Evgen Bavcar: autorretratos e as imagens-mancha

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2020.163196

Palavras-chave:

Evgen Bavcar, Imagem, Autorretrato, Cegueira, Fotografia

Resumo

Este artigo apresenta a leitura de quatro autorretratos feitos pelo fotógrafo e filósofo cego Evgen Bavcar, os quais se encontram reunidos em seu livro Memória do Brasil, na tentativa de compreender como o fotógrafo constrói uma figura ou persona do “fotógrafo cego”. Ao analisar o primeiro desses autorretratos, levanto a hipótese de que Bavcar apresenta um caráter de manifesto em seu livro e proponho pensar nessas fotografias enquanto imagens-mancha, as quais, ao dirigirmos nosso olhar esperando encontrar nelas imagens feitas por um cego, são capazes de devolver uma imagem de nossa própria cegueira comum, já que, situadas no liminar da visibilidade, questionam e colocam em disputa nosso imaginário acerca da cegueira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Frare Baroni, Universidade Federal de São Paulo

RODRIGO FRARE BARONI é bacharel e mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). É integrante do Grupo de Pesquisas Visuais e Urbanas da Unifesp (Visurb). E-mail: rodrigof.baroni@gmail.com

Referências

Barasch, Moshe. 2001. Blindness: the history of a mental imagen in Western thought. London: Routledge.

Barthes, Roland. 2015. A câmara clara: nota sobre fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bavcar, Evgen. 1992. Le voyeur absolu. Paris: Éditions du Seuil.

Bavcar, Evgen. 1994. A luz e o cego. In Artepensamento, org. Adauto Novaes, 461-467 São Paulo: Companhia das Letras.

Bavcar, Evgen. 2003a. Memória do Brasil. São Paulo: Cosac & Naify.

Bavcar, Evgen. 2003b. O verdadeiro valor do tempo. Entrevista concedida a Eduardo Veras, Edson Sousa e Elida Tessler. Humanidades, no. 49: 114-120.

Bavcar, Evgen. 2005. A imagem, vestígio desconhecido da luz. In: Muito além do espetáculo. São Paulo: Editora Senac São Paulo.

Belting, Hans. 2014. Imagem e Sombras: Da teoria da imagem em Dante à teoria da arte. In: Antropologia da imagem: por uma ciência da imagem, 239-266. Lisboa: KKYM.

Benjamin, Walter. 1987. Pequena história da fotografia. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Vol. 1, Obras escolhidas, 91-107. São Paulo: Brasiliense.

Boehm, Gottfried. 2017. Aquilo que se mostra. Sobre a diferença icônica. In: Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Deleuze, Gilles e Félix Guattari. 2012. Ano zero - rostidade. In Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 3, 35-68. São Paulo: Editora 34.

Derrida, Jacques. 1993. Memoirs of the blind: the self-portrait and other ruins. Chicago: The University of Chicago Press.

Didi-Huberman, Georges. 2010. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34.

Didi-Huberman, Georges. 2011. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Didi-Huberman, Georges. 2012. Quando as imagens tocam o real. Pós, vol. 2, no. 4: 204-219.

Didi-Huberman, Georges. 2015. Falenas. Ensaios sobre a aparição. Lisboa: KKYM.

Didi-Huberman, Georges. 2017. Devolver uma imagem. In Pensar a imagem, 205-225 Belo Horizonte: Autêntica.

Dubois, Philippe. 2012. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus.

Edwards, Elisabeth. 2012. Objects of affect: photography beyond the image. Annual Review of Anthropology, vol. 41: 221-234. https://dx.doi.org/10.1146/annurev-anthro-092611-145708.

Foncuberta, Joan. A pós-fotografia explicada aos macacos. Porto Alegre: PPGAV/UFRGS, v. 21, n.35, maio 2018: 35-45

Foulkes, Benjamín Mayer. 2014. El fotógrafo siega. In El fotógrafo ciego: Evgen Bavcar en México, comp. Benjamín Mayer Foulkes, 9-42. México: 17, Conaculta.

Krauss, Rosalind. 2002. O fotográfico. Barcelona: Gustavo Gili.

Mauss, Marcel. 2003. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In Sociologia e antropologia, 183-314 São Paulo: Cosac Naify.

Merleau-Ponty, Maurice. 2014. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva.

Montiel, Juan Antonio. 2014. Las (des)apariciones de Evgen Bavcar. In El fotógrafo ciego: Evgen Bavcar en México, comp. Benjamín Mayer Foulkes, 219-237. México: 17, Conaculta.

Novaes, Adauto. Evgen Bavcar- Não se vê com os olhos. In: O ponto zero da fotografia. Rio de Janeiro: Editora Very Special Arts Brasil, 2000 25-36.

Novaes, Adauto. 2003. Imagens impossíveis. Humanidades, no. 49: 106-113.

Rancière, Jacques. 2009. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO experimental org., Editora 34.

Rancière, Jacques. 2017. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Rouillé, André. 2009. A fotografia: entre documento e arte contemporânea. São Paulo: Editora Senac.

Sousa, Edson Luiz André de. 2006. Noite e dia e alguns monocromos psíquicos. Revista do Departamento de Psicologia, UFF, vol. 18, no. 1: 77-86. https://doi.org/10.1590/S0104-80232006000100007.

Tessler, Elida. 2003. Evgen Bavcar em diagonal. In: Memória do Brasil, Evgen Bavcar, 7-14 São Paulo: Cosac & Naify.

Turner, Victor W. 2013. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes.

Publicado

2020-08-24

Como Citar

Baroni, Rodrigo Frare. 2020. “Evgen Bavcar: Autorretratos E As Imagens-Mancha”. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia 5 (1). São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2020.163196.

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento