Ensaio esquizo-analítico com textos e imagens sobre corpos, fantasias e retratos ou O que o espelho nos reflete?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2021.185456

Palavras-chave:

BDSM, Travestimento, Alucinações textuais e imagéticas

Resumo

Este ensaio tem como horizonte algumas projeções e colagens (de trechos anteriores, publicados ou não), conceitos, inspirações, alucinações textuais e imagéticas sobre BDSM (Bondage, Dominação, Disciplina, Sadismo, Submissão, Masoquismo) e práticas de travestimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor Grunvald, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

VITOR GRUNVALD é antropólogo e realizador audiovisual. Professor da UFRGS, onde coordena o Núcleo de Antropologia Visual (Navisual). É doutor em Antropologia pela USP, com ênfase em Antropologia Visual, da Arte, da Performance, Gênero e Sexualidade. Tem formação também em Direção Cinematográfica pela Academia Internacional de Cinema (AIC). É coordenador do Grupo de Reconhecimento em Universos Artísticos/Audiovisuais (GRUA) da UFRJ. E pesquisador do Grupo de Antropologia Visual (GRAVI), do Núcleo de Antropologia, Performance e Drama (NAPEDRA), do Núcleo de Estudos sobre Marcadores Sociais da Diferença (NUMAS) e do Pesquisas em Antropologia Musical (PAM), todos ligados à USP. Integra o Comitê de Antropologia Visual (2019/2022) da Associação Brasileira de Antropologia e é presidente do Prêmio Pierre Verger (2021/2022). E-mail: vgrunvald@gmail.com

Referências

Benjamin, Walter. 1985. Sobre o conceito de história. In: Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Walter Benjamin. São Paulo: Brasiliense.

Bonafoux, Pascal. 2003. L`autoportrait. Seánce Du mercredi 12 février 2003. Disponível em: http://www.academie-des-beaux- arts.fr/actualites/thematiques.htm. Acessado em 15/07/2011.

Bento, Berenice. 2009. Apresentação. In PELÚCIO, Larissa. Abjeção e desejo: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de aids. São Paulo: Annablume, p.17-23.

Butler, Judith e Rubin, Gayle. 2003. Tráfico sexual – entrevista: Gayle Rubin com Judith Butler. Cadernos Pagu, 21, pp157-209

Dawsey, John. 2005. O teatro dos “bóias-frias”: repensando a antropologia da performance. Horizontes Antropológicos, n.24, p.15-34.

Dawsey, John. 2013. De que riem os boias-frias? Diários de antropologia e teatro. São Paulo: Terceiro Nome.

De Beauvoir, Simone. 1970[1949]. O segundo sexo. Fatos e Mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro.

Díaz-Benítez, María Elvira e Carlos Fígari (orgs.). Corpos, desejos, prazeres e práticas sexuais dissidentes. Rio de Janeiro: Garamond.

Deleuze, Gilles. 1974 [1969]. A lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva. In A Imagem-tempo. Gilles Deleuze. 2005[1985]. São Paulo: Brasiliense.

Deleuze, Gilles e Félix Guattari. 2004[1972]. O Anti-Édipo. Capitalismo e esquizofrenia. Lisboa: Assírio & Alvim.

Deleuze, Gilles; Félix Guattari. 2005[1980]. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. vol.4. Rio de Janeiro: Editora 34.

Deleuze, Gilles. 2006[1968]. Diferença e repetição. São Paulo: Graal. In As palavras e as coisas. Michel Foucault. 1992[1966]. São Paulo: Martins Fontes.

Frazer, James. 1957[1890]. The Golden Bough. A Study in Magic and Religion. London: Macmillan & Co Ltda.

Gell, Alfred. 1998. Art and agency. An anthropological theory. Oxford: Claredon Press.

Gregori, Maria Filomena. 2016. Prazeres perigosos: erotismo, gênero e os limites da sexualidade. São Paulo: Companhia das Letras.

Grunvald, Vitor. 2009a. Partes da vida escrita. Cenas da vida imagética. “Butler, a abjeção e seu esgotamento”. In Prazeres dissidentes. María Elvira Díaz-Benítez e Carlos Eduardo Figari. (Org.). 1ed. Rio de Janeiro: Garamond, v., p. 31-68.

Grunvald, Vitor. 2009b. Teseu e o touro: algumas sugestões feministas para uma crítica da razão. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social – Museu Nacional, UFRJ, Rio de Janeiro.

Grunvald, Vitor. 2015. Alter-retrato, fotografia e travestimento ou Sobre o paradigma fotográfico de Rrose Sélavy. In Entre arte e ciência: a fotografia na antropologia. Sylvia Caiuby Novaes, (Ed.). São Paulo: EDUSP.

Grunvald, Vitor. 2016. Existências, insistências e travessias: sobre algumas políticas e poéticas de travestimento. Tese de Doutorado, Antropologia Social, Universidade de São Paulo – USP.

Guattari, Félix. 1992. Caosmose. Um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34.

Halberstam, Judith. 1995. Skin Shows: Gothic Horror and the Technology of Monsters. Durham: Duke University Press.

Herkenhoff, Paulo. 2002. A bienal de São Paulo e seus compromissos culturais e políticos. Revista USP, n.52, p.116-121.

Jones, Amelia. 2006. Self/Image. Technology, Representation and the Contemporary Subject. London, New York: Routledge.

Journiac, Michel. 2013. Écrits. Paris: Beaux-Arts de Paris.

Jung, Carl. 2001[1964]. O homem e seus símbolos. São Paulo: Nova Fronteira.

Krauss, Rosalind. 1977. “Notes on the index: Seventies Art in America”. October, vol. 3, p.68- 81.

Latour, Bruno. 1994[1991]. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Latour, Bruno. 2002[1996]. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. Bauru, SP: EDUSC.

Latour, Bruno. 2005. Reassembling the social. New York, Oxford: Oxford University Press.

Lispector, Clarice. Fragmentos. Inúmeros.

LOBERT, Rosemary. 2010. A palavra mágica: a vida cotidiana do Dzi Croquettes. Campinas: Editora Unicamp.

Müller, Regina. 2013. A incorporaçao da personagem na performance “Mira, Chica...”: ambiguidade na crítica aos papéis sexuais convencionais. Antares: Letras e Humanidades, vol.5, n.10, p.27-37.

Muñoz, José Esteban. 1999. Disidentifications. Queers of color and the performance of politics. Minneapolis, London: University of Minnesota Press.

Paquet, Marcel. 1977. Michel Journiac. L’ossuaire de l’esprit. Paris: Éditions de la Différence.

Pelbart, Peter Pál. 2014. “Por uma arte de instaurar modos de existência que ‘não existem’”. In SEROUSSI, Benjamin et al. Catálago da 31ª Bienal de São Paulo. Como (...) coisas que não existem. São Paulo: Fundação Bienal.

Schechner, Richard. 1985. Between theater and anthropology. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

Seeger, Anthony; Roberto Da Matta; Eduardo Viveiros De Castro. 1987. “A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras”. In Sociedades indígenas & Indigenismo no Brasil.João Pacheco Oliveira Filho, et al. (orgs.). Rio de Janeiro: Marco Zero/UFRJ.

Singer, Thomas. 2004. “In the Manner of Duchamp, 1942-47: The years of the ‘Mirrorical Return’”. The Art Bulletin, vol. 86. n. 2, p.346-369.

Strathern, Marilyn. 2004[1991]. Partial Connections (Updated Edition). Walnut Creek: Altamira Press.

Taussig, Michael. 1993. Mimesis and alterity. New York: Routledge.

Taussig, Michael. 1999. Defacement. Public secrecy and the labor of the negative. Stanford: Stanford University Press.

Taussig, Michael. 2006a. Transgression. In Walter Benjamin’s grave. Chicago: University of Chicago Press.

Taussig, Michael. 2006b. Vicerality, Faith and Skepticism. Another Theory of Magic. In Walter Benjamin’s grave. Chicago: University of Chicago Press.

Turner, Victor. 1987. The anthropology of performance. New York: PAJ Publications.

Tyler, Stephen. 1986. Post-Modern Ethnography: from document of the occult to occult document. In CLIFFORD, James and MARCUS, Georges (eds.). Writing culture: The poetics and politics of ethnography. Berkeley and Los Angeles: University of California Press.

Viveiros De Castro, Eduardo. 2002. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac & Naify.

Viveiros De Castro, Eduardo. 2007. “Filiação intensiva e aliança demoníaca”. Novos Estudos CEBRAP, vol. 77, p. 91-126.

Publicado

2021-08-27

Como Citar

Grunvald, Vitor. 2021. “Ensaio Esquizo-analítico Com Textos E Imagens Sobre Corpos, Fantasias E Retratos Ou O Que O Espelho Nos Reflete?”. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia 6 (1). São Paulo, Brasil:e-185456. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2021.185456.

Edição

Seção

G.I.S - Gestos, Imagens e Sons