Entre mar, montanha e iris do mundo todo: uma aproximação do Museu Penitenciário de Ushuaia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2020.165724

Palavras-chave:

Prisões, Memória, Museu, Cultura, Arte

Resumo

“Los invitamos a caminar por los pasillos estrechos, asomarse a las celdas para imaginar cómo habría sido la vida en la cárcel”. Esse é o convite do Museo do Presidio de Ushuaia (Argentina) em sua página eletrônica. Ativado em 1902 a partir da transferência da prisão militar de San Juan do Salvamento, o presídio de Ushuaia teve um longo processo e hoje circunscreve um campo, além de histórico, cultural e turístico, ao significar-se como Museo. Tema de documentários e livros no território argentino, suas dimensões nos fazem questionar sobre turismo e este espaço. De antigo presídio experimental para museológico e turístico, dinamiza Memória. Quais são os arranjos dessa experimentação? Esse trabalho se debruça nas construções entrelaçadas e dinâmicas de, entre um conjunto, duas dimensões primordiais: desativação de prisão e ativação de Museo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalia Negretti, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Ciências Sociais pela Universidade de Campinas na área de Estudos de Gênero (Pagu). Estágio doutoral pela Universidade de Buenos Aires (Argentina). Bolsista Capes/Redmacro. A dissertação de mestrado Madá e Lena entrecruzadas, dois dramas em trama: entre percursos numa tragédia social e uma constituição possível (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), orientada por Rosemary Segurado, analisou a gestão dos vínculos entre agentes do sistema prisional e mulheres em privação de liberdade a partir de duas histórias de vida. O doutorado, sob orientação de Isadora Lins França, com foco na emergência da pessoa idosa em situação de rua como sujeito político em São Paulo, analisa trajetórias, trânsitos e instituições. E-mail: natalia_negretti@yahoo.com.br

Referências

Amaral, Claudio do Prado. 2016. Prisões desativadas, museos e memória carcerária. Revista Brasileira de Estudos Políticos, no. 113: 289-334. https://doi.org/10.9732/P.0034-7191.2016V113P289.

Beiguelman, Giselle. 2019. Memória da amnésia: políticas do esquecimento. São Paulo: edições SESC.

Bohn Martins, Maria Cristina. 2009. A história regional e a historiografia Argentina: entrevista com Susana Bandieri. História Unisinos, vol. 13, no. 1: 96-102.

Bosi, Ecléa. 2003. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial.

Caimari, Lila. 2004. Apenas um delincuente: crimen, castigo y cultura em la Argentina, 1880-1955. Buenos Aires: Siglo XXI Editores.

Canclini, Aroldo. 1989. Así nació Ushuaia. Orígenes de la ciudad más austral del mundo. Dossier “Reflexiones en torno a los estudios sobre Territorios Nacionales”. histoiapolitica.com, 1989. Disponível em: <https://bit.ly/3hN3xit>. Acesso em: 22 jun. 2020.

Gamarnik, Cora. 2015. El fotoperiodismo y la guerra de Malvinas: una batalla simbólica. In Fotografía e historia en América Latina, ed. John Mraz, Ana Maria Mauad, 225-256. Montevideo: Intendencia de Montevideo: Centro de Fotografia de Montevideo.

Horta, Filipe Moreno. 2013. Dia de rebelião: as margens do Estado no cotidiano civil-prisional da Ilha Anchieta (1942-1955). Dissertação de mestrado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Lazzaroni, Alicia. 2011. Celdas: textos de presos y confinados em Ushuaia (1896-1947): cartas, relatos, inscripciones em muros, ensayos, poemas, diários personales. Ushuaia: Editora Cultural Tierra del Fuego.

Machado, Maíra e Marta Machado (coord.). 2015. Carandiru não é coisa do passado: um balanço sobre os processos, as instituições e as narrativas 23 anos após o massacre. São Paulo: FGV Direito SP.

Nora, Pierre. 2012. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, vol. 10. Disponível em: <https://bit.ly/2YZJSmM>. Acesso em: 15 fev. 2020.

Pavez Ojeda, J. 2012. Disciplina científica colonial y coproducción etnográfica. Las expediciones de Martín Gusinde entre los Yámana de Tierra del Fuego. Magallania, vol. 40, no. 2: 61-87.

Salazar, Noel B. 2006. Antropología del turismo en países en desarrollo: análisis crítico de las culturas, poderes e identidades generados por el turismo. Tabula Rasa, no. 5: 99-128.

Santos, Myrian Sepúlveda dos. 2003. História e memória: o caso do Ferrugem. Revista Brasileira de História, vol. 23, no. 46: 271-295. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-01882003000200012.

Rodriguez, Rafael G., Sizzo, Ilia A. e Arechiga, Jose Eduardo. 2018. En busca de la motivación detrás del turismo oscuro El caso de las momias de Guanajuato. Teoría y Praxis, no. 24: 121-149.

Publicado

2020-08-24

Como Citar

Negretti, Natalia. 2020. “Entre Mar, Montanha E Iris Do Mundo Todo: Uma aproximação Do Museu Penitenciário De Ushuaia”. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia 5 (1). São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2020.165724.

Edição

Seção

Artigos