Aplicação da deconvolução de Euler 2D e 3D sinclinal do Pari, zona interna da Faixa Paraguai, Mato Grosso, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v21-163509

Palavras-chave:

Aerogeofísica, Grupo Cuiabá, Sinclinal do Pari, Dados magnéticos, Exploração mineral

Resumo

Entre as várias técnicas que permitem a estimativa de profundidades médias a partir de dados magnéticos aerolevantados, a deconvolução de Euler se popularizou pelo alto nível de confiabilidade dos dados gerados. Com a utilização dessa ferramenta é possível estudar remotamente estruturas em diferentes níveis crustais que portam, ou não, mineralizações, podendo assim determinar alvos potenciais de exploração mineral ou estudar melhor a sua relação com o arcabouço estrutural. Com a análise da susceptibilidade magnética de subsuperfície e dos perfis de inversão dos dados de magnetometria (deconvolução de Euler 2D) foram feitas interpolações que configuram um modelo 3D da região, permitindo assim, gerar uma menção descritiva da geometria da sinclinal do Pari, localizada no Grupo Cuiabá, na porção noroeste da Faixa Paraguai. Ela apresenta um forte controle estrutural no contexto da bacia hidrográfica do Rio Pari e um grande potencial aurífero, comprovado por dados de pesquisas e exploração atualizados. Os dados aplicados neste trabalho foram extraídos do Projeto Aerogeofísico Cuiabá e de mapeamentos prévios, tendo suas profundidades médias correlacionadas ao Grupo Cuiabá.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, F. F. M. (1964). Geologia do centro-oeste matogrossense. Rio de Janeiro: DNPM, 123 p. Boletim da Divisão de Geologia e Mineralogia, 215.

Almeida, F. F. M. (1984). Província Tocantins – setor sudoeste. In: F. F. M. Almeida, Y. Hasui (Eds.). O Pré-Cambriano do Brasil, 1, 265-281. São Paulo: Blücher.

Alvarenga, C. J. S. (1988). Turbiditos e a glaciação do final do Proterozóico Superior no Cinturão Paraguai, Mato Grosso. Revista Brasileira de Geociências, 18(3), 323-327.

Alvarenga, C. J. S., Trompette R. (1993). Brasiliano tectonic of the Paraguai Belt: the structural development of the Cuiaba region. Revista Brasileira de Geociências, 23(1), 18-30. https://doi.org/10.25249/0375-7536.19932311830

Evans, J. W. (1894). The geology of Mato Grosso. Quarterly Journal, 50, 85-104.

Gambier, J. L. C. (1998). Controle Estrutural do Depósito Aurífero da Fazenda Salinas, Poconé – MT. XL Congresso Brasileiro de Geologia, 1, 132. Belo Horizonte: SBG.

Lacerda Filho, J. V., Abreu Filho, W., Valente, C. R., Oliveira, C. C., Albuquerque, M. C., (2004). Geologia e recursos minerais do Estado de Mato Grosso: texto explicativo dos mapas geológico e de recursos minerais do Estado de Mato Grosso. Escala 1:1.000.000. Cuiabá: CPRM/SICME-MT.

Lasa. (2014). Projeto Aerogeofísico Cuiabá: Relatório final do levantamento e processamento dos dados magnetométricos e gamaespectrométricos. Programa Geologia do Brasil (PGB). Goiânia: Ministério de Minas e Energia, Serviço Geológico do Brasil.

Luz, J. S., Oliveira, A. M., Souza, J. O., Motta, J. F. M., Tanno, L. C., Carmo, L. S., Souza, N. B. (1980). Projeto Coxipó. Relatório final. Goiânia: DNPM/CPRM.

Madeira, T. J. A., Barbosa, M. S. C., Borges, A. J. (2015). Interpretation of magnetic data based on euler deconvolution: analysis of the main host gold structure in the northeastern portion of the quadrilátero ferrífero, MG, Brazil. Revista Brasileira de Geofísica, 33(3), 431-444. https://doi.org/10.22564/rbgf.v33i3.938

Migliorini, R. B. (1999). Hidrogeologia em meio urbano: região de Cuiabá e Várzea Grande-MT. Tese (Doutorado). São Paulo: Instituto de Geociências – USP.

Miranda, J. G. (1997). A produção de ouro no estado de Mato Grosso. Dissertação (Mestrado). Campinas: Instituto de Geociências – UNICAMP.

Oliveira, L. A. (2011). Arcabouço tectono-estratigráfico e mineralizações auríferas do Grupo Cuiabá na faixa paraguai norte, MT. Dissertação (Mestrado). Cuiabá: Instituto de Ciências Exatas e da Terra – UFMT.

Oliveira, N. V., Endo, I., Oliveira, L. G. S. (2005). Geometria do sinclinal Gandarela baseada na deconvolução Euler 2D e 3D – quadrilátero ferrífero (MG). Revista Brasileira de Geofísica, 23(3), 221-232. https://doi.org/10.1590/S0102-261X2005000300002

Reid, A. B., Allsop, J. M., Granser, H., Millett, A. J., Somerton, I. W. (1990). Magnetic interpretation in three dimensions using Euler deconvolution. Geophysics, 55(1), 80-91. https://doi.org/10.1190/1.1442774

Reid, A. B., Ebbing, J., Webb, S. J. (2014). Avoiadable Euler erros – the use and abuse of Euler deconvolution applied to potential fields. Geophysical Prospecting, 62(5), 1162-1168. https://doi.org/10.1111/1365-2478.12119

Santos, J. F. (1984). O ouro eluvio-lateritico do deposito de Jatoba- MT. XXXIII Congresso Brasileiro de Geologia, 8, 4012-4023. Rio de Janeiro: SBG.

Silva, C. H. (1999). Caracterização estrutural de mineralizações auríferas do Grupo Cuiabá, baixada cuiabana (MT). Dissertação (Mestrado). Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas – UNESP.

Sistema de Informações Geográficas da Mineração (SIGMINE). (2019). Available at: http://sigmine.dnpm.gov.br/webmap/. Accessed on: Jan 11, 2019.

Souza, N. B. (1981). O Grupo Cuiabá na área do Projeto Coxipó. Estratigrafia e potencialidade econômica. I Simpósio de Geologia de Centro-Oeste, 1, 226-239. Goiânia: SBG.

Souza, N. B. (1988). Principais depósitos de ouro do Estado de Mato Grosso. XXXV Congresso Brasileiro De Geologia, 1, 116-129. Belém: SBG.

Thomé Filho, J. J., Scislewski, G., Shinzato, E., Rocha, G. A., Dantas, M., Castro Jr., P. R., Araújo, E. S., Melo, D. C. R., Armesto, R. C. G., Araújo, L. M. N. (ed.). (2006). Sistema de informação geoambiental de Cuiabá várzea grande e entorno: SIG Cuiabá. Goiânia: CPRM.

Thompson, D. T. (1982). EULDPH. A new technique for making computer assisted depth estimates from magnetic data. Geophysics, 47(1), 31-37. https://doi.org/10.1190/1.1441278

Tokashiki, C. C., Saes, G. S. (2008). Revisão estratigráfica e faciologia do Grupo Cuiabá no alinhamento Cangas-Poconé, baixada Cuiabana, Mato Grosso. Revista Brasileira de Geociências, 38(4), 661-675. https://doi.org/10.25249/0375-7536.2008384661675

Downloads

Publicado

2021-10-04

Como Citar

Iocca, S. R. S., & Fachin, S. J. da S. (2021). Aplicação da deconvolução de Euler 2D e 3D sinclinal do Pari, zona interna da Faixa Paraguai, Mato Grosso, Brasil. Geologia USP. Série Científica, 21(3), 75-84. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v21-163509

Edição

Seção

Artigos