Feições tafonômicas em macrorrestos vegetais holocenos da zona costeira do município de Camocim, Ceará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v20-154601

Palavras-chave:

Eolianitos, Tafonomia, Carbonato de cálcio, Vegetação litorânea, Holoceno

Resumo

O município de Camocim, localizado na costa cearense, caracteriza-se por planícies e tabuleiros pré-litorâneos com a presença de largas faixas de dunas móveis, além de trechos com eolianitos que podem conter restos vegetais preservados em seu conteúdo. Nesta pesquisa, objetivou-se caracterizar os processos tafonômicos que preservaram esses macrorrestos vegetais. O trabalho de campo consistiu em observação direta de um afloramento de sedimentos eólicos diagenizados e dos vegetais mineralizados neles contidos, verificando a disposição e os tipos dos restos orgânicos. Os sedimentitos foram observados e descritos no campo e posteriormente no laboratório, sob microscópio estereoscópico, para análise de sua granulometria, tipo de cimento e litificação. Os macrorrestos vegetais mineralizados constituem uma assembleia autóctone/parautóctone de tubos horizontais e/ou verticais in situ, dentro ou ao redor do afloramento, circunvalados por exemplares menores apresentando feições de deformação e fragmentação, preservados por meio de calcificação e incrustação. A presença desses restos vegetais antigos, preservados em posição de vida, contribui para a compreensão da dinâmica sedimentar que atuou na região, permitindo o cruzamento de dados com os processos atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carvalho, A. M., Claudino-Sales, V., Maia, L. P., Castro, J. W. A. (2008). Eolianitos de Flecheiras/Mundaú, Costa Noroeste do Estado do Ceará, Brasil – Registro ímpar de um paleossistema eólico costeiro. In: M. Winge, C. Schobbenhaus, C. R. G. Souza, A. C. S. Fernandes, M. Berbert-Born, E. T. Queiroz (Eds.). Sítios Geológicos e Paleontológicos do rasil (v. 515, p. 121-130). Brasília: CPRM.

Castro, J. W. A., Ramos, R. R. C. (2006). Idade das dunas móveis transversais no segmento entre Macau e Jericoacoara – Litoral Setentrional do Nordeste Brasileiro. Arquivos do Museu Nacional, 64(4), 361-367.

Coutinho, P. N. (1993). Sedimentos Carbonáticos da Plataforma Continental Brasileira. Revista de Geologia da UFC, 6, 65-75.

Dias, C. B., Barros, E. L., Morais, J. O. (2011). Granulados marinhos na plataforma continental N/NE do Brasil: ensaio metodológico. XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, III Encontro do Quaternário Sul-Americano. Anais, 1, 168-171. Rio de Janeiro: ABEQUA.

Iannuzzi, R., Vieira, C. E. L. (2005). Plantas Fósseis: Modos de Preservação. In: R. Iannuzzi, C. E. L. Vieira (eds.). Paleobotânica (v. 167, p. 11-24). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) (2017). Perfil municipal 2017: Camocim. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. 18 p. Disponível em: <https://www.ipece.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2018/09/Camocim_2017.pdf>. Acesso em: 7 ago. 2020.

Kidwell, S. M., Fürsich, F. T., Aigner, T. (1986). Conceptual framework for the analysis of fossil concentrations. Palaios, 1(3), 288-238. https://doi.org/10.2307/3514687

Lebo Jr., S. E., Gargulak, J. D., McNally, T. J. (2001). Lignin. In: Kirk-Othmer Encyclopedia of Chemical Technology (v. 4, p. 1-32). Nova York: John Wiley & Sons.

Maia, L. P., Sabadia, J. A., Freire, J. S. S., Serra, J. (1997). Caracterização geoquímica e diagenética da cimentação carbonática dos bechrocks e eolianitos da região costeira do Ceará. Boletim XVII Simpósio de Geologia do Nordeste, 177-181. Fortaleza: SBG-Núcleo Nordeste.

Martone, P. T., Estevez, J. M., Lu, F., Ruel, K., Denny, M. W., Somerville, C., Ralph, J. (2009). Discovery of Lignin in Seaweed Reveals Convergent Evolution of Cell-Wall Architecture. Current Biology, 19(2), 169-75. https://doi.org/10.1016/j.cub.2008.12.031

Mesquita, A. F., Silva-Filho, W. F., Duarte, C. R., Bezerra, F. H. R., Vasconcelos, D. L., Sousa, J. P. (2016). Faciologia e Evolução dos Depósitos Eólicos Costeiros do Oeste do Ceará (Brasil) no Holoceno Tardio. Revista Brasileira de Geomorfologia, 17(4), 783-799. https://doi.org/10.20502/rbg.v17i4.832

Meireles, A. J. A., Vicente da Silva, E. (2002). Abordagem Geomorfológica para a Realização de Estudos Integrados para o Planejamento e Gestão em Ambientes Flúvio-marinhos. Scripta Nova, Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, 6(118). Disponível em: <http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-118.htm>. Acesso em: 7 ago. 2020.

Sayles, R. W. (1931). Bermuda during the ice age. Proceedings of the American Academy of Arts and Sciences, 66(11), 381-468. https://doi.org/10.2307/20026356

Simões, M. G., Rodrigues, S. C., Bertoni-Machado, C., Holz, M. (2010). Tafonomia: processos e ambientes de fossilização. In: I. S. Carvalho (Ed.). Paleontologia: conceitos e métodos. 3. ed. Rio de Janeiro: Interciência. p. 19-52.

Spicer, R. A. (1991). Plant taphonomic processes. In: P. A. Allison, D. E. Briggs (Eds). Taphonomy: Releasing the Data Locked in the Fossil Record. Topics in Geobiology. New York: Plenum Press. p. 72-108.

Taylor, T. N., Taylor, E. L., Krings, M. (2009). Introduction to Vascular Plant Morphology and Anatomy. In: T. N. Taylor, E. L. Taylor, M. Krings (Eds.). Paleobotany, The Biology and Evolution of Fossil Plants. Elsevier, Book Aid International. v. 2. p. 201-222.

Xavier, S. A. S., Viana, M. S. S., Souza, E. B. (2018). Caracterização química de vegetal holocênico mineralizado procedente de Camocim, Ceará. Geologia USP. Série Científica, 18(4), 3-9. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v18-142477

Downloads

Publicado

2020-09-25

Como Citar

Xavier, S. A. S., & Viana, M. S. S. (2020). Feições tafonômicas em macrorrestos vegetais holocenos da zona costeira do município de Camocim, Ceará. Geologia USP. Série Científica, 20(3), 23-30. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v20-154601

Edição

Seção

Artigos