Ritos de passagem: Dioniso e o coro de sátiros

Autores

  • John Cowart Dawsey Universidade de São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2016.116355

Palavras-chave:

ritos de passagem, margens das margens, f(r)icção, espantoso ou extraordinário, cotidiano, corpoiesis

Resumo

Nas origens da tragédia grega, no coro de sátiros do teatro dionisíaco, os gregos fitavam o horror. Nessa observação de Nietzsche se encontra o ponto de partida para uma discussão dos ritos de passagem e, particularmente, da experiência do límen. Contribuições da performance e do teatro contemporâneos realçam aspectos dessa experiência. As análises de Julia Kristeva também merecem atenção. A hipótese, inspirada no pensamento de Walter Benjamin, emerge no final: elementos vitais dos ritos de passagem e do teatro dionisíaco tem a ver com o que poderíamos chamar de “margens das margens”. Em destaque, a dupla retirada de máscaras (cotidianas e extraordinárias), os subterrâneos dos símbolos e a experiência de f(r)icção (com r entre parênteses) nas relações entre máscara e corpo. Parafraseando Pascal, o corpo tem razões que a cultura desconhece. Às margens das margens forma-se uma ótica dialética: espantoso (ou extraordinário) cotidiano, nada surpreendente no espantoso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

John Cowart Dawsey, Universidade de São Paulo, Brasil

Nascido em São Paulo, John C. Dawsey é professor titular de antropologia na Universidade de São Paulo (USP). Possui Ph.D. em antropologia e mestrado em teologia pela Emory University. É bacharel em história pela Florida Southern. Na Universidade de São Paulo, coordena o Núcleo de Antropologia, Performance e Drama (Napedra), desde a sua fundação, em 2001, e, como coordenador convidado, atua junto ao Núcleo de Artes Afro-Brasileiras. É o autor e co-autor de vários livros, incluindo De que riem os boias-frias? Diários de antropologia e teatro (2013), Antropologia e performance: ensaios Napedra (2013), e A terra do não-lugar: diálogos entre antropologia e performance (2013). Também é um dos organizadores da edição especial sobre antropologia e performance da Revista de Antropologia (2013). Nas interfaces entre antropologia e teatro, procura explorar reconfigurações do campo da antropologia suscitadas pela obra de Walter Benjamin. Desenvolve pesquisas em antropologia e performance, antropologia da experiência, e antropologia benjaminiana. Duas questões inter-relacionadas surgem de forma recorrente em suas pesquisas. A primeira tem a ver com paradigmas do teatro na antropologia. A partir da obra de Walter Benjamin e de pensadores do teatro (Brecht, Artaud, et al) ele discute novos horizontes para o engajamento do teatro com a antropologia, repensando premissas do paradigma do teatro dramático – que se revelam em sua crítica imanente de várias obras da antropologia. A segunda questão tem a ver com a sua proposta de explorar possibilidades de pesquisa que se abrem para uma possível antropologia benjaminiana. Um conjunto de conceitos ou ferramentas de pesquisa resulta desses estudos: descrição tensa (tension-thick description), extraordinário ou espantoso cotidiano, margens das margens, subterrâneos dos símbolos, história do esquecimento, inconsciente sonoro, montagens carregadas de tensões, f(r)icção (com r entre parênteses), o lugar olhado e/ou sentido das coisas.

Publicado

2016-06-23

Como Citar

Dawsey, John Cowart. 2016. “Ritos De Passagem: Dioniso E O Coro De sátiros”. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia 1 (1). São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2016.116355.

Edição

Seção

Artigos