Assinatura estrutural e geofísica da Porção Norte (fronteira Ceará- Piauí) do Lineamento Transbrasiliano: reativação na Bacia do Parnaíba

Autores

  • Moisés Samuel João Bota Cacama Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica
  • Emanuel Ferraz Jardim de Sá Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica. Departamento de Geologia
  • Fernando César Alves da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica. Departamento de Geologia
  • Fernando Antônio Pessoa Lira Lins Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Departamento de Geologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v15i3-4p67-81

Palavras-chave:

Lineamento Transbrasiliano, Graben de Jaibaras, Bacia do Parnaíba

Resumo

O Lineamento Transbrasiliano é uma importante zona de cisalhamento com direção NE-SW, relacionada à orogênese Brasiliana e que evoluiu em estágios de alta até baixa temperatura. No presente trabalho, investigou-se a assinatura estrutural e geofísica da porção norte do Lineamento Transbrasiliano (fronteira Ceará-Piauí). Na literatura é comum a referência à reativação fanerozoica dessa estrutura, a qual teria originado diversos grabens tardi-brasilianos precedentes à sinéclise paleozoica do Parnaíba, a exemplo do Graben de Jaibaras. Em etapas evolutivas mais jovens, as falhas que seccionam as unidades da Bacia do Parnaíba, ao longo de toda a extensão do Lineamento Transbrasiliano, exprimem a sua reativação em eventos sucessivos. O mapa magnético da região exibe anomalias com direção NE, interpretadas como a assinatura do Lineamento Transbrasiliano (e das estruturas brasilianas da Província Borborema) na sua expressão de alta temperatura. O Graben de Jaibaras é marcado por uma faixa anômala retilínea com alta suscetibilidade magnética, aparentemente sem continuidade expressiva no substrato da Bacia do Parnaíba. As análises geométrica e cinemática das estruturas da área, utilizando dados de sensor remoto e de campo, permitiram caracterizar quatro fases de deformação. A fase deformacional Dn ocorre de modo exclusivo no Graben de Jaibaras (o que permite inferir sua idade, ediacarana-cambriana), com desenvolvimento de estruturas de temperatura mais elevada, comparativamente aos eventos subsequentes. As fases deformacionais D1 , D2 e D3 ocorrem afetando tanto o Graben de Jaibaras como as sequências paleozoicas da borda NE da Bacia do Parnaíba, com geração de estruturas em temperatura baixa, essencialmente rúpteis/cataclásticas, que são tentativamente correlacionadas com os estágios de abertura do Atlântico ou mesmo com eventos orogênicos distais de idade Paleozoica

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2015-12-26

Como Citar

Cacama, M. S. J. B., Sá, E. F. J. de, Silva, F. C. A. da, & Lins, F. A. P. L. (2015). Assinatura estrutural e geofísica da Porção Norte (fronteira Ceará- Piauí) do Lineamento Transbrasiliano: reativação na Bacia do Parnaíba. Geologia USP. Série Científica, 15(3-4), 67-81. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v15i3-4p67-81

Edição

Seção

Artigos