Resíduo de mármore como atenuador de efluente ácido

Palavras-chave: Rocha ornamental, Efluentes ácidos, Tratamento de resíduos

Resumo

As rochas ornamentais são utilizadas mundialmente como material de construção e acabamento, razão pela qual os problemas inerentes a esse setor produtivo se tornaram relevantes em vários países. Um desses problemas é a geração de grandes quantidades de resíduos durante a serragem de blocos rochosos e na etapa de polimento de chapas. O resíduo gerado pela serragem de mármores com tear de fio diamantado consiste de finas partículas de carbonato de cálcio e magnésio dispersas em água. Essa lama tem caráter básico e é destinada a lagoas de decantação ou depósitos a céu aberto. Paralelamente, muitos processos produtivos geram efluentes ácidos perigosos, cuja disposição constitui um sério problema mundial. O pH dessas soluções deve ser neutralizado ou, pelo menos, elevado a níveis considerados seguros pela regulamentação ambiental. Neste trabalho, uma solução ácida forte foi tratada com quantidades variáveis de resíduo de mármore proveniente da indústria de rochas ornamentais. O tratamento gerou fases secundárias sólida e líquida que foram analisadas para determinar a viabilidade de sua disposição em aterro. O resíduo aumentou o pH da solução ácida de próximo a 1,0 para valores entre 5,0 e 6,0, que são níveis aceitáveis para efluentes não perigosos, além de ter promovido a perda de massa em até 50%, diminuindo a quantidade de resíduo sólido primário. Em contrapartida, os níveis de sólidos totais dissolvidos, cobre, cloretos e nitratos na fase líquida do efluente permaneceram acima do permitido para lançamento em corpos d’água, contudo suas características correspondem a resíduos classificados como não perigosos e não inertes, que após secagem podem ser descartados em aterro comum de resíduos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-03-11
Como Citar
Neves, M., Taguchi, S., Silva, D., & Vieira, F. (2019). Resíduo de mármore como atenuador de efluente ácido. Geologia USP. Série Científica, 19(1), 33-42. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v19-134247
Seção
Artigos