with Geodesign. In.: ESRI, Changing Geography by design. Redlands, CA, 2010.

ANDRIENKO, G.; ANDRIENKO, N.; KEIM, D.; MacEACHREN, A.; WROBEL, S. Challenging problems of geospatial visual analytics. Journal of Visual Languages and Computing. 22(4), p.251-256, 2011.

BALLAL, H. Collaborative planning with digital design synthesis. Doctoral Dissertation. University College London, 2015.

BALRAM, S.; DRAGICEVIC, S. Collaborative geographic information systems: Origins, boundaries, and structure. Idea Group Publishing, 2006.

BATTY, M. Planning Support Systems: Progress, Predictions, and Speculations on the Shape of Things to Come. UCL, Working Papers Series, 122, p. 1-25, 2007.

BRASIL, Decreto Nº 6.666, de 27 de novembro de 2008. Institui, no âmbito do Poder Executivo federal, a InfraEstrutura Nacional de Dados Espaciais - INDE, e dá outras providências.

BURGERS, G.; KLEIJN, M., MANEN N. Urban Landscape archaeology, geodesign and the city of Rome. In: Lee D., Dias E., Scholten H. (eds) Geodesign by Integrating Design and Geospatial Sciences. GeoJournal Library, 111, 2014. doi: 10.1007/978-3-319-08299-8_12

CASAGRANDE, P.; MOURA, A.C.M. The Geological Workshop of Geodesign for Landscape Planning. In Leone, A. & Gargiulo, C. (Eds.), Environmental and territorial modelling for planning and design, p. 595-602, 2018. Naples: FedOAPress. doi: 10.6093/978-88-6887-048-5

CHEN, Y.; DANG, A.; PENG, X. Building a Cultural Heritage Corridor Based on Geodesign Theory and Methodology. Journal of Urban Management, 3(1–2), p. 97-112, 2014. Doi: 10.1016/S2226-5856(18)30086-4.

CRAGLIA M. and CAMPAGNA M. Advanced Regional Spatial Data Infrastructures in Europe. European Commission; Joint Research Centre; Institute for Environment and Sustainability, 2009.

CRUMLEY, C.; KOLEN, J.; KLEIJN, M. & MANEN, N. Studying long-term changes in cultural landscapes: outlines of a research framework and protocol. Landscape Research, 42 (8), 880-890, 2017. doi: 10.1080/01426397.2017.1386292

DALKEY, N.; HELMER, O. An experimental application of the Delphi method to the use of experts. Management Science, 9(3), p.351-515, 1963.

EIKELBOOM, T., JANSSEN, R. Collaborative use of geodesign tools to support decision-making on adaptation to climate change. Mitigation and Adaptation Strategies for Global Change, V.22, p.247–266, 2017. doi: 10.1007/s11027-015-9633-4

ELMES, G.; DOUGHERTY, M.; CHALLIG, H.; KARIGOMBA, W.; MCCUSKER, B.; WEINER, D.; FISHER, P. Local knowledge doesn’t grow on trees: Community-integrated geographic information systems and rural community self-definition. In.: FISHER, P. F. (Ed.), Advances in spatial data handling. Berlin: Springer Science and Business Media, p. 29-40, 2004.

ELWOOD, S.A. Beyond cooptation or resistance: Urban spatial politics, community organizations, and GIS-based spatial narratives. Annals of the Association of American Geographers, 96 (2): p. 323–341, 2006.

FLAXMAN, M. Fundamentals of Geodesign. In: Buhmann, E., Pietsch, M. & Kretzler, E. (Eds.), Peer Reviewed Proceedings of Digital Landscape Architecture 2010. Berlin/Offenbach, Wichmann, p. 28-41, 2010.

FREITAS, C., MOURA, A.C.M. ETL Tools to Analyze Diagrams’ Performance: Favoring Negotiations in Geodesign Workshops. DisegnareCon, 11(20), p. 1-23, 2018.

GEERTMAN, S, STILLWELL, J. (Eds.), Planning Support Systems Best Practice and New Methods. Springer Netherlands, 2009. 490 p. DOI: 10.1007/978-1-4020-8952-7

HAYEK, U.; WIRTH, T.; NEUENSCHWANDER, N. & GRÊT-REGAMEY, A. Organizing and facilitating Geodesign processes: Integrating tools into collaborative design processes for urban transformation. Landscape and Urban Planning, 156, p. 59-70, 2016. doi: 10.1016/j.landurbplan.2016.05.015

KINGSTON, R. Public Participation in Local Policy Decision-making: The Role of Web-based Mapping. The Cartographic Journal, 44(2), p. 138–144, 2007.

KOLEN J., MANEN N.; KLEIJN M. History Matters: The Temporal and Social Dimension of Geodesign. In: LEE D., DIAS E., SCHOLTEN H. (Eds) Geodesign by Integrating Design and Geospatial Sciences. GeoJournal Library, 111, 2014. doi: 10.1007/978-3-319-08299-8_11

MacEACHREN, A.; GAHEGAN, M.; PIKE, W.; BREWER, I.; LENGERICH, E., HARDISTRY, F. Geovisualization for knowledge construction and decision-support. Computer Graphics & Applications. 24(1), p. 13-17, 2004.

MOURA, A.C.M. Geodesign in Parametric Modeling of urban landscape. Cartography and Geographic Information Science, 42(4), p. 323-332, 2015.

NYERGES, T. L.; JANKOWSKI, P. Enhanced adaptive structuration theory: A theory of GIS-supported collaborative decision making. Geographical Systems, 4(3), p. 225-257, 1997.

PEUQUET, D., MARBLE, D. Introductory readings in Geographic Information Systems. London, Taylor & Francis, 1990.

RAPINE, A., MELLO-SILVA, R.; KAWASAKI, M.C. Richness and endemism in Asclepiadoideae (Apocynaceae) from the Espinhaço Range of Minas Gerais, Brazil – a conservationist view. Biodiversity and Conservation, 11, p. 1733-1746, 2002.

RIVERO, R.; SMITH, A.; BALLAL, H., STEINITZ, C. Promoting Collaborative Geodesign in a Multidisciplinary and Multiscale Environment: Coastal Georgia 2050, USA. In.: Buhmann, E., Ervin, S. M. & Pietsch, M. (Eds.). Peer Reviewed Proceedings of Digital Landscape Architecture, p. 42-58, 2015.

RUCHKYS, U., MACHADO, M. Patrimônio geológico e mineiro do Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais – caracterização e iniciativas de uso para educação e geoturismo. Boletim Paranaense de Geociências, 70, p. 120-136, 2013.

SIEBER, R. Public participation geographic information systems: A literature review and framework. Annals of the Association of American Geographers, v. 96, n.3, p. 491-507, 2006.

SONTERA, L.; BARRETT, D; SOARES-FILHO, B.; MORAND, C. Global demand for steel drives extensive land-use change in Brazil's Iron Quadrangle. Global Environmental Change, 26, 2014, 63-72, 2014. doi: 10.1016/j.gloenvcha.2014.03.014

STEINITZ, C. A Framework for Geodesign: Changing Geography by Design. ESRI Press, Redlands, 2012.

WU, C.; CHIANG, Y. A geodesign framework procedure for developing flood resilient city. Habitat International, 75, p. 78-89, 2018. doi: 10.1016/j.habitatint.2018.04.009.

Downloads

Publicado

2021-08-23

Como Citar

Moura, A. C. M., Freitas, C. R. ., Morais, C. F. ., Sena, Ítalo S. ., & Casagrande, P. B. . (2021). Planejamento e cocriação da paisagem cultural do quadrilátero ferrífero: geodesign brasileiro enfrentando as desigualdades de acesso e uso da informação digital. Gestão & Tecnologia De Projetos, 16(3). https://doi.org/10.11606/gtp.v16i3.176484

Dados de financiamento