Amaculo manihamba: canções de caminhar de mulheres de uma região transfronteiriça ao sul do continente africano

Resenha | Dossiê Musicar Local

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2021.176168

Palavras-chave:

Resenha, Musicar local, Angela Impey

Resumo

No oeste de Maputaland, uma região fronteiriça localizada na junção da África do Sul, Moçambique e Suazilândia, Song Walking examina a políticas territoriais, seu papel nas memórias e suas evoluções. Angela Impey explora relatos contrastantes acerca deste triângulo estratégico pouco conhecido, contrapondo narrativas textuais com as memórias de um grupo de mulheres idosas cujas canções e atividades diárias trazem narrativas e pontos de vista subalternos sobre a dinâmica na fronteira. Realizada durante a travessia de vastas distâncias com o acompanhamento da harpa bucal Isitweletwele, a etnografia de Impey encontra, nas canções de caminhadas femininas (amaculo manihamba), uma miríade de impactos sobre a propriedade, meios de subsistência e sentidos de localização causados por políticas de conservação ambiental transfronteiriça internacionalmente guiadas. Este livro vincula a pesquisa etnomusicológica aos temas mais amplos de desenvolvimento internacional, conservação do meio ambiente, gênero e acesso a recursos para fins econômicos locais. Song Walking atesta as dimensões afetivas, espaciais e econômicas do lugar, demonstrando que os processos de desenvolvimento são essencialmente culturais e revelando como a música se presta à expressão de sujeitos silenciados, ao mesmo tempo em que contribui para um alinhamento mais inclusivo e culturalmente apropriado entre as políticas fundiária e ambiental e necessidades e práticas locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erica Giesbrecht, Universidade de São Paulo

Érica Giesbrecht é etnomusicóloga e, desde 2007, vem realizando pesquisas sobre música e dança de matriz africana, também explorando o potencial da etnografia visual como meio de conhecimento e expressão. Doutorou-se em Música em 2011 pela Universidade Estadual de Campinas. Foi professora visitante do Instituto Vilallobos da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2018-19) e Chair in Music Visiting Professor Fulbright no Departamento de Folclore e Etnomusicologia da Universidade de Indiana-Bloomington (2019). Integra, na Universidade de São Paulo, o GRAVI - Grupo de Antropologia Visual e o PAM - Pesquisas em Antropologia Musical. E-mail: egiesbrecht@gmail.com

Referências

Araújo, Osmundo e Livio Sansone. 2008. Raças: Novas perspectivas antropológicas. Salvador: EdUfba.

Arruti, José Maurício. 2006. Mocambo: Antropologia e história do processo de formação quilombola. Bauru: Edusc.

Bullerjahn, Maximilian. 2018. Colonialismo dual e formação do estado nacional: o caso sul-africano. In: Revista Brasileira de Estudos Africanos, v.3, n.5, p.153-174.

Ferreira, Andrey Cordeiro. 2013. Tutela e Resistência Indígena: Etnografia e História das Relações de Poder entre os Terena e o Estado Brasileiro. São Paulo: Edusp.

Foucault, Michel. The History of Sexuality. Volume 1: An Introduction. Londres: Penguin, 1990.

Haraway, Donna J. 2016. Staying with the trouble: making kin in the Chthulucene. Durham: Duke University Press.

Ingold, Tim e Jo Lee Vergunst (eds.). 2008. Ways of walking: ethnography and practice of Foot. Surrey: Ashgate Publishing.

Kopenawa, Davi e Bruce Albert. 2015. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras.

O’Dwyer, Eliane Cantarino. 2002. Os quilombos e a prática profissional dos antropólogos. In: Quilombos: identidade étnica e territorialidade, ed. Eliane Cantarino O’Dwyer. Rio de Janeiro: FGV.

Oliveira, Osvaldo Martins de. 2011. Comunidades quilombolas no Estado do Espírito Santo: Conflitos sociais, consciência étnica e patrimônio cultural. In: RURIS - Revista do Centro de Estudos Rurais - UNICAMP, v. 5, n. 2.

Mombelli, Raquel. 2014. Quilombos em santa Catarina e os 10 anos do decreto 4.8871. In: 29a Reunião Brasileira de Antropologia, Natal: Associação Brasileira de Antropologia.

Scott, James C. 1990. Domination and the Arts of Resistance: Hidden Transcripts. New Haven: Yale University Press.

Publicado

2021-01-21

Como Citar

Giesbrecht, Erica. 2021. “Amaculo Manihamba: Canções De Caminhar De Mulheres De Uma região transfronteiriça Ao Sul Do Continente Africano: Resenha | Dossiê Musicar Local”. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia 6 (1). São Paulo, Brasil:e-176168. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2021.176168.

Edição

Seção

T.E.R - Traduções, Entrevistas e Resenhas