Análises hierárquica e de regressão linear aplicadas aos mapeamentos de suscetibilidade e de risco aos movimentos de massa (Bairro Cidade Nova, Aracaju – SE, Brasil)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v21-183696

Palavras-chave:

Áreas de risco, Estado de Sergipe, Risco geológico, Mapeamento de risco, Método processo de análise hierárquica, Regressão linear

Resumo

O município de Aracaju, capital de Sergipe, tem em sua paisagem periférica, na região norte, a preservação de tabuleiros costeiros com elevações de até 100 m e inclinações do terreno superiores a 30°, naturalmente favoráveis à ocorrência de movimentos de massa. Nos anos de 2000 a 2010, essa região, especificamente o Bairro Cidade Nova, área do presente estudo, sofreu com a intensificação da abertura de cortes em taludes para construção de moradias, o que tem acarretado eventos discretos de movimentos de massa, com prejuízos materiais, e colocado pessoas em risco de morte no período chuvoso. Como forma de contribuir para a redução desse risco, que vem sendo monitorado de forma qualitativa e de pouco detalhe, foi proposto no presente trabalho o mapeamento semiquantitativo. Foram adotados como métodos o Processo de Análise Hierárquica e a regressão linear, com o objetivo de realizar o mapeamento de suscetibilidade e de risco em escala de detalhe. Com a ponderação dos parâmetros em software GIS, a fotointerpretação de imagens de satélite e imagens aéreas oblíquas, obteve-se que 3,08% do terreno está em condição de muita alta suscetibilidade a movimento de massa e que 356 moradias se encontram em situação de risco, necessitando do mapeamento em escala de detalhe casa a casa. Após aplicação do método processo de análise hierárquica (em inglês: analytic hierarchy process — AHP), o mapeamento de campo revelou 43 setores de risco, com aumento de 80% no número de setores sob risco alto e de 75% no número de setores de risco muito alto, comparado aos mapeamentos anteriores da Defesa Civil Municipal de Aracaju e do Serviço Geológico do Brasil (CPRM). 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alheiros, M. M. (1998). Riscos de escorregamentos na região metropolitana do Recife. Tese (Doutorado). Salvador: Pós-Graduação em Geologia – UFBA.

Aracaju. (2000). Lei complementar nº 42 de 04/10/2000. Plano diretor de desenvolvimento urbano do município de Aracaju – PDDU. Prefeitura de Aracaju; Empresa Municipal de Obras e Urbanização. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=172074. Acesso em: 30 mar. 2021.

Araújo, H. M. (2002). As áreas de risco na malha urbana de Aracaju. Revista GEOUFS, 1(1), 2834.

Araújo, H. M., Vilar, J. W. C. (2004). Encostas no ambiente urbano de Aracaju/SE. V Simpósio Nacional de Geomorfologia I Encontro Sul-Americano de Geomorfologia. Rio Grande do Sul: UFSM. Disponível em: http://lsie.unb.br/ugb/sinageo/5/6/Helio%20Mario%20de%20Araujo%202.pdf. Acesso em: 30 mar. 2021.

Araújo, I. B. A. (2019). Mapeamento de detalhe em área de risco a movimento de massa e caracterização geológica de taludes em região do Bairro Cidade Nova, Aracaju/SE. Trabalho de conclusão de curso. São Cristóvão: Departamento de Geologia – UFS.

Augusto Filho, O. (1994). Cartas de risco de escorregamento: uma proposta metodológica e sua aplicação no município de Ilhabela, SP. Dissertação (Mestrado). São Paulo: Escola Politécnica – USP.

Augusto Filho, O. (2001). Carta de risco de escorregamentos quantificada em ambiente de SIG como subsídio para implantação de seguros em áreas urbanas: um ensaio em Caraguatatuba (SP). Tese (Doutorado). Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas – Unesp.

Avila, F. F., Alvalá, R. C. S., Mendes, R. M., Amore, D. (2020). The influence of land use/land cover variability and rainfall intensity in triggering landslides: a back-analysis study via physically based models. Natural Hazards, 105, 1139-1161. https://doi.org/10.1007/s11069-020-04324-x

Barredo, J. I., Benavides, A., Hervás, J., Van Westen, C. J. (2000). Comparing heuristic landslide hazard assessment techniques using GIS in the Tirajana basin, Gran Canaria Island, Spain. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, 2(1), 9-23. https://doi.org/10.1016/S0303-2434(00)85022-9

Bitar, O. Y. (2014). Cartas de suscetibilidade a movimentos gravitacionais de massa e inundações-1:25.000: Nota Técnica Explicativa. São Paulo: IPT; Brasília: CPRM. (Publicação IPT 3016.)

Bongiovanni, L. A., Fukumoto, M. M., Antonio, C. A., Figueiredo, F. T., Cayres, M. V. A. (2011). Operação Guarda-Chuva: prevenção e resposta a desastres naturais em São Bernardo do Campo – SP. XIII Congresso de Geologia de Engenharia e Ambiental. Espírito Santo: CGEA.

Brasil. (2012). Lei nº 12.608, de 10 de abril de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil – PNPDEC; dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil – SINPDEC e o Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil – CONPDEC; autoriza a criação de sistema de informações e monitoramento de desastres. Diário Oficial da União, Brasília.

Canil, K. (2000). Processos erosivos e planejamento urbano: carta de risco de erosão das áreas urbana e periurbana do município de Franca, SP. Dissertação (Mestrado). São Paulo: Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – USP.

Carvalho, C. S., Macedo, E. S., Ogura, A. T. (2007). Mapeamento de riscos em encostas e margem de rios. Brasília: Ministério das Cidades, Instituto de Pesquisa Tecnológicas.

Carvalho, D. T. (2014). As políticas públicas de gestão de desastres ambientais: o caso do município de Niterói após o episódio do Morro do Bumba. Dissertação (Mestrado). Niterói: Instituto de Ciências Humanas e Filosóficas – UFF. Disponível em: https://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/14699. Acesso em: 14 maio 2021.

Cerri, L. E. S. (1993). Riscos geológicos associados a escorregamentos: uma proposta para prevenção de acidentes. Tese (Doutorado). Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas – UNESP.

Cerri, L. E. S., Nogueira, F. R., Carvalho, C. S., Macedo E. S., Augusto Filho, O. (2007). Mapeamento de risco em assentamentos precários no município de São Paulo. Revista Geociências, 26(2), 143-150. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/106837. Acesso em: 23 jul. 2021.

Costa, C. C. (2019). Setores de risco de escorregamentos de solo e suscetibilidade à enxurradas do Morro do Urubu (Bairro Porto D’Antas, Aracaju – SE). Trabalho de conclusão de curso. São Cristóvão: Departamento de Geologia – UFS.

Cunha, F. L. B., Dias, R. P. (2019). Setorização de áreas em alto e muito alto risco a movimentos de massa, enchentes e inundações, Aracaju – SE. Serviço Geológico do Brasil (CPRM). Disponível em: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/handle/doc/19936.2. Acesso em: 30 maio 2021.

Dourado, F., Arraes, T. C., Silva, M. F. (2012). O megadesastre da região serrana do Rio de Janeiro – as causas do evento, os mecanismos dos movimentos de massa e a distribuição espacial dos investimentos de reconstrução no pós-desastre. Anuário do Instituto de Geociências, 35(2), 43-54. https://doi.org/10.11137/2012_2_43_54

Faria, D. G. M. (2011). Mapeamento de perigo de escorregamentos em áreas urbanas precárias brasileiras com a incorporação do processo de análise hierárquica (AHP). Tese (Doutorado). São Carlos: Escola de Engenharia de São Carlos – USP. https://doi.org/10.11606/T.18.2011.tde-08122011-110908

Faria, D. G. M., Mendes, R.F, Valério filho, M., Bertoldo, M. A., Silva, M. F. (2016). Aplicação do processo de análise hierárquica (AHP) no mapeamento de risco associado a escorregamentos no município de São José dos Campos – SP. Revista Brasileira de Cartografia, 68 (9), 1712-1735. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/44439>. Acesso em: 23 jul. 2021.

Fraga, I. M. (2018). Caracterização dos tipos de riscos geológicos no Bairro Porto D’Antas, Aracaju – SE. Trabalho de conclusão de curso. São Cristóvão: Departamento de Geologia – UFS.

Franco, L. S. (2019). Relatório interno de mapeamento das áreas de risco do Bairro Cidade Nova e Japãozinho – Aracaju (SE). Aracaju: Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Aracaju – COMDEC.

Gusmão Filho, J. A., Melo, L. V., Alheiros, M. M. (1992). Estudo das encostas de Jaboatão dos Guararapes, PE. Conferência Brasileira sobre Estabilidade de Encostas. Rio de Janeiro: ABMS-ABGE-ISSMGE. v. 1. p. 191-209.

Guzzetti, I. F., Carrara, A., Cardinali, M., Reichenbach, P. (1999). Landslide evaluation: a review of current techniques and their application in a multi-scale study, Central Italy. Geomorphology, 31(1-4), 181-216. https://doi.org/10.1016/S0169-555X(99)00078-1

Japan International Cooperation Agency (JICA). (2000). The study on water resources development in the state of Sergipe in the Federative Republic of Brazil. Aracaju, Sergipe. Disponível em: https://openjicareport.jica.go.jp/pdf/11565157_02.pdf. Acesso em: 26 ago. 2021.

Jenks, G. F. (1963). Generalization in statistical mapping. Annal of the Association of American Geographers, 53(1), 15-26. https://doi.org/10.1111/j.1467-8306.1963.tb00429.x

Jesus, M. O. (2018). Risco de escorregamentos de solo no Bairro Porto D’Antas, Aracaju – SE / Brasil. Trabalho de conclusão de curso. São Cristóvão: Departamento de Geologia – UFS.

JICA – Japan International Cooperation Agency (2000). The study on water resources development in the state of Sergipe in the Federative Republic of Brazil. Aracaju, Sergipe. Disponível em: <https://openjicareport.jica.go.jp/pdf/11565157_02.pdf>. Acesso em: 26 ago 2021.

König, T., Kux, H. J. H., Mendes, R. M. (2019). Shalstab mathematical model and WorldView-2 satellite images to identification of landslide-susceptible areas. Natural Hazards, 97, 1127-1149. https://doi.org/10.1007/s11069-019-03691-4

Macedo, E. S. (2000). Elaboração de cadastro de risco iminente relacionado a escorregamentos: avaliação considerando experiência profissional, formação acadêmica e subjetividade. Tese (Doutorado). Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas – UNESP.

Marcelino, E. V. (2008). Desastres naturais e geotecnologias: conceitos básicos. São José do Campos: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Mendes, R. M., Andrade, M. R. M., Graminha, C. A., Prieto, C. C., Ávila, F. F., Camarinha, P. I. M. (2018a). Stability analysis on urban slopes: case study of an anthropogenic-induced landslide in São José dos Campos, Brazil. Geotechnical and Geological Engineering, 36, 599-610. https://doi.org/10.1007/s10706-017-0303-z

Mendes, R. M., Andrade, M. R. M., Tomasella, J., Moraes, M. A. E., Scofield, G. B. (2018b). Understanding shallow landslides in Campos do Jordão Municipality - Brazil: disentangle the anthropic effects from natural causes in the disaster of 2000. Natural Hazards and Earth System Sciences, 18, 15-30. https://doi.org/10.5194/nhess-18-15-2018

Miall, A. D. (1978). Lithofacies types and vertical profile models in braided river deposits: a summary. In: A. D. Miall (Ed.). Fluvial Sedimentology. Calgary: Canadian Society of Petroleum Geologists, 597-604.

Miall, A. D. (1985). Architectural-element analysis: a new method of facies analysis applied to fluvial deposits. Earth-Science Reviews, 22(4), 261-309. https://doi.org/10.1016/0012-8252(85)90001-7

Neta, B. G. S. (2016). Análises de risco e perigo de movimentos de massa, caracterização geotécnica e estabilidade de encostas na região metropolitana de Aracaju. Dissertação (Mestrado). São Cristóvão: Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil – UFS.

Nogueira, F. R. (2002). Gerenciamento de riscos ambientais associados a escorregamentos: contribuição às políticas públicas municipais para áreas de ocupação subnormal. Tese (Doutorado). Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas – UNESP. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/102945. Acesso em: 22 jul. 2021.

Ribeiro, N. M. G. (1985). Transformações recentes do espaço urbano de Aracaju. Revista Geonordeste, 2(1), 20-31.

Rozos, D., Bathrellos, G. D., Skillodimou, H. D. (2011). Comparison of the implementation of rock engineering system and analytic hierarchy process methods, upon landslides susceptibility mapping, using GIS: a case study from the Eastern Achaia County of Peloponnesus, Greece. Environmental Earth Sciences, 63, 49-63. https://doi.org/10.1007/S12665-010-0687-z

Saaty, R. W. (1987). The analytic hierarchy process: What it and how it is used. Mathematical Modelling, 9(3-5), 161-176. https://doi.org/10.1016/0270-0255(87)90473-8

Santoro, J., Mendes, R. M., Pressinotti, M. M. N., Manoel, G. R. (2010). Correlação entre chuvas e deslizamentos ocorridos durante a operação do Plano Preventivo de Defesa Civil em São Paulo, SP. VII Simpósio Brasileiro de Cartografia Geotécnica e Geoambiental. Maringá: UEM/DGE/PGE/DEC/PEU, p. 1-14.

Santos, D. M. F. (2014). Mapeamento e análise de risco no Bairro América, município de Aracaju/SE. Trabalho de conclusão de curso. São Cristóvão: Departamento de Geologia – UFS.

Silva, R. C., Mendes, R. M., Fisch, G. (2020). Future scenarios (2021-2050) of extreme precipitation events that trigger landslides - a case study of the Paraitinga River watershed, SP, Brazil. Ambiente e Água, 15(7), 1-18. https://doi.org/10.4136/ambi-agua.2558

Sobreira, F. G., Souza, L. A. (2012). Cartografia geotécnica aplicada ao planejamento urbano. Revista Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental, 2, 79-97. Disponível em: https://www.abge.org.br/volume-2-n-1. Acesso em: 30 mar. 2021.

Tatizana, C., Ogura, A. T., Cerri, L. E. S., Rocha, M. C. M. (1987a). Análise de correlação entre chuvas e escorregamentos na Serra do Mar, município de Cubatão. V Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia. Anais, 2, 225-236. São Paulo: ABGE.

Tatizana, C., Ogura, A. T., Cerri, L. E. S., Rocha, M. C. M. (1987b). Modelamento numérico da análise de correlação entre chuvas e escorregamentos aplicado às encostas da Serra do Mar no município de Cubatão. V Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia. Anais, 2, 237-248. São Paulo: ABGE.

Teixeira, L. R. (2014). Mapa geológico e de recursos minerais do estado de Sergipe. Escala 1:250.000. Brasil: CPRM – Serviço Geológico do Brasil.

Tominaga, L. K., Santoro, J., Amaral, R. (2009). Desastres naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico.

Downloads

Publicado

2021-10-05

Como Citar

Franco, L. S. ., Figueiredo, F. T. ., Gomes, P. V. O. ., & Araújo, I. B. A. . (2021). Análises hierárquica e de regressão linear aplicadas aos mapeamentos de suscetibilidade e de risco aos movimentos de massa (Bairro Cidade Nova, Aracaju – SE, Brasil). Geologia USP. Série Científica, 21(3), 85-107. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v21-183696

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento